sábado, janeiro 31, 2015

SCHUBERT, BAUMAN, TUNGA, KENZABURO, TEREZA COSTA REGO, KEN WILBER, MARIA JOÃO PIRES & KATE BECKINSALE

AFINAL, PRA QUE SOLIDARIEDADE? – O sociólogo polonês Zygmunt Bauman defende que a solidariedade pode melhorar o mundo e pode nos salvar. Tal afirmação está na sua ideia de que os sistemas fazem os indivíduos, e não o contrário; e o mundo fabrica lixo humano de excluídos como membros imperfeitos da sociedade, traformada da ética do trabalho à ética do consumismo. Uma sociedade que passou dos ideais de comunidade de cidadãos responsáveis para um agregado de consumidores satisfeitos e interessados em si mesmos. Em vista disso, para ele a mobilidade social é uma mentira e a equidade é um disfarce para o fantasma feio da assistência dentro de um albergue. Em um artigo, Diálogo sobre o homem (Jornal La Republica, 21/5/2012), ele escreve que: [...] O que "unifica" o precariado, o que mantém unido esse conjunto extremamente diversificado, tornando-o uma categoria coesa, é a sua condição de máxima fragmentação, pulverização, atomização. Todos os precários sofrem, independentemente da sua proveniência ou pertencimento, e cada um sofre sozinho. Mas todos esses sofrimentos suportados individualmente mostram uma surpreendente semelhança entre si. Reduzem-se a uma única coisa: a pura e simples incerteza existencial, uma assustadora mistura de ignorância e de impotência que é fonte inexaurível de humilhação. Contudo, esses sofrimentos não se somam, ao contrário, se dividem e separam aqueles que os sofrem, negando-lhes o conforto de um destino comum, e fazem parecer risíveis os apelos à solidariedade. Veja mais aqui e aqui

Imagem: Verão, da artista plástica pernambucana Tereza Costa Rego.

Ouvindo: Sonata nº 14, D, 784, do compositor austríaco Franz Peter Schubert (1797-1828), com a pianista portuguesa naturalizada brasileira Maria João Pires.

HORA DE CHEGADA – Podia ser festa, não era; outra vez – e sempre – fora adiada. Paisagem advena, inopinada. Novo oxigênio no pulmão, novo cerzir na vida. Qual nada, dias escorregadios. Nada tão diferente dos afagos arredios, noites abafadas, esquálido anteontem, pálido ontem. São na sacada, degraus, chegada – malgrado a partida. A horagá: continência pra amanhã – um fio de prumo ébrio. E o néscio nada Pangloss, afinal que dia - previu muitas léguas, tiranas de errâncias, desandares. Sua noção de linho, desalinhada; o vinco, abarrotado. As linhas se misturam nas mãos, um passado vivo, sem futuro, presente incerto, tragado; poeira nos olhos, enevoados; couro curtido, sal pisado; sol na moleira, ombro calejado de cruz. Barruadas de cara de tacho: só livre da greia, por enquanto. Haverá novos chistes, embustes. Muxoxos na guarita, os olhos ao redor e qual agulha, tudo e a todos vestidos, finda nu tal deus de Mallarmé. Veja mais aqui.

A FILOSOFIA E A PSICOLOGIA INTEGRADAS – O filósofo norte-americano Ken Wilber é o criador da Psicologia Integral que envolve um universo de estudo que vai desde a física, química, biologia, medicina, neurofisiologia, bioquímica, ecociências, teoria do caos, ciências sistêmicas, complexidade, psicologia e filosofia, além de artes, antropologia e mitologia, matemática, política, econômica, sociologia, negócios e escolas contemplativas e místicas. O seu sistema operacional integral funciona a partir dos níveis ou ondas de consciência, das linhas ou correntes de desenvolvimento, dos estados de consciência, dos tipos de personalidade e dos quatro quadrantes que são intencional, comportamental, cultural e social, considerando as linhas de desenvolvimento Cognitiva (Piaget, Kegan), Moral (Kohlberg, Gilligan), Interpessoal (Selman, Perry), Valores (Graves, Beck e Cowan), Necessidades (Maslow) e Emocional (Goleman). A respeito de suas propostas diz ele: Não acredito que a mente humana seja capaz de errar cem por cento. Assim, em vez de questionar qual abordagem está certa e qual está errada, assumo que cada abordagem é verdadeira, mas parcial. Então, procuro visualizar um modo de encaixar essas verdades parciais, de integrá-las, não escolhendo uma e livrando-me das outras”. Veja mais aqui

