sexta-feira, dezembro 18, 2015

PREVISÕES 2016, LITERATURA DE CORDEL, SILVIO ROMERO, BRIDGIT, TANJA, ZINAIDA & MUITO MAIS!!!

VAMOS APRUMAR A CONVERSA? AS PREVISÕES DO DORO PARA 2016!!!! – Seguinte: depois de meses e meses acoloiado com o padre Bidião e bebendo do seu Evangelho, o Doro resolveu dar as caras, desde janeiro enclausurado para descobrir a mensagem dos astros e alinhando os planetas para 2016. Veja quanto tempo! O cara dedicou-se porque tinha a maior fé que 2015 ia ser a maior meleca da desgraceira. E foi. Diz ele, batendo na caixa dos peitos, todo ufano: - Acertei tudim tudim tudim! Num disse? 2015 foi lasqueira braba de torá a rodeira da cega Dedé, chega deixá todo mundo de cangaia pro ar! Tais vendo? Não sabia nem do que ele estava falando, até jogar um calhamaço na minha lata com inscrição agarranchada na qual se podia ler depois de tentar adivinhar: Previsões para 2016 do mestre Dorus! (é que ele para dar um ar de maior sapiência assinou seu nome de forma latina!) Nossa! Imaginei a lorota, afinal quem não passou arroxado o ano de 2015? Oxe, esse ano foi a maior tronchura do monstro Macobeba! Eu mesmo, além de fodido e mal pago, fui humilhado, defenestrado, apunhalado pelas costas, desqualificado e, ainda por cima, corrido de vergonha, fui abandonado como cão sarnento vitimado da pior moléstia dos cachorros! Findei um desembestado pré-infartado do médico severamente largar maior esporro: - Ou para de beber e fumar, ou vai foder as coronárias dessa porra merda de coração, viu? Olhei pra ele, dei uma maneirada – é, no meio de umas tonturas, bati biela, deslizei e me vi na maior das doidices -, porém tô pior que Djavan naquela da Seduzir: “Nem que eu bebesse o mar encheria o que tenho de fundo”. Nossa, virei um vazio de borderline. Só escapando. Mas, destá! Tô me segurando para não bater as botas, pois, ainda preciso fechar umas coisinhas. Depois, seja o que Deus quiser. Pois bem, depois de misturar ascendentes, decanatos, descendentes e o escambau, eis que o Dorus chegou-se todo na empáfia e segundo ele mesmo: desinvalidando todas as previsões já anunciadas. Bote fé! Pra Áries veio com um recado: ariana, cuidado com as novidades, sem saber o que é seguro ou estabelecido. Pra Touro, um alerta: taurina, não vá mudando muito senão se perde de você mesma e saiba que aquele cara pode ser de Plutão, viu?! Gêmeos, iiiihhhh, lá vai: pior do que está não pode ficar, você já está na lona, minha filha! Levante a cabeça, respire fundo e mande ver! Quem sabe a coisa num muda de uma hora pra outra, hem? Tome juízo. Câncer: Ó canceriana, dê seus pulos que você não é quadrada, não faça de Urano o seu inferno de vida! Leão: leonina, minha fia, se você não fizer nenhuma cagada pra Saturno, é hora de subir na escada, viu? Virgem: virginiana, Júpiter tá mandando ver na sua vida, é bom sinal, não vá estragar tudo! Libra: libriana, você estará em palpos de aranha até o meio do ano, relaxe e goze! E depois reze pra coisa melhorar pra sua banda! Escorpião: escorpiana, você está no meio de um buruçu da gota, tome tento e preste bem atenção nas coisas, não vacile, tá? Sagitário: sagitariana, danada, sedução em alta, Vênus mandando ver! Cuidado com os mondrongos bichados! Capricórnio: oh, capricorniana, cuidado com boi de fogo que você tá numa de perder o controle. Cuidado, assim você vai parar na casa de caixa pregos, juízo! Aquário: aquariana, vá preparando os panos de bunda e junte todos os seus mijados pra mudar de vida até o meio do ano, senão a coisa vai empretar pro seu lado! Peixes: ó pisciana, controle a ansiedade, andar de lado não é crescimento. Se quer expandir, olhe de lado e veja a roda que você está metida! E de lambuja, além das previsões detalhadas (para saber tudo das previsões é só clicar em cima do nome do seu signo), o Dorus – é assim que ele quer ser tratado doravante – dá uma colher de chá dupla: a famosíssima e prestigiada simpatia da virada do ano e a milagrosa simpatia Tiro e Queda! Agora desfrute de tudo que ele trouxe e, quando puder, aprume a conversa aqui! 600 mil beijabrações procê!!!!!!!!!!

