sexta-feira, fevereiro 13, 2015

PSICOPATOLOGIA & MEMÓRIA, DELEUZE & GUATTARI, CATARINA EUFÉMIA, PETER GABRIEL, VICENTE CARUSO, MENA SUVARI, SANDRA FAYAD, JANNE EYRE & DIA DO RÁDIO!!!!


PSICOPATOLOGIA & MEMÓRIA - A memória, para Dalgalarrondo (2008), é a capacidade de registrar, manter e evocar as experiências e os fatos já ocorridos. A capacidade de memorizar relaciona-se intimamente com o nível de consciência, com a atenção e com o interesse afetivo. Os processos da memória são codificação, armazenamento e recuperação. TIPOS DE MEMÓRIA – Para Dalgalarrondo (2008), os tipos de memória são: cognitiva, genética, imunológica, coletiva ou cultural. Memória cognitiva (psicológica), que permite ao indivíduo registrar, conservar e evocar, a qualquer momento, os dados aprendidos da experiência. A memória cognitiva é composta de três fases ou elementos básicos: Fase de registro (percepção, gerenciamento e início da fixação) Fase de conservação (retenção) Fase de evocação (também denominada de lembranças, recordações ou recuperação). Memória genética (genótipo): conteúdos de informações biológicas adquiridos ao longo da história filogenética da espécie, contidas no material genético (DNA, RNA, cromossomos, mitocôndrias) dos seres vivos. Memória imunológica: informações registradas e potencialmente recuperáveis pelo sistema imunológico de um ser vivo. Memória coletiva ou cultural: conhecimentos e práticas culturais (costumes, valores, habilidades artísticas e estéticas, preconceitos, ideologias, estilo de vida, etc.) produzidos, acumulados e mantidos por um grupo social minimamente estável. FATORES PSICOLÓGICOS DO PROCESSO DE MEMORIZAÇÃO - Dalgalarrondo (2008) assinala que do ponto de vista psicológico, o processo de fixação (engramação) depende de: nível de consciência e estado geral do organismo (o indivíduo deve estar desperto, não muito cansado, bem-nutrido, calmo, etc.); atenção global e capacidade de manutenção de atenção concentrada sobre o conteúdo a ser fixado (capacidade do indivíduo concentrar-se); sensopercepção preservada; interesse e colorido emocional relacionado ao conteúdo mnêmico a ser fixado, assim como do empenho do indivíduo em aprender (vontade e afetividade); conhecimento anterior (elementos já conhecidos ajudam a adquirir elementos novos); capacidade de compreensão do conteúdo a ser fixado; organização temporal das repetições (distribuição harmônica e ritmada no tempo auxilia na fixação de novos elementos); canais sensoperceptivos envolvidos na percepção, já que, quanto maior o número de canais sensoriais, mais eficaz a fixação (p. ex., o método audiovisual de ensino de línguas). A conservação (retenção) dos elementos mnêmicos depende de: repetição (pois, de modo geral, quanto mais se repete um conteúdo, mais facilmente este se conserva); associação com outros elementos (cadeia de elementos mnêmicos). A evocação é a capacidade de recuperar e atualizar os dados fixados. Esquecimento é a denominação que se dá à impossibilidade de evocar e recordar. Segundo Dalgalarrondo (2008), oesquecimento (o oposto da evocação) se dá por três vias: esquecimento normal, fisiológico: por desinteresse do indivíduo ou por desuso; esquecimento por repressão: quando se trata de conteúdo desagradável ou pouco importante para o indivíduo, podendo, no entanto, o sujeito, por esforço próprio, voltar a recordar certos conteúdos reprimidos (que ficam estocados no préconsciente); e esquecimento por recalque: certos conteúdos mnêmicos, devido ao fato de serem emocionalmente insuportáveis, são banidos da consciência, podendo ser recuperados apenas em circunstâncias especiais (ficam estocados no inconsciente). Segundo a lei de Ribot, o indivíduo que sofre uma lesão ou doença cerebral, sempre que esse processo patológico atinge seus mecanismos mnêmicos de registro e recordação, tende a perder os conteúdos da memória (esquecimento) seguindo algumas regularidades: o sujeito perde as lembranças e seus conteúdos na ordem e no sentido inverso que os adquiriu; consequência do item anterior, ele perde primeiro elementos recentemente adquiridos e, depois, os elementos mais antigos; perde primeiro elementos mais complexos e, depois, os mais simples; perde primeiro os elementos mais estranhos, menos habituais e, só posteriormente, os mais familiares; primeiramente, perde os conteúdos mais neutros; depois, perde os elementos afetivos e, apenas no fim, os hábitos e os comportamentos costumeiros mais profundamente enraizados no repertório comportamental e mental. O reconhecimento é a capacidade de identificar o conteúdo mnêmico como