UMA QUESTÃO PESSOAL – O escritor japonês Kenzaburo Oe foi o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1994, possui vários dos seus livros traduzidos e lançados no Brasil, a exemplo do seu Não matem o bebé (Civilização, 1994), Dias tranquilos (Difel, 1995), Um eco do céu (Difel, 1998), Uma Questão Pessoal (Companhia das Letras, 2003), Jovens de um Novo Tempo, Despertai!.(Companhia das Letras, 2006) e 14 Contos (Companhia das Letras, 2011). A mais importante das suas obras é Uma questão pessoal (Companhia das Letras, 2003), e dela trazemos os seguintes excertos: Lá estava o mapa da África, em exposição no mostruário. Vistoso, belo como um cervo africano. Bird deixou escapar um suspiro abafado. Enfiadas em uniformes e com as partes expostas do corpo arrepiadas de frio, as vendedoras da livraria não lhe deram atenção. Entardecia. Como o corpo de um gigante recém-falecido, a atmosfera em volta da Terra fora perdendo aos poucos o calor daquele início de verão e se resfriara por completo. As pessoas pareciam querer recuperar das sombras do subconsciente a memória do calor do dia, cujo resquício a pele ainda retinha, e suspiravam desoladas. Junho, seis e meia da tarde. Ninguém mais suava na cidade. Exceto sua própria mulher, que àquela altura estaria transpirando intensamente por todos os poros do corpo desnudado. Estendida sobre um lençol de borracha e com os olhos fortemente cerrados, perdiz atingida em voo e em plena queda. Gemendo de dor, tomada de angústia e ansiedade. [...] Queria ver o próprio rosto refletido nos olhos do menino. De fato, pôde vê-lo no espelho dos olhos negros e cristalinos da criança, mas a imagem era tão minúscula que não lhe permitiu constatar as novas feições de seu rosto. Assim que chegasse em casa planejava se olhar no espelho. E, depois, consultar o dicionário que o repatriado Deltcheff  havia lhe dado, com a palavra esperança escrita na capa interna. Pretendia fazer sua primeira consulta nesse dicionário de um pequeno país da península balcânica. Buscaria a palavra paciência. Veja mais aqui.
Imagem sem título do escultor, desenhista e ator de performance pernambucano de Palmares, Antonio José de Barros de Carvalho e Mello Mourão, o Tunga.

DO UNDERWORLD, SNOW ANGELS & ET CÉTERA- O primeiro filme que assisti da atriz, modelo e garota de propaganda inglesa Kathrin Romary Beckinsale, simplesmente a linda e extraordinarimanete belíssima Kate Beckinsale, foi por acaso: Underworld (2003). O filme nunca fez nem faz o meu gênero, mas como eu estava na sala de cinema apenas para fazer companhia e, como nada no filme me prendia, a beleza dela me cativou. Depois, os filmes seguintes que ela fez do gênero, meus amigos colocavam para rodar – eu baixava o som e ficava esperando ela entrar em cena. Era aí que eu voltava, dava pausa e ficava fitando a sua performance: lindamente bela. Isso num bocado de filme dela que vi de todos os Underwoord que vieram, do tal do Van Helsing – meu primo Paulo Rogério era fã desse filme de assistir e reassistir direto -, do Whiteout, Contraband, Total Recall, Snow Angels e por aí vai. Ela, indubitavelmente faz parte do panteão das beldades homenageadas pela campanha todo dia é dia da mulher. Veja mais aqui.



Veja mais sobre:
Slavoz Žižek & Jacques Lacan, Modest Mussorgsky, Peter Brook, Charlotte Dubreuil, Tan Ngiap Heng, Marie-Christine Barrault & Cicero Melo aqui.