 Imagem: Sleeping-nude (1932), da artista plástica russa Zinaida Serebriakova (1884-1967).


Curtindo o hit Ready or Not e todo álbum Hello My Name Is... (Holywood Records, 2012), de estreia da atriz, cantora e compositora estadunidense Bridgit Mendler, artista que está constantemente engajada em campanhas de ajuda aos pais e professores com o projeto denominado Back to school da Target, como também de inspiração para crianças e famílias para ter um impacto positivo no mundo.

LINGUAGEM, PODER E DISCRIMINAÇÃO – No livro Linguagem, escrita e poder (Martins Fontes, 2009), de Maurizio Gnerre, trata sobre a linguagem, as considerações sobre o campo de estudo da escrita e da oralidade para a escrita, processo de redução da linguagem, entre outros assuntos. Da obra destaco o trecho da Linguagem, poder e discriminação: A linguagem não é usada somente para veicular informações, isto é, a função referencial denotativa da linguagem não é senão uma entre outras; entre essas ocupa uma posição central a função de comunicar ao ouvinte a posição que o falante ocupa de fato ou acha que ocupa na sociedade em que vive. As pessoas falam para serem ouvidas, às vezes para serem respeitadas e também para exercer uma influencia no ambiente em que realizam os atos linguísticos. O poder da palavra é o poder de mobilizar a autoridade acumulada pelo falante e concentrá-la num ato linguístico. Os casos mais evidentes em relação a tal afirmação são também os mais extremos: discurso político, sermão na igreja, aula, etc. As produções linguísticas deste tipo, e também de outros tipos, adquirem valor se realizadas no contexto social e cultural apropriado. As regras que governam a produção apropriada dos atos de linguagem levam em conta as relações sociais entre o falante e o ouvinte. Todo ser humano tem que agir verbalmente de acordo com tais regras, isto é, tem que saber: quando pode falar e quando não, que tipo de conteúdos referenciais lhe são consentidos, que tipo de variedade linguística é oportuno que seja usada. Tudo isto em relação ao contexto linguístico e extralingustico em que o ato verbal é produzido. A presenta de tais regras é relevante não só para o falante, mas também para o ouvinte, que, com base em tais regras, pode ter alguma expectativa em relação à produção linguística do falante. Esta capacidade de previsão é devida ao fato de que nem todos os integrantes de uma sociedade têm acesso a todas as variedades e muito menos todos os conteúdos referenciais. Somente uma parte dos integrantes das sociedades complexas, por exemplo, considerada geralmente a língua, e associada tipicamente a conteúdos de prestigio. A língua padrão é um sistema comunicativo ao alcance de uma parte reduzida dos integrantes de uma comunidade; é um sistema associado a um patrimônio cultural apresentado como um corpus definido de valores, fixados na tradição escrita. [...] Os cidadãos, apesar de declarados iguais perante a lei, são, na realidade, discriminado já na base do mesmo código em que a lei é redigida. A maioria dos cidadãos não tem acesso ao código, ou, às vezes, tem uma possibilidade reduzida de acesso, constituída pela escola e pela norma pedagógica ali ensinada. Apesar de fazer parte da experiência de cada um, o fato de pessoas serem discriminadas pela maneira como falam, fenômeno que se pode verificar no mundo todo, no caso do Brasil não é difícil encontrar afirmações de que aqui não existem diferenças dialetais. [...] Veja mais aqui.