lembrança e diferenciá-la da imaginação e de representações atuais. FASES OU TIPOS DE MEMÓRIA - Dalgalarrondo (2008) observa que em relação ao processo temporal de aquisição e evocação de elementos mnêmicos, a neuropsicologia moderna divide a memória em quatro fases ou tipos: imediata ou de curtíssimo prazo, recente ou de curto prazo, remota ou de longo prazo. A memória imediata ou de curtíssimo prazo (de poucos segundos até 1 a 3 minutos). Este tipo de memória confunde-se com a atenção e com a memória de trabalho (que será vista adiante), pois é a capacidade de reter o material (palavras, números, imagens, etc.) imediatamente após ser percebido. A memória imediata tem capacidade limitada e depende da concentração, da fatigabilidade e de certo treino. As memórias imediata e de trabalho dependem sobretudo da integridade das áreas pré-frontais. A memória recente ou de curto prazo (de poucos minutos até 3 a 6 horas). Refere-se à capacidade de reter a informação por curto período. Também é um tipo de memória de capacidade limitada. A memória recente depende de estruturas cerebrais das partes mediais dos lobos temporais, como a região CA1 do hipocampo, do córtex entorrinal, assim como do córtex parietal posterior. A memória remota ou de longo prazo (de meses até muitos anos). É a capacidade de evocação de informações e acontecimentos ocorridos no passado, geralmente após muito tempo do evento (pode durar por toda a vida). É um tipo de memória de capacidade bem mais ampla que a imediata e a recente. Acredita-se que a memória remota relaciona-se tanto ao hipocampo (no processo de transferência de memórias recentes para remotas) como a amplas e difusas áreas corticais, principalmente frontais, incluindo todos os outros lobos cerebrais, sobretudo em suas áreas corticais de associação. ALTERAÇÕES DA MEMÓRIA – As alterações da memoria são classificadas em quantitativas e qualitativas. ALTERAÇÕES QUANTITATIVAS – As alterações quantitativas compreendem a hipermnesia, a hipmnesia e a amnesia. A HIPERMNESIA – Conforme Paim (1993), a hipermnesia ocorre quando se evocam lembranças casuais com mais vivacidade e exatidão que ordinariamente, ou quando se recordam particularidades que comumente não surgem. Não existe na realidade aumento da memoria; verifica-se apenas maior facilidade na evocação, limitada habitualmente a períodos específicos, a eventualidades específicas ou a experiências realizadas com afetos particularmente intensos. As hipermnésias, para Dalgalarrondo (2008), são as representações (elementos mnêmicos) afluem rapidamente, em tropel, ganhando em número, perdendo, porém, em clareza e precisão. A hipermnésia traduz mais a aceleração geral do ritmo psíquico que uma alteração propriamente da memória. A HIPOMNESIA – A hipomnesia, para Paim (1993), é a diminuição do numero de lembras evocáveis na unidade de tempo. A AMNÉSIA – A amnesia, segundo Paim (1993), é a desaparição completa das representações mnêmicas correspondentes a um determinado tempo da vida do individuo. Denomina-se amnésia, para Dalgalarrondo (2008), a perda da memória, seja a da capacidade de fixar ou a da capacidade de manter e evocar antigos conteúdos mnêmicos. A amnésia anterógrada designa a amnesia que se refere aos fatos transcorridos depois da causa determinante do distúrbio, como sinônimo de perturbação da fixação. Ocorre nos casos de ofuscamento da consciência, nos estados de agitação, na síndrome de Korsakov. Os doentes com amnesia anterógrada não podem relembrar os fatos recentes, conservando entretanto a capacidade para recordar acontecimentos do passado mais remoto. Observa-se como fato geral que os defeitos pronunciados da fixação se acompanham frequentemente de fabulações. Na amnésia anterógrada, Dalgalarrondo (2008) identifica que o indivíduo não consegue mais fixar elementos mnêmicos a partir do evento que lhe causou o dano cerebral. A amnésia anterógrada é um distúrbio-chave e bastante frequente na maior parte dos distúrbios neurocognitivos. A amnesia retrógrada refere-se à perda da memoria dos fatos ocorridos antes de um insulto cerebral (traumatismos cranianos, apoplexia, ictus paralítico, eclampsia, tentativas e enforcamento, intoxicação por óxido de carbono, embriaguez grave) e que se estende a dias ou semanas para trás da lesão. Consiste habitualmente, na perda da memoria relativa a um espaço de tempo limitado: algumas horas, dias, mais raramente semanas ou anos. Em alguns casos, a amnesia retrógrada pode compreender todos os acontecimentos anteriores da vida do enfermo. Segundo Dalgalarrondo (2008), na amnésia