E mais:
Antonio Gramsci aqui.
Fecamepa, Sonhoterapia, Psicologia escolar, A família mutante & Maristher Moura Vasconcellos aqui.
Georges Bataille, John dos Passos, Heitor Villa-Lobos & Kiri Te Kanawa, Alain Robbe-Grille, Marie Espinosa & Berthe Morisot aqui.
Maria Lenk, Martin Luther King Jr, Egberto Gismonti & Naná Vasconcelos, Marie Duplessis, Greta Garbo & Débora Arango aqui.
Gilles Deleuze, Dian Fossey, Susan Sontag, Padre Bidião, Sigourney Weaver, Washington Maguetas & João Pinheiro aqui.
A poesia de João Cabral de Melo Neto aqui.
Darcy Ribeiro, Loius Claude de Saint-Martin, Autran Dourado, Damaris Cudworth Masham, Juan Orrego-Salas & Irina Vitalievna Karkabi aqui.
Edgar Allan Poe & Jacques Lacan, Paul Cézanne, Magda Tagliaferro, Nara Leão, Janis Joplin & Miguel Paiva aqui.
A cruzeta na volta que a vida dá, Artur Bual & Manuel Cargaleiro aqui.
Tem hora pra tudo e a vida é outra coisa, Ariano Suassuna & Quinteto Armorial, Emilia Kallock, Ciro Veras & Alexandra Lacerda aqui.
Nada melhor que a vida e viver além dos próprios limites, Antônio Nóbrega, lenda Umutina da criação dos homens, Oskar Kokoschka & Mozart Fernandes aqui.
Dos revezes que não poupam a amizade e o amor, Hermeto Pascoal, Lydia Cabrera, Hiram Powers, Nicola Axe & Rosalyn Drexler aqui.
Na vida, como no sonho, não há lógica, Algaravia, Winfried Nöth & Francis Bacon aqui.
Soou a vida o paraíso do amor, Tibério Gaspar, Marcos Rey & Helena Ramos, Catherine Nolin & Luciah Lopez aqui.
A literatura e história do Teatro aqui e aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Art by Ísis Nefelibata
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



sexta-feira, janeiro 30, 2015

GANDHI, REDGRAVE, PHIL COLLINS, QUADRINHOS, JENNIFER HALE & MARIA LUÍSA MENDONÇA


SATYAGRAHA & O DIA DA NÃO-VIOLÊNCIA - Mohandas Karamchand Gandhi (1869-1948), o grande Mahatma Gandhi que foi o idealizador e fundador do moderno Estado indiano atuou como advogado na África do Sul defendendo a minoria hindu e liderando a luta de seu povo por seus direitos. Ele tornou-se o maior defensor do Satyagraha como desobediência civil e meio de revolução, por meio do seu programa de cinco pontos exibidos pelos dedos da sua mão: igualdade, nenhum uso de álcool ou droga, unidade hindu-muçulmano, amizade e igualdade para as mulheres. Esses pontos estavam conectados ao pulso significando a não-violência. Utilizou também a estratégia política do swadeshi – boicote a todos os produtos importados. Por sua luta em defesa da paz e do povo hindu, ele foi assassinado no dia 30 de janeiro de 1948, em Nova Déli, pelo hindu radical Nathuram Godse. Seu corpo foi cremado e suas cinzas jogadas no rio Ganges. Veja mais aqui

Imagem da atriz inglesa Vanessa Redgrave no filme Blow-Up, do cineasta italiano Michelangelo Antonioni.

Ouvindo Phil Collins cantando no Genesis Firth Of Fifth & I Know What I Like (In Your Wardrobe), ao vivo no show When in Rome, 2007.