UMA ESTÓRIA DO SERTÃO - No livro Manuscrito holandês ou A peleja do caboclo Mitavai com o monstro Macobeba (Antunes & Cia, 1959), de M. Cavalcanti Proença, encontro a narrativa Uma estória do sertão: O velho Mané Lucídio metia as suas canguaras, sentava na beira da calçada e falava feito reza de igreja: - Vaqueiro vestido de couro, da cor do tijolo, marcando o compasso do passo curtindo dos bois do sertão. Tilim-tilim das rosetas, o aboio tão triste, tão... e um passo, os bois não têm pressa. Se vão para a morte, para que se apressar? Que bois pequeninos! E que fosse o boi Mais-maior, não ia chegar pra fome da gente que mora faminta na praia do mar. Cavalinho ruço-pombo baixou a cabeça de pura tristeza; carreira ligeira quebrar barbatão, conversa de cavalo-homem. choutando, guiando, engabelando o gado enganado? Sei não. Ruço-pombo perde tempo, que a boiada tudo sabe; não vê que nem não remói? Só quer esquecer o gosto do pasto. Baixaram as pestanas, nem olham de lado, as juremas balançando, despenando as folhas, se acabando: “Até um dia, meu boi!” O exo ficou sem coragem e não repetiu o aboio, ia gaguejar; o céu escureceu, ia chover. Mas era tempo de seca e só fez a carranca, que seca mesmo, até céu do sertão respeita. Vaqueiro cor de tijolo, aquele turuno está beirando músico, avisando que os bois te perdoaram. E a gente faminta da praia do mar tem coração pequenino que não cabe nem você, quanto mais um boi. Mané Lucídio tinha ficado tantã de uma rodada de cavalo, uma ronda de laço o pegou pelos peitos. Agora ficou velho, banguelo, pedindo farinha de esmola, só criançada parava para escutar conversa dele, gente grande tinha muito que fazer. A molecada gritava: - Mané, ô Mané, a estória do sertão como é que é?... Ele fazia como ladainha: - A ajuda que veio para o povo do sertão entrou num carro de boi porque a estrada era ruim, altas ficavam as serras; parou que mais parou em todos os riachinhos, ribeirões, cabeceiras, lajeados; acendeu seu fogo, refogou seu feijão, e botou carvão com sebo no eixo, antes de dormir debaixo das estrelas. Ainda não chegou, mas mandou embaixada pelos outros carros que ficaram fanhosos com a poeira vermelha do caminho e a gente não consegue entender e não sabe qual é. Mitavaí apeou da cerca e voltou para o quartel, com vergonha de olhar para trás. Adivinhava o focinho úmido dos bois, fumaçando mais forte, dentro da névoa, os olhos escuros de um desespero que ele não podia ajudar. O café ralo do rancho dava azia. Assou o nariz por causa da garoa, mas não estava chorando. Homem não chora. Veja mais aqui.

ABC DO VAQUEIRO EM TEMPO DE SECA - No livro Contos populares do Brasil (José Olympio, 1885) do advogado, jornalista, poeta, historiador, filósofo e escritor Silvio Romero (1851-1914), encontro o ABC do vaqueiro em tempo de seca: Agora triste começo / A manifestar o meu fado / Os meus grandes aveixames / A vida de um desgraçado. / Bem queria nunca ser / Vaqueiro neste sertão / Para fim de não me ver / Em tamanha confusão. / Com cuidado levo o dia / E a noite a maginar / De manhã tirar o leite / Ir ao campo campear. / Domingos e dias santos / Sempre tenho que fazer. / Ou bezerros com bicheira, / Ou cavalos pra ir ver. / Enquanto Deus não dá chuva / Logo tudo desanima, / Somente mode o trabalho / Das malvadas das cacimbas. / Façam a todo o vaqueiro / Viver aqui sobre si, / Que entrando nesta vida / Diga: — Já me arrependi! / Grande é a tirania / De um dono de fazenda, / Que de pobre de um vaqueiro / Não tem compaixão nem pena. / Homem que tiver vergonha / Vaqueiro não queira ser, / Que as fazendas de agora / Nem dão bem para comer. / I no tempo que nós estamos / Ninguém tem opinião; / Para um dono de fazenda / Todo vaqueiro é ladrão. / Labora um pobre vaqueiro / Em tormentos tão compridos, / Quando é no remate de contas / Sempre é mal correspondido. / Mandam como a seu negro, / Uns tantos já se matando; / Ainda bem não tem chegado, / Já seus donos estão ralhando. / Não posso com esta lida, / Me causa grande desgosto, / Só por ver como vai / O suor deste meu rosto. / O bom Deus de piedade / A mim me queira livrar, / Enquanto vida tiver / E bens alheios tratar. / Para o mês de Sam João / Vou ver o que estou ganhando, / Quero pagar o que devo, / Inda lhe fico restando. / Querendo ter alguma cousa. / Não há de vestir camisa, / Visto isto que eu digo / O mesmo tempo me avisa. / Ralham contra os vaqueiros, / Nada se faz a seu gosto; / Se acaso morre um bezerro, / Na serra se toma outro. / Saibam todos os vaqueiros / Tratados bem de seus amos, / Se eles não têm consciência, / Logo nós todos furtamos. / Tudo isto que se vê / Inda não disse a metade, / Por causa do leite de vaca / Se quebra muita amizade. / Vou dar fim ao A, B, C / Eu não quero mais falar, / Se fosse eu a dizer tudo / São capazes de me matar. / Xorem e chorarão / Com grande pena e pesar, / Somente mode um mumbica / Que dão para se matar. / Zelo, zeloso, / Todos sabem zelar, / Que de um pobre vaqueiro / Sempre tem que falar. Veja mais aqui e aqui.

