terça-feira, maio 03, 2016

A VIDA, A TERRA, O HOMEM & A BIOÉTICA


A VIDA, A TERRA, O HOMEM & A BIOÉTICA – As sucessivas crises por que tem passado a humanidade, tem levado a um momento decisório e dicotômico por parte de cada um de nós: ou a manutenção da dominação da natureza e do homem pela acumulação vinculada ao processo de produção capitalista, em que a natureza é objeto eterno e inesgotável da exploração humana, ou a constatação do desafio de se chegar a uma situação insustentável da autodestruição da espécie pela destruição da natureza, buscando uma relação mais harmônica com o planeta por meio da eleição de novos valores e paradigmas. Ou uma, ou outra. É chegada a horagá. Isso porque a crise ambiental tem levado toda humanidade a um processo de reorganização diante da ameaça de esgotamento dos recursos naturais com a explosão demográfica e consumo, os elevados níveis de poluição da atmosfera envenenando o ar e contaminando as águas, os riscos de alterações climáticas, o desmatamento, a desertificação, a perda da biodiversidade, entre outros tantos problemas que têm trazido uma série de outros tantos danos problemáticos quase insuperáveis. Diante desse fato, alguns posicionamentos têm se identificado por parte da sociedade, sejam por meio de atitudes naturalistas que consideram que a natureza é ordem e critério de bondade, como as emotivistas que defendem os direitos dos animais, as utilitaristas que apregoam que só sendo útil é que se proporciona o maior bem ao maior número de pessoas, as racionalistas que advogam que só o homem detém a razão e as ecologistas dando maior importância ao mundo. No meio disso tem-se revisitado os princípios kantianos da razão prática e a ética da convicção e da responsabilidade de Max Weber, defendida pelo filósofo alemão Hans Jonas (1903-1993), levando em conta que os efeitos da ação humana devem ser compatíveis com a vida, não destruindo a futura vida humana e não comprometendo as condições de continuação da humanidade sobre a Terra, além de exigirem, portanto, que cada um deve se colocar no lugar do outro, incluindo as futuras gerações. Tal condução tem levado muitos pensadores, filósofos e estudiosos a sugerirem um novo paradigma que passe a tratar a natureza de forma complexiva, global e holística, com a convicção da profunda interconexão existente entre os processos naturais, saindo da visão antropocêntrica do mundo para uma dimensão biocêntrica, adotando a referência evolutiva como principio cosmovisional, considerando a espiritualidade humana e a questão global ecológica como um supraconceito. E isso se deu por conta do surgimento da Bioética que, segundo o cientista espanhol Javier Gafo Fernandes (1936-2001), trata dos problemas morais relacionados com a vida. Ah, tá. Pois bem. Diante de tudo isso, faz-se necessário indagar: afinal, de que lado a gente está? A gente está na maior correria devorando tudo e nem aí pra quem pintou a zebra e pro que está ocorrendo com o planeta, nem com o aparecimento de doenças cada vez mais desafiadoras da nossa resistência, nos autoenvenenando e, ao mesmo tempo, amontoando o lixo por nós fabricado no dia a dia a ponto de tornar o nosso ambiente impróprio para a nossa própria vida? Ou estamos de forma harmônica garantindo a nossa existência e das futuras gerações por meio de ações conscientes, solidárias e pró-vida? A resposta é sua. Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

EPÍGRAFE 
[...] a economia se caracteriza pelo desperdício, onde todas as coisas devem ser devoradas e abandonadas tão rapidamente como surgem, em que as coisas surgem e desaparecem sem jamais durarem o tempo suficiente para conter em seu meio o processo vital [...], trecho extraído da obra A condição humana (Forense Universitária, 1997), da filósofa política alemã de origem judaica Hannah Arendt (1906-1975), Veja mais aqui.


Imagem: Earth Mother, da artista plástica Shere Crossman.


Curtindo o álbum Dos confins do sertão (1987), cantor e compositor Elomar Figueira de Mello. Veja mais aqui.

PESQUISA
Cronologia pernambucana: subsídios para a História do Agreste e do Sertão (CEHM/FIAM, 1982), do historiador, jornalista, lexicógrafo, pesquisador e compositor Nelson Barbalho (1918-1993). Veja mais aqui e aqui.

EPIGRAFE
[...] Sou só um sertanejo, nessas altas ideias navego mal. Sou muito pobre coitado. Inveja minha pura é de uns conforme o senhor, com toda leitura e suma doutoração. [...] No centro do sertão, o que é doideira às vezes pode ser a razão mais certa e de mais juízo! [...] Sertão é isto: o senhor empurra para trás, mas de repente ele volta a rodear o senhor dos lados. Sertão é quando menos se espera. [...] Sertão é o sozinho. Sertão: é dentro da gente. O sertão é sem lugar.
Trechos extradídos da obra Grande sertão: veredas (José Olympio, 1982), do escritor, médico e diplomata João Guimarães Rosa (1908-1967). Veja mais aqui, aqui e aqui.

LEITURA 
AS MENINAS DA GARE
Era três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha.
Pau-Brasil (1925), do escritor, ensaísta e dramaturgo do Modernismo brasileiro, Oswald de Andrade (1890-1954). Veja mais aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA 
Imagem: Sertanejo, um poema à Terra (2011), do artista plástico Antonio Cláudio Massa.
A TERRA É NATURA
(fragmento, de Patativa de Assaré)
 [...] Esta terra é como o Só / Que nasce todos os dia / Briando o grande o menó / E tudo que a terra cria. / O só quilarêa os monte, / Tombém as água das fonte, / Com sua luz amiga, / Potrege, no mesmo instante / Do grandião elefante / A pequenina formiga.
Esta terra é como a chuva, / que vai da praia a campina, / móia a casada, a viúva, / a véia, a moça, a menina. / Quando sangra o nevuêro, / pra conquista o aguacêro / ninguem vai fazê fuxico, / pois a chuva tudo cobre, / móia a tapera do pobre / e a grande casa do rico.
Esta terra é como a lua, / este foco prateado / que é do campo até a rua, / a lampa dos namorado; / mas, mesmo ao véio cacundo, / já com ar de moribundo / sem amô, sem vaidade, / esta lua cô de prata / não dêxa de sê grata; lhe manda quilaridade.
Esta terra é como o vento, / o vento que, por capricho / assopra, as vez, um momento, / brando, fazendo cuchicho, / ôtras vez, vira o capeta, / vai fazendo pirueta, / levando tudo de móio / jogando arquêro nos óio / do grande e do pequenino [...]
Veja mais aqui.

Veja mais Brincarte do Nitolino, Nélida Piñon, Akhenaton, Kitaro, Oswald de Andrade, Eurípedes, Percy Bysse Shelley, François Truffaut, Medeia, Nicolau Maquiavel, Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira, Otto Lingner & Nina Kozoriz aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Brutishness, do pintor simbolista belga Fernand Khnopff (1858-1921).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.

TODO DIA É DIA DO CORDEL, DA BANDEIRA & DO CANTARAU TATARITARITATÁ!

Ligue o som para conferir & veja clipes/vídeos aqui .