A EDUCAÇÃO DOS FILHOS E A SINA DE MÃE – A Associação de Moradores saiu de casa em casa convocando os moradores para uma palestra sobre cuidados dos filhos. Falou em filhos, é o mais importante assunto para Marcialita. No dia e hora marcados lá foi ela com os seus cinco bruguelinhos de cabelo de milho, tudo enganchado no cós da saia. Assistiu a tudo, apertou os olhos por não entender patavina, mas não arredou o pé. Ao final, o palestrante saiu perguntando aos presentes a respeito do tema abordado. Na vez dela, no jeito xucro dela, esbravejou: - Lá em casa é assim: escreveu num leu, pau cumeu pra num virá imprestáve e não me dá mais sossego pru resto da vida. Prurisso, reza tudo de joêio ni pedra, todo santo dia e adispois dô uma pisa em cada um pra aprendê e me livrá de duas maledicença: ser mãe de político ou de juiz de futebó. Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá!!! Veja mais aqui

DOS GIBIS AOS CATECISMOS DO ZÉFIRO – Desde menino que fui colecionador de gibis, de ter sacos e sacos cheinhos deles. E de tudo: desde os da Turma da Mônica que já circulava, passando pelos clássicos dos super-heróis da gringada, até os que às escondidas carregava dentro das revistas: os catecismos de Zéfiro. Ainda hoje sou fã de quadrinhos. E como hoje é o Dia Nacional dos Quadrinhos, quero homenagear o rockcartunistamigo Márcio Baraldi e à roteirista e divulgadora Michelle Ramos. Veja mais aqui e aqui


A VOZ DOS DESENHOS – A atriz canadense Jennifer R. Hale, além de apresentadora de televisão e de atuar em cinema, é também uma das vozes mais conhecidas do planeta por sua voz em jogos, animações, comerciais e filmes da Disney e de Hollywood. Entre os games estão o Tales of Symphonia, o Star Wars, o The Metroid Prime series, entre outros. Por meio dela a nossa homenagem para todos os locutores e dubladores do planeta. Veja mais aqui.

ELA DO TEATRO, CINEMA & TELEVISÃO – Hoje também é dia de homenagear a atriz, apresentadora de TV e diretora Maria Luísa Mendonça, que se formou pela Casa de Arte das Laranjeiras, em 1991, para brilhar na televisão, no cinema e no teatro. Atuou em peças teatrais de Nelson Rodrigues, Pirandello e Shakespeare, além das suas maravilhosas participações em filmes como Jogo Subterrâneo, Amar, Quem matou Pixote, dentre outros, e pela direção dos filmes Everyday Art, Indonesia: Islands on Fire e Nasci Mulher Negra. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
O reino das águas aqui.

E mais:
Eu nasci entre um rio e um riso de mulher aqui e aqui.
Cantando às margens do Una aqui.
A correnteza do rio me ensinou a nadar aqui.
Penedo, às margens do São Francisco aqui.
Sou deste chão como a terra, o fogo, a água e o ar, André Gide, Brian Smith, Friedrich Hundertwasser & Carol Andrade aqui.
O que era Mata Atlântica quando asfalto que mata, António Salvado, João Parahyba, Don Dixon & Nini Theiladetheilade aqui.
Existe gente pra tudo, Os Apinajé, Harriet Hosmer, Josefina de Vasconcelos, Anelis Assumpção & Banksy aqui.
Rascunho solitário, Edino Krieger, Arturo Ambrogi, Jean-Baptiste Camille Corot & Jim Thompson aqui.
Centenário de Hermilo Borba Filho, Orquestra Armorial & Cussy de Almeida, Augusto Boal, Joshua Reynolds, Ginofagia & Sedução aqui.
As águas de Alvoradinha, Bhagwan Shree Rajneesh, Milan Kundera, Endimião & Selene, Jorge Ben Jor, Anatol Rosenfeld, Lena Olin, Anthony van Dyck, Teco Seade,:Socorro Cunha & João Lins aqui.
O monge e o executivo de James Hunter, Neuropsicologia, Ressocialização penal, Psicologia escolar & educacional aqui.
Sexualidade na terceira idade aqui.
Homossexualidade & educação sexual aqui.
Globalização, Educação & Formação Pedagógica, Direito Constitucional Ambiental & Psicologia Escolar aqui.
Homofobia, Sexualidade, Bissexualidade & Educação para as diferenças aqui.
A literatura de Goethe aqui, aqui, aqui & aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



quinta-feira, janeiro 29, 2015

LACAN, LOCKE, LIEBNIZ, DISTANÁSIA, COACHING & MENTORING, COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR, VENDAS & LARA VICHIATTO