retrógrada, o indivíduo perde a memória para fatos ocorridos antes do início da doença (ou trauma). Sua ocorrência sem amnésia anterógrada pode ser observada em quadros dissociativos (psicogênicos), como a amnésia dissociativa e a fuga dissociativa. A amnesia retroanterógrada é a que se refere aos fatos ocorridos antes e depois da causa determinante. Trata-se de uma alteração simultânea da fixação e da evocação. Encontra-se nos casos graves de demências orgânicas, de amência e de traumatismo cranioencefálicos. Se é de instalação súbita e total, privando o individuo da capacidade de compreensão e de orientação no tempo e no espaço, toma o nome de psicorrexe. A amnesia transitória se caracteriza pela incapacidade de fixar acontecimentos recentes. Os enfermos conservam a capacidade de evocação, porém revelam transtornos da orientação têmporo-espacial, fabulações e perseveração. A amnesia lacunar ocorre nos casos de traumatismos cranioencefálicos. Esta perda de memória esteve na razão inversa do tempo que decorreu entre as ações e a queda, e a volta da memoria operou-se numa ordem determinada, do mais longínquo para o mais próximo. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS – Para Paim (1993), os transtornos qualitativos da memória de evocação denominam-se de paramnésias, as quais são divididas em ilusões mnêmicas, alucinações mnêmicas, fabulações, fenômeno do já visto, cruotomnesia e ecmnesia. As ilusões mnêmicas são constituídas pela formação das lembranças em virtude do acréscimo de elementos falsos ao núcleo da imagem mnêmica, razão pela qual esta adquire o caráter de lembrança fictícia. Segundo Dalgalarrondo (2008), nas ilusões mnêmicas há o acréscimo de elementos falsos a um núcleo verdadeiro de memória. Por isso, a lembrança adquire caráter fictício. Muitos pacientes informam sobre o seu passado indicando claramente deformação de lembranças reais. Ocorre na esquizofrenia, na paranóia, na histeria grave, nos transtornos da personalidade (borderline, histriônica, esquizotípica, etc). As alucinações mnêmicas são as criações imaginativas com aparência de reminiscência, que não correspondem a nenhuma imagem de épocas passadas. Segundo Dalgalarrondo (2008), as alucinações mnêmicas são verdadeiras criações imaginativas com a aparência de lembranças ou reminiscências que não correspondem a qualquer elemento mnêmico, a qualquer lembrança verdadeira. Podem surgir de modo repentino, sem corresponder a qualquer acontecimento. Ocorrem principalmente na esquizofrenia e em outras psicoses funcionais. As fabulações consistem no relato de coisas fantásticas que, na realidade, nunca aconteceram. Em grande parte, resultam de uma alteração da fixação e de uma incapacidade para reconhecer como falsas as imagens produzidas pela fantasia. Segundo Dalgalarrondo (2008), as fabulações (ou confabulações), os elementos da imaginação do doente ou mesmo lembranças isoladas completam artificialmente as lacunas de memória, produzidas, em geral, por déficit da memória de fixação. Além do déficit de fixação, o doente não é capaz de reconhecer como falsas as imagens produzidas pela fantasia. As fabulações (ou confabulações) são invenções, produtos da imaginação do paciente, que preenchem um vazio da memória. O paciente não tem intenção de mentir ou enganar o entrevistador. É possível produzi-las, direcioná-las ou estimulá-las ao perguntar ao doente se ele lembra de um encontro há dois anos, em um bar de seu bairro, ou perguntando-lhe o que fez no domingo anterior (ou na noite passada). As fabulações são entendidas como um déficit de “monitoração da realidade”. Ocorrem frequentemente na síndrome de Korsakoff, secundária ao alcoolismo crônico, associado a déficit da tiamina (vitamina B1), traumatismo craniano, encefalite herpética, intoxicação pelo monóxido de carbono, etc. A síndrome de Korsakoff é caracterizada por déficit intenso de memória de fixação (sobretudo do tipo episódica), que geralmente vem acompanhado de fabulações e desorientação temporoespacial. O fenômeno do já visto consiste no fato de o individuo ter a impressão de que a vivencia atual foi experimentada no passado. A criptomnésia é um falseamento da memória em virtude do qual as lembranças perdem suas qualidades e aparecem ao paciente como fatos novos. A ecmnesia consiste na revivescência muito intensa, às vezes de duração breve, de lembranças anteriores que pareciam esquecidas. Esses indivíduos podem perder a identidade atual e vivem as cenas evocadas como se estivessem recolocados na época de sua existência em que elas sucederam. Veja mais aqui, aqui & aqui.