TEATRO MEDIEVAL - Na obra Teatro Vivo (Civita, 1976), organizada por Sábato Magaldi, encontro que: [...] O incipiente teatro medieval de inspiração religiosa é o resultado de uma fantástica visão de sonho. Com o reflorescimento do comercio e da vida urbana, no século XI, aparecem novas cidades e mercados, novas ordens e escolas, mas por muito tempo ainda se respirou a atmosfera apocalíptica do Juizo Final. Principalmente na Espanha, a técnica das moralidades passou a ser utilizada no drama litúrgico que se desenvolveu entre os séculos XII e XIII. O mais antigo exemplo que se conhece em língua castelhana é o Auto dos Reis Magos, peça que integrava o ciclo de Natal. Objetivando indicar os caminhos da salvação da alma, os autos falavam dos episódios bíblicos e exaltavam a vida dos santos e dos mártires que haviam tombado em nome da fé. Eram geralmente peças em um ato, com indisfarçável caráter alegórico, que integravam as encenações cíclicas; denominadas algumas vezes drama de movimento, em oposição ao clássico drama localizado. Na Espanha tornaram-se famosos o ciclo de Corpus Christi, que celebrava o mistério da Eucaristia e o ciclo da Paixão, quando se rememorava a tragédia de Cristo. As representações da Paixão compunham-se de numerosas cenas em sequencia, das quais participavam centenas de atores. Frequentemente elas duravam diversos dias e seus episódios, muito mais do que simples situações dramáticas, demonstravam o gosto pelo espetacular e pelo movimento. A Idade Média não criou um edifício teatral próprio. No inicio, os espetáculos se confundiam com o próprio oficio religioso. Tinham lugar dentro ou diante do pórtico das igrejas. Portanto, sua arquitetura teatral natural era o interior ou o pórtico das igrejas. Mais tarde, o mistério transferiu-se para uma sala retangular ou para a praça pública. Uma tela imensa, fixada por cordas, cobria os espectadores. Os privilegiados dispunham de camarotes especiais, conhecendo-se em Romans-sur-Isére (França) a existência de oitenta e quatro deles, que se fechavam a chave. Essa hierarquia, contudo, não destruía o espírito de celebração, de caráter eminentemente religioso. A praça pública estimulava o comparecimento do povo, que se mostrava arredio em logradouros fechados. Palcos muito largos davam maior credibilidade aos cenários simultâneos. Ganhando as praças públicas, o drama religioso estava destinado a se fundir com os gêneros profanos. Os autos sacramentais começaram a ser montados sobre carroções, nos quais se armavam complicados cenários e engenhosos maquinismos, capazes de proporcionar a ilusão de milagres e aparições de santos e diabos. E, além dos truques técnicos, o teatro parece ter incorporado também o luxo dos figurinos. Renovado anualmente, o traje dos atores era então de uma riqueza extraordinária. Embora os artistas itinerantes se vissem obrigados a atuar nessas peças didáticas e maniqueístas, em que o catolicismo levava à salvação e a irreligiosidade à danação eterna, muitos deles já começavam a ganhar certo prestígio em repertórios que prenunciavam a liberalização renascentista. Veja mais aqui e aqui.

O CINEMA – No livro O novo mundo das imagens eletrônicas (70, 1985), de Guido e Teresa Aristarco, encontro o texto O cinema: da química aos processos eletrônicos, de Guido Aristarco, do qual destaco o trecho: O cinema morreu, está a morrer? Em quase toda a parte, pelo menos no Ocidente, a resposta é afirmativa. A frequência dos espectadores, em grande parte da Europa e nos Estados Unidos da América, está em continua e constante diminuição; muitas salas fecharam as portas ou estão para fechá-las: onde antes se ia para ver um filme, encontramos agora, com frequência, discotecas e supermercados. [...] Já há algum tempo, Rossellini falava da morte do cinema: “o cinema morreu; morreu como espetáculo. As pessoas já não se reconhecem no cinema; daí a redução das audiências; vivemos na era das imagens e, no entanto, o publico foge das salas. O mundo está mais adulto em relação ao cinema”. também a crítica, acrescentava, é igual aos produtos que consome, isto é, é responsável pela mistificação do filme. Muito antes de Rossellini, um grande estudioso e teórico da arte, Rudolph Arnheim, falava já dessa morte e ligava-a diretamente ao advento do filme sonoro. “O fim do cinema mudo não é mais do que o fim do cinema. é trágico, é como a bomba sobre o templo grego. Está destruído”. [...] . Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA:
Todo dia é dia da jornalista e escritora alemã Tanja Dückers.

DEDICATÓRIA
A edição de hoje é dedicada à médica, crítica literária e fotógrafa Cidinha Madeiro. Veja aqui.