ESCRITOS - A obra Escritos, do psicanalista, médico, neurologista e psiquiatra francês, Jacques Lacan (1901-1981), traz o seminário sobre A carta roubada, os antecedentes, para além do principio de realidade, o estádio do espelho como formador da função do eu, a agressividade em psicanálise, introduções teóricas sobre as funções da psicanálise em criminologia, formulações sobre a causalidade psíquica, o tempo lógico e a asserção de certeza antecipada, intervenção sobre a transferência, do sujeito, funções e campos da fala e da linguagem em psicanálise, variantes do tratamento padrão, introdução ao comentário de Jean Hyppolite sobre Freud, a coisa freudiana, a psicanálise e seu ensino, situação da psicanálise e formação do psicanalista, a instancia da letra no inconsciente, a razão desde Freud, questão preliminar a todo tratamento possível da psicose, a direção do tratamento e os princípios de poder, psicanálise e estrutura da personalidade, a significação do falo, a memoria de Ernest Jones, a teoria do simbolismo, diretrizes para um congreso sobre a sexualidade feminina, juventide de Gide, a letra e o desejo, Kant com Sade, subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano, posição do inconsciente, Freud e o desejo do psicanalista, a ciência e a verdade, entre outros temas. REFERÊNCIAS: LACAN, Jacques; Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. Veja mais aqui.

ENSAIO ACERCA DO ENTENDIMENTO HUMANO – A obra Ensaio acerca do entendimento humano, do filósofo, ideólogo do Liberalismo e principal representante do Empirismo britânico, John Locke (1632 – 1704), trata de temas como princípios inatos na mente, as ideias em geral e suas origens, ideias simples, de solidez, de reflexão, da sensação, percepção, retenção, discernimento e outras operações da mente, ideias complexas, de duração, de número, infinidade, poder, relação, causa e efeito, ideias claras e obsuras, distintas e confusas, palavras ou linguagem em geral, o significado das palavras, termos gerais, nomes das ideias, nomes dos modos mistos e das relações, os nomes das substancias, termos abstratos e concretos, imperfeições das palavras, o abuso das palavras, remédios para os abusos e imperfeições, conhecimento, os graus do conhecimento, a extensão do conhecimento humano, a realidade do conhecimento, a verdade, proposições universais, verdade e certeza, máximas, proposições frívolas, conhecimento da existência, aperfeiçoamento do conhecimento, julgamento, probabilidade, os graus do assentimento, razão, fé, erro e a divisão das ciências. REFERÊNCIA: LOCKE, John. Ensaio acerca do entendimento humano. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 1999. Veja mais aqui e aqui.

NOVOS ENSAIOS SOBRE O ENTENDIMNTO HUMANO – A obra Novos ensaios sobre o entendimento humano – pelo autor do sistema da harmonia preestabelecida, do filósofo, cientista, matemático, diplomata e bibliotecário alemão Gottfried Wilhelm Leibniz (1646 – 1716), aborda temas como as noções inatas, as ideias, as palavras ou a linguagem geral, a significação, os termos gerais, os nomes dos modos mistos e as relações, os nomes das substâncias, as partículas, os termos abstratos e concretos, a imperfeição e abuso das palavras, os remédios que se podem aplicar contra as imperfeições e abusos de que se acaba de falar, o conhecimento, os graus e a extensão do conhecimento, a realidade e a verdade, as proposições universais, as proposições denominadas máximas ou axiomas, as proposições frívolas, o conhecimento da existência, os meios para aumentar o conhecimento, o julgamento, a probabilidade, os graus de assentimento, a razão, a fé e a razão, o entusiasmo, o erro e a divisão das ciências. REFERÊNCIA: LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm Leibniz, Novos ensaios sobre o entendimento humano: pelo autor do sistema da harmonia preestabelecida. São Paulo: Abril Cultural, 1980. Veja mais aqui e aqui.