REFERÊNCIAS
DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2008.
PAIM, Isaías. Curso de psicopatologia. São Paulo: EPU, 1993.


Imagem: Nu, óleo sobre tela, do artista plástico Vicente Caruso (1912-1986).

Ouvindo Us (1992), álbum do músico inglês Peter Gabriel.


DIA MUNDIAL DO RÁDIO – A radiodifusão surgiu como desdobramento, em novo campo, da aplicação da radioeletricidade. Para seu desenvolvimento contribuíram cientistas e técnicas de muitos países, com seus estudos sobre o eletromagnetismo. E quando este surgiu, já os continentes estavam ligados por cabos transoceânicos. Em 1860, James C. Maxwell (1831-1879) previu as ondas de rádio, que viriam a chamar-se ondas hertzianas, do nome de Henrich Rudolf Hertz (1857-1894), que as descobriu e nelas identificou, em 1887, propriedades semelhantes às ondas luminosas. Pouco depois, Edouard Branly abriu caminho às radiocomunicações, concebendo um aparelho graças ao qual foi possível assinalar a presença das ondas elétricas de Hetz. No Brasil, a primeira emissão radiofônica oficial teve lugar no Rio de Janeiro, em 7 de setembro de 1922, como parte das comemorações do centenário da independência. Uma estação de 500 watts, montada no alto do Corcovado, pela Westinghouse Eletric International, em combinação com a Companhia Telefônica Brasileira, irradiou músicas e um discurso do presidente Epitácio Pessoa, ouvido com surpresa pelos visitantes da Exposição Internacional do Rio de Janeiro, através de oitenta receptores vindos dos USA, que haviam sido distribuídos às autoridades ou instalados em pontos centrais da cidade. Desde então, a radiodifusão vem passando por uma séria transformação. Tendo, com orgulho, a profissão de radialista filiado ao Sindicato dos Radialistas de Pernambuco, evidentemente que nesta data, faço a minha saudação. Viva o Rádio! Veja mais aquiaqui.

