sexta-feira, abril 15, 2016

O TRÂMITE DO VISINVISÍVEL


O TRÂMITE DO VISINVISÍVEL (Imagem: Sem título – 2012, acrílica sobre papel, 29cm x 21cm, da poeta e artista visual Elaine Pauvolid). - Abro os olhos e sou tudo o que vejo: luzes, cores, sons, emoções. Antes disso, tudo era possível. Agora, não mais. Ocupo um lugar que divido com tudo e todas as coisas. Antes não havia tempo ou espaço, nem ontem, agora ou amanhã. Agora eu tenho medidas, perspectivas, limitações. Não posso ocupar o que é de outro, sou elo de argamassa no amálgama, complemento da completude, fragmento do total. Estou aqui, sou daqui, dali, dacolá, alhures. Pouco sei de qualquer lugar, nem daqui, nem dali. Só que sou e vou, descobertas, revelações. Longe de mim tudo existe e eu não sei. Medro o que perscruto, revelo-me integrante de tudo e nada sou. Transformo-me, cresço-me em mim para ser pro todo. Sou mutável no que é permanente, incluso que se parece excludente, envolto no que é envolvente: sou o específico da generalização, distinção do que não se distingue, e ser racional não é só o que sou, sou mais. Deduzo e induzo: posso ser muito mais, ou não. Apenas cinco sentidos, é muito pouco, tudo é maior que apenas isso. A rosa não é só o que vejo e cheiro e toco e sinto. É semente que brotou, fez-se caule, galhos, folhas e flores. Não só, muito mais. Há muito mais, eu não sei, mas há. O pato já nasce sabendo nadar, o pássaro já nasce sabendo voar. Tenho de aprender. Meu cérebro só sabe o que for programado. Afora isso nada sei. Só sei que sou muito mais que mãos espalmadas, olhos atentos, olores, odores, concreto, sabores, coração pulsante, sentimentos à flor da pele. Sou mais que fabricante de excrementos e passos claudicantes e desejos nos sonhos. Sou mais que o queimor solar na pele, o giro da Terra e de todos os ventos, a vida na hora e o cálculo do futuro. Sou mais que o poder porque sou poder. Sou mais que a morte porque morro a cada segundo. Sou claroscuro, além da fronteira do longe e do perto, do próximo e o distante. Sou visinvisível que reflete, refrata. Vejo e sinto na escuridão além das medidas referenciais, cores matizadas, sons audíveis. E se vejo, sou visto. Sou onde estou e não estou, só deforma a forma. Minha essência intacta se agiganta ou se apequena conforme minha própria evolução ou não. Renovo-me a cada morte e sou sempre vivo no curso da vida. A chama me leva ontem, hoje e amanhã até o inequacionável. Sem temores, me apronto para destruir meus conceitos, convicções, concepções, e me despojo de qualquer fanatismo, sectarismo e de tudo de mim mesmo. Sou uma interrogação ambulante até que me faça o caminho, a verdade e a vida. Então fecho os olhos e tudo volta a ser possível. Só assim eu sou. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui

 Imagem: a arte do pintor, gravador e ilustrador francês Paul-Émile Bécat (1885-1960). Veja mais aqui.

 Curtindo o álbum (9 cds+1 dvd) Das Solo-Klavierwerke (Capriccio Phoenix, 2011), do compositor e pianista russo Alexander Nikolayevich Scriabin (1872-1915), na interpretação da pianista sueca radicada na Alemanha, Maria Lettberg. Veja mais aqui, aqui e aqui.

LEITURA
Leitura do livro Quadrigrafias (Uapê, 2015), dos escritores Elaine Pauvolid, Márcio Catunda, Tanussi Cardoso e Ricardo Alfaya. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA
Quando por uma cagada de sorte uma coisa vingar dando certo na sua vida, não vá só ficar mordendo as orelhas com o riso no coarador! Lembre-se: a vida não é novela; e, depois do final feliz, tem sempre outro dia e tudo volta pro que era antes. Tome tento e se avie! (LAM).

POEMIUDINHO
Imagem: arte de Berenice Barreto.
AUTORRETRATO
Viajeiro nato, caio na estrada
Cada veia no asfalto, olhos a mil
Eu sou Brasil, meu autorretrato.
(LAM). Veja mais aqui.

Veja mais Brincarte do Nitolino & Literatura Infantil, Leonardo da Vinci, Émile Durkheim, John Cage, Henry James, John McLaughlin, Luiz Fernando Veríssimo, Toumal & Mulher de Bushman, Emma Thompson & Padre Bidião aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Nu, do pintor, gravador e ilustrador francês Paul-Émile Bécat (1885-1960).
Veja aqui e aqui.