DISTANÁSIA - A distanásia, segundo Martin (2007), é um termo científico que foi cunhado por Morache, em 1904, em seu livro "Naisance et mort", publicado em Paris. Oriunda do grego “dis”, significando mal, algo mal feito, e “thánatos”, morte, segundo o autor mencionado, é etimologicamente o contrário da eutanásia e é utilizada como a forma de prolongar a vida de modo artificial, sem perspectiva de cura ou melhora. Tendo por base as ideia expressas por Sousa (1994), Carneiro (2007) e Cabral (2007), a distanásia encontra-se conceituada como sendo a aplicação aos moribundos sofrimentos adicionais que, não conseguirão afastar a morte, mas apenas atrasá-la umas horas ou uns dias, sem respeitar o direito do paciente a uma morte digna. Segundo Borges (2007), ela é o contrário da eutanásia, também chamada de intensificação ou obstinação terapêutica, e consiste em atrasar o mais possível o momento da morte usando todos os meios, proporcionados ou não, ainda que não haja esperança alguma de cura, e ainda que isso signifique infligir ao moribundo sofrimentos adicionais e que, obviamente, não conseguirão afastar a inevitável morte, mas apenas atrasá-la umas horas ou uns dias em condições deploráveis para o enfermo. Revela a autora mencionada que a expressão obstinação terapêutica, oriunda do francês l'acharnement thérapeutique, foi introduzida na linguagem médica francesa por Jean-Robert Debray, no início dos anos 50, e foi definida como sendo o comportamento médico que consiste em utilizar processos terapêuticos cujo efeito é mais nocivo do que os efeitos do mal a curar, ou inútil, porque a cura é impossível e o benefício esperado, é menor que os inconvenientes previsíveis, é uma postura ligada especialmente aos paradigmas tecnocientífico e comercial-empresarial da medicina. Já com base em Carvalho (2001), o termo distanásia vem sendo utilizado para designar a obstinação terapêutica ou futilidade médica, consistindo, portanto, na utilização injustificada de processos terapêuticos que prolongam artificialmente a vida do paciente. E, neste sentido, chama a autora atenção para o fato de que a insistência terapêutica, portanto, caracteriza-se quando for possível avaliar-se que o estado de um determinado paciente terminal não pode ser revertido pela terapia a ele imposta, a qual, sendo retirada, importará na iminente constatação de sua morte cerebral. Contudo, torna-se passível de questionamento se a interrupção dos meios terapêuticos extraordinários pode caracterizar a eutanásia, no caso a chamada ortotanásia, à medida que a conduta do agente, que deixa de utilizar os meios adequados à manutenção (prolongamento) da vida do doente, poderia estar causando a sua morte. Fica, portanto, entendido que a distanásia é a prática pela qual se continua através de meios artificiais a vida de um enfermo incurável e representa atualmente uma questão de bioética e biodireito. Nesta condução, encontra-se que o Código de Ética Médica vigente no Brasil, desde 1988, estabelece, em seu artigo 57, ser vedado ao médico: "deixar de utilizar todos os meios disponíveis de diagnóstico e tratamento a seu alcance em favor do paciente". Já no seu artigo 130, veda ainda ao médico: "realizar experiências com novos tratamentos clínicos ou cirúrgicos em paciente com afecção incurável ou terminal, sem que haja esperança razoável de utilidade para o mesmo, não lhe impondo sofrimentos adicionais". Observa-se, portanto, que com base nas ideia de Ramos (2003), que a partir da publicação dos Códigos de Ética Médica 1984 e 1988 a abordagem dos direitos do paciente terminal a não ter seu tratamento complicado, ao alívio da dor e a não ser morto pelo médico, entra numa nova fase com o surgimento de novos elementos, em grande parte trazidos pelo progresso da tecnociência. Também chama atenção o autor, para o fato que no Código de 1984 percebe-se a existência das tensões inerentes à aliança entre a benignidade humanitária, o modelo científico-tecnológico e o medicocentrismo autoritário. Sua benignidade humanitária insiste sobre o "absoluto respeito pela vida humana", já exigido pelos Códigos de 1953 1965, e reforçado pelo principio 9° do Código de 1984 com o seguinte acréscimo ao texto da frase: "desde a concepção até a