A INJUSTIÇA REINA, UMA MULHER MORTA - A ceifeira portuguesa Catarina Efigénia Sabino Eufémia, ou simplesmente, Catarina Eufémia (1928-1954), era analfabeta, mãe de três filhos e participante de um reivindicação por aumento de salário e, aos vinte e seis anos de idade, foi assassinada a tiros pelo tenente Carrajola, da Guarda Nacional Republicana. Com a autópsia constatou-se que os tiros foram à queima roupa pelas costas. Por isso, as autoridades temendo reação popular, providenciaram a realização do funeral às escondidas e de forma apressada. Na saída antecipada, a população invadiu com protestos sendo reprimida violentamente pelas forças policiais, resultando em espancamentos de trabalhadores rurais de Baleizão. O enterro foi levado sob escolta policial para Quintos, dez quilômetros do local, sendo seus restos mortais trasladados apenas em 1974. O assassino jamais fora julgado, falecendo em 1964. O brutal assassinato da trabalhadora personificou a resistência ao regime salazarista, adotada pelo Partido Comunista Português. Em sua homenagem, a poeta portuguesa Sophia de Mello Breyner Anderson (1919-2004) escreveu-lhe o poema: O primeiro tema da reflexão grega é a justiça /E eu penso nesse instante em que ficaste exposta / Estavas grávida porém não recuaste / Porque a tua lição é esta: fazer frente / Pois não deste homem por ti / E não ficaste em casa a cozinhar intrigas / Segundo o antiquíssimo método obíquo das mulheres / Nem usaste de manobra ou de calúnia / E não serviste apenas para chorar os mortos / Tinha chegado o tempo / Em que era preciso que alguém não recuasse / E a terra bebeu um sangue duas vezes puro / Porque eras a mulher e não somente a fêmea / Eras a inocência frontal que não recua / Antígona poisou a sua mão sobre o teu ombro no instante em que morreste / E a busca da justiça continua. Veja mais aqui.

DE PROFESSORES E ALUNOS – No segundo volume da coleção Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, do filósofo francês Gilles Deleuze (1925-1995) e do filósofo, psicanalista e militante revolucionário francês Félix Guattari (1930-1992), é tratada a temática dos postulados da linguística e sobre alguns regimes de signos. No que concerne à relação professor x aluno, os autores expressam que: [...] A professora não se questiona quando interroga um aluno, assim como não se questiona quando ensina uma regra de gramática ou de cálculo. Ela "ensigna", dá ordens, comanda. Os mandamentos do professor não são exteriores nem se acrescentam ao que ele nos ensina. Não provêm de significações primeiras, não são a consequência de informações: a ordem se apoia sempre, e desde o início, em ordens, por isso é redundância. A máquina do ensino obrigatório não comunica informações, mas impõe à criança coordenadas semióticas com todas as bases duais da gramática (masculino-feminino, singular-plural, substantivo-verbo, sujeito do enunciado-sujeito de enunciação etc). A unidade elementar da linguagem — o enunciado — é a palavra de ordem. Mais do que o senso comum, faculdade que centralizaria as informações, é preciso definir uma faculdade abominável que consiste em emitir, receber e transmitir as palavras de ordem. [...] As palavras não são ferramentas; mas damos às crianças linguagem, canetas e cadernos, assim como damos pás e picaretas aos operários. Uma regra de gramática é um marcador de poder, antes de ser um marcador sintático. Veja mais aqui.

