domingo, fevereiro 15, 2015

GISMONTI, BRECHT, LOO, GALILEU, NISE DA SILVEIRA, IRENA SANDLER & BLOW UP!


A CIÊNCIA, A INQUISIÇÃO, O TEATRO - O matemático, astrônomo e físico italiano Galileu Galilei (1564-1642) tornou-se personalidade fundamental na revolução científica da modernidade, ao elaborar a lei da queda livre dos corpos, fundamental para todo o desenvolvimento posterior da mecânica racional. Publica em 1612 o seu Discurso sobre as coisas que estão sobre a água, no qual ridiculariza a teoria aristotélica dos quatro elementos, seguindo-se, em 1613, da História e demonstração sobre as manchas solares, apoiando a teoria do astrônomo e matemático polonês Nicolau Copérnico (1473-1543), mostrando o erro da concepção, segundo a qual, o Sol, como os demais astros, seria um corpo composto de um único elemento, o éter. Por essas obras, foi denunciado pelo dominicano Lorini como herege ao Santo Oficio. O seu julgamento pela Inquisição foi transformado no espetáculo teatral do dramaturgo alemão Bertolt Brecht: Vida de Galileu, em 1839/39 (Civilização Brasileira, 1978). A peça possui quinze quadros, o primeiro o professor de matemática em Pádua, quer demonstrar o novo sistema copernicano do universo; no segundo, Galileu entrega uma nova invenção à República de Veneza; no terceiro, 10 de janeiro de 1610, servindo-se do telescópio, Galileu descobre fenômenos celestes que confirmam o sistema copernicano, quando é advertido por seu amigo das possíveis consequências de sua pesquisa e ele afirma a sua fé na razão humana. Na quarto quadro, Galileu troca Veneza pela corte florentina, cujos sábios não dão credito às suas descobertas feitas pelo telescópio; no quinto, nem a peste intimida-o a prosseguir em suas pesquisas; no sexto, é 1616, Colégio Romano, instituo de pesquisa do Vaticano, confirmando as suas descobertas; no sétimo, a Inquisição põe a doutrina de Copérnico no Índex, em 5 de março de 1616; no oitavo, uma conversa; no nono, após oito anos de silêncio, encorajado pela ascensão de um novo papa, que é cientista, Galileu retoma suas pesquisas no campo proibido das manchas solares; no décimo, no decênio seguinte, o ensinamento de Galileu se difunde entre o povo e em toda parte panfletistas e jograis empunham as novas ideias, e na terça0-feira de carnaval de 1632, em muitas cidades da Itália, o desfile alegóricos das corporações retrata a astronomia; no décimo primeiro, a Inquisição convoca Galileu; no décimo segundo, o papa; no décimo terceiro, Galileu diante da Inquisição, em 22 de junho de 1633, renegando a sua doutrina do movimento da terra; no décimo quarto, Galileu vive numa casa de campo, prisioneiro da Inquisição até a sua morte; e no décimo quinto quadro, o livro Os Discorsi atravessa a fronteira italiana: “Distinto público, a ciência neste final deixa às carreiras o solo nacional. E nós que dela precisamos mais, eu, tu, ele, nós ficamos para trás. Meu vizinho, a ciência agora está contigo, cuida dela, cuida bem, mas como amigo. Que senão ela sobe, cresce, estoura e desce, nos come a todos e depois esquece. E depois esquece”. Em 1975, a peça de Brecht foi transformada em filme homônimo, sob a direção de Joseph Losey. Veja mais aqui.
Imagem: Madame de Pompadour como Venus, pintura a óleo pequena, do pintor francês Charles André van Loo (1701-1765)

Ouvindo Frevo no álbum Nó Caipira (EMI-Odeon, 1978) do músico multi-instrumentista Egberto Gismonti.


A SENHORA DAS IMAGENS – A médica psiquiatra e psicoterapeuta alagoana, Nise da Silveira (1905-1999), foi aluna de Carl Gustav Jung e desenvolveu um trabalho de reconhecimento internacional no tratamento revolucionário das doenças mentais no Brasil. Autora de diversos livros, ela fundou o Museu de Imagens do Inconsciente, em 1952 e, posteriormente, A Casa da Palmeiras, em 1956, para o desenvolvimento das atividades psiquiátricas e psicoterapêuticas. Entre os anos 1983/86, o cineasta Leon Hirszman (1937-1987), realizou uma trilogia denominada Imagens do Inconsciente, baseado em um roteiro de Nise. Em 2014, com direção de Roberto Berliner e estrelado por Glória Pires, foi lançado o filme Nise da Silveira – A senhora das imagens. Veja mais aqui e aqui.

UM ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA – A enfermeira polaca, ativista católica dos direitos humanos e salvadora de milhares de vida no gueto de Varsóvia durante a invasão alemã nazista da Polônia, na II Guerra Mundial, em 1942, Irena Sendler (1910-2008), que adotava o nome código de Jolanta, contribui para salvar mais de duas mil e quinhentas vidas por conseguir que famílias cristãs escondessem judeus em suas residências. Tornando-se conhecida como O anjo do gueto de Varsóvia por usar uma braçadeira com a estrela de David em sinal de solidariedade: A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade”. Em 1943 ela foi presa e brutalmente torturada pela Gestapo, pela qual teve os ossos dos pés e das pernas quebrados, mesmo assim, negou-se a trair os colaboradores das crianças ocultas. Foi condenada à morte e ao ser levada para o interrogatório final, um soldado alemão ordenou-lhe que corresse, fugindo dali. Seu nome estava entre os polacos executados e ela salvou-se pela intervenção de amigos que subornaram os alemães, continuando a trabalhar com identidade falsa. Durante uma revolta de Varsóvia, colocou duas listas com nomes em dois frascos de vidro que foram enterrados num jardim, acaso ela morresse. Quando findou a guerra, ela desenterrou-os para entregar ao primeiro presidente do comitê de salvação dos judeus sobreviventes, Adolfo Berman. Em 1965, ela recebeu a outorga de Justa entre as Nações pela organização Yad Vashem, de Jerusalém, tornando-se cidadã honorária de Israel. Depois, em 2003, recebeu a Ordem da Águia Branca, do presente da República Aleksander Kwásniewski. Em 2009, foi lançado o filme The Courageous Heart of Irena Sendler (O coração corajoso de Irena Sendler), baseado em sua vida, de Anna Miezkowska, roteiro de Larry Spagnola e direção de John  Keth Harrison, estrelado por Anna Paquin. Veja mais aqui.


BLOW UP – O inesquecível filme ítalo-britânico Blow-Up (Depois daquele beijo, 1966), do cineasta italiano Michelangelo Antonioni (1912-2007), baseado no conto Las barbas del diablo (1959), do escritor argentino Júlio Cortázar (1914-1984) e na vida do famoso fotógrafo britânico da Swinging London, David Bailey, com roteiro do diretor e de Edward Bond e Tonino Guerra, fotografia de Carlo Di Palma e música de Herbie Hancock, conta a história do envolvimento acidental com um crime de morte, com lindas mulheres no elenco, a exemplo de Vanessa Redgrave, Sarah Miles e Jane Birkin, além da supermodelo Verushka interpretando a si própria. O filme arrebatou o Grand Prix do Festival de Cannes. Veja mais aqui



Veja mais sobre:
Nênia de Abril & Sérgio Campos, Octavio Paz, Jorge Tufic & Rogel Samuel, Joseph Haydn, René Descartes, Nagisa Oshima, William Morris Hunt && Programa Tataritaritatá aqui.

E mais:
A mulher escandinava aqui.
Aprumando a conversa pela democracia e legalidade aqui.
Educação profissional aqui.
Segure a onda, Fecamepa, Direitos do Consumidor & outras loas aqui.
A velhice não é o fim do mundo, William Butler Yeats, Antonio Nóbrega & Spencer Tunic aqui.
A criança em mim resiste, John Cage & Martine Joste, Marta María Pérez Bravo & Valentim da Fonseca e Silva aqui.
Vamos aprumar a conversa, Arthur Schopenhauer, Catherine Ribeiro & Natalia Goncharova aqui.
A vida passa e a história se repete, Alfredo Volpi, Xheni Rroji, Avigdor Arikha, Edith Wharton & Gillian Leigh Anderson aqui.
Diálogo entre ninguém e coisa alguma, Cláudio Santoro & Lilian Barreto, Jussara Salazar, Viktor Lyapkalo & Aprumando a conversa aqui.
A sociedade em rede de Manuel Castels, Karen Horney, Carmen Miranda, Edson Cordeiro, Amelinha, Mônica Waldvogel, Branca Tirollo, Frevo & Folia Tataritaritatá aqui.
Três poemetos de amar outra vez, Bertolt Brecht, Boris Pasternak, Bigas Luna & Penélope Cruz, Francesco Hayez, Vanessa da Mata, Abigail de Souza & Programa Tataritaritatá aqui.
Os assassinos do frevo, José Saramago, Hannah Arendt. Luis Buñuel & Catherine Deneuve, Sérgio Mendes, Frederico Barbosa & Gilson Braga aqui.
Alagoas e o império colonial português aqui.
A viagem de Joan Nieuhof & Pernambuco nos séculos XVI e XVII aqui.
Caio Prado Júnior, Manuel Diegues Júnior, Educação & Pedrinho Guareschi aqui.
Celso Furtado, Sociedades Sustentáveis, A questão ambiental & Economia Popular aqui.
Planejamento e atendimento, A arte do guerreiro, A pedagogia do sucesso, Educação e a crise do capitalismo real, EaD, Currículo, cultura & sociedade aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



PRIMO LEVI, ALTHUSER, OSCAR WILDE, FERNANDA MONTENGRO, SÉRGIO AUGUSTO DE ANDRADE, NEUZA PARANHOS, APOLLONIA SAINTCLAIR & PADRE BIDÃO

OS MILAGRES DO PADRE BIDIÃO - Muito se tem falado a respeito dos milagres praticados pelo Padre Bidião. Eu mesmo nunca vi um sequer, mas...