ANIMAIS QUE PLANTAM GENTE & CERRADO CAPITAL - A escritoramiga e ambientalista Sandra Fayad é criadora de uma Horta Comunitária na Asa Norte (DF), após catorze anos de experiência com o cultivo de ervas medicionais e condimentos em um sítio no Lago. O foco do seu trabalho literário é resultante da observação e da efetiva atuação junto ao meio ambiente. Sobre essa temática, ela publicou o seu primeiro livro Animais que plantam gente (LGE, 2008) e Cerrado Capital: a vida em duas estações (ArteLetras, 2011). No seu segundo livro, destaco o poema Rainha do Cerrado: Sou árvore de raiz profunda, / primogênita da valentia, / meus galhos finos, contorcidos / enfrentam ventos, com galhardia. / Sou rainha gerada no cerrado, / nascida na seca do inverno, / crescida no aguaceiro do verão / pela graça do Padre Eterno. / Vem ser meu ipê na primavera, / pintar de roxo, rosa e amarelo, / essa amor que já foi quimera. / Acredita na paixão que te revelo. / Liberta-me da maldita espera / e acorrenta-me a ti, elo por elo. Veja mais aqui.



AMERICAN BEAUTY – O premiadíssimo filme American Beauty (Beleza Americana, 1999), dirigido e roteirizado por Sam Mendes, escrito por Alan Ball e música de Thomas Newman, ganhou quase todos os Oscars de 2000: melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro original, melhor fotografia e melhor ator. Trata-se de uma sátira sobre as noções de beleza e satisfação pessoal, sendo inspirado no julgamento de Anny Fisher, em 1992. Pra mim, o melhor mesmo foi o destaque do papel desenvolvido pela atriz e modelo norte-americana Mena Suvari, numa das cenas inesquecíveis da película.  Veja mais aqui.

 

HOMENAGEM ESPECIAL

Como todo dia é dia da mulher, hoje também é dia da Professora Universitária Janne Eyre Melo Sarmento. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Boi de fogo aqui.

E mais:
Poetas do Brasil, Gregório de Matos Guerra, Sheryl Crow, Dalinha Catunda, Yedda Gaspar Borges, Iracema Macedo, Fidélia Cassandra, Jade da Rocha, Psicodiagnóstico, Controle & Silêncio Administrativos aqui.
Eliete Cigarini, Abuso Sexual, Condicionamento Reflexo & Operante aqui.
Poetas do Brasil, Satyricon de Petrônio, Decameron de Boccaccio, Jorge de Lima, Laura Amélia Damous, Sandra Lustosa, Arriete Vilela, Sandra Magalhães Salgado, Celia Lamounier de Araújo & Simone Moura Mendes aqui.
Anna Pavlova, a Psicanálise de Freud & Adoção aqui.
A magia do olhar de quem chega aqui.
A mulher chinesa aqui.
Tarsila do Amaral, Psicopatologia & Transtornos de Consciência, Direito, Consumidor & Internet aqui.
José Saramago, Hannah Arendt, Luís Buñuel, Sérgio Mendes, Catherine Deneuve, Frederico Barbosa, Barbara Sukova, Os Assassinos do Frevo & Gilson Braga aqui.
Skinner, Walter Smetak, Costa-Gavras, Olga Benário, Kazimir Malevich, Irene Pappás, Camila Morgado & Pegada de Carbono aqui.
Marcio Baraldi & Transversalidade na Educação aqui.
Padre Bidião & as duas violências aqui.
A literatura de Rubem Fonseca aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o banguelo vê esmola grande fica mais assanhado que pinto no lixo aqui.
Big Shit Bôbras & o paredão: quem vai tomar no cu aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui& maisaqui e aqui.





RILKE, HUYSSEN, MARIA IGNEZ MARIZ, ANTÔNIO PEREIRA, LUCIAH LOPEZ & ARTE NA PRAÇA

PRIMEIRO ENCONTRO: MEU OLHAR, SEU SORRISO – Imagem: arte da poeta, artista visual & blogueira Luciah Lopez . - Da tarde a vida fez-se ...