morte". Ressalta, portanto, Augusto César Ramos que a dificuldade é que esta valorização da vida tende a se traduzir numa preocupação com a máxima prolongação da quantidade de vida biológica e no desvio de atenção da questão da qualidade da vida prolongada. Desta forma, há um passo rumo à recuperação da valorização da boa morte cultivada no artigo 6° do Código de 1988 que diz ser antiético para o médico utilizar "seus conhecimentos para gerar sofrimento físico ou moral". Mais significativo ainda, porém, é o art. 61, parágrafo 2°, que incentiva o médico a não abandonar seu paciente "por ser este portador de moléstia crônica ou incurável" e a "continuara assisti-lo ainda que apenas para mitigar o sofrimento físico ou psíquico". Este cuidado em mitigar não apenas o sofrimento físico, mas também o psíquico é sintomático de uma nova preocupação com integralidade da pessoa, que vai além da dor física. Este novo cuidado se reflete no reconhecimento do direito do paciente terminal a não ter seu tratamento complicado. Como no art. 23 do Código de 1984, há, no art. 60 do Código de 1988, a proibição de "complicar a terapêutica". Com isso, o autor menciona que fica também claro no Código de 1988 a obrigação de o médico "utilizar todos os meios disponíveis de diagnóstico e tratamento a seu alcance", mas a medida do seu uso não é sua eficácia em resolver o problema técnico de como controlar o sofrimento e a morte, mas sim o benefício do paciente. Isto nos permite questionar se a gestão técnica do sofrimento e o adiar o momento do morrer são sempre do interesse do paciente, situação hoje muito freqüente na fase final da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS. Silva (2007) chama atenção para um outro aspecto importante no Código de 1988, no que se refere ao direito do paciente de não ter seu tratamento complicado, é a preocupação em regulamentar pesquisas médicas em pacientes terminais. O art. 130 proíbe ao médico "Realizar experiências com novos tratamentos clínicos ou cirúrgicos em paciente com afecção incurável ou terminal sem que haja esperança razoável de utilidade para o mesmo, não lhe impondo sofrimentos adicionais". Aqui não se trata de uma rejeição da ciência e tecnologia, reconhece-se a legitimidade de recorrer a tratamentos experimentais, mas a partir de um critério bem definido: existência de uma esperança razoável de que o tratamento será útil para o próprio doente e que este não sofrerá desnecessariamente. Vê-se, portanto, que a distanásia é uma das questões contraditórias que permeia os debates médico-jurídicos no presente, confrontando posicionamentos progressistas e religiosos de matéria alusiva à bioética e ao biodireito. No Brasil, na tradição da ética médica codificada, baseada no atual Código de Ética Médica, encontra-se que a medicina com o compromisso pela saúde e no bem-estar da pessoa, objetiva prolongar ao máximo o tempo de vida de uma pessoa, tem-se encontrado o confronto entre o paradigma médico da benignidade solidária e humanitária e a teologia moral, na discussão que envolve o ideal comportamento mediante as questões atinentes à saúde e vida como bens fundamentais. Desta forma, confrontam-se as correntes de natureza religiosas e morais frente a perspectiva da benignidade humanitária e solidária, discutindo-se a atitude médica da distanásia de prolongar a vida e postergando a morte ao máximo possível do paciente. Indubitavelmente é uma questão polêmica, complexa e controversa, ficando, pois, de importante, a necessidade de aprofundados debates para que, com exaustivas discussões, se chegue a um denominador comum. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
BIZATTO, José Ildefonso. Eutanásia e responsabilidade médica. Porto Alegre: Sagra, 1990.
BORGES, Roxana Cardoso. Eutanásia, ortonásia e distanásia: breves considerações a partir do biodireito brasileiro. Biodireito, 2007.
BRASIL. Código de ética médica. Médicos, 2007.
CABRAL, Roque. Eutanásia e distanásia: Clarificações necessárias. Revista FacFil, 2007.
CARNEIRO, Antonio Soares. Eutanásia e Distanásia: A problemática da bioética – Uma abordagem filosófica. Eutanásia, 2007.
CARNEIRO, Antonio Soares; CUNHA, Maria Edilma et al. Eutanásia e distanásia. A problemática da Bioética. Bioética, 2007.
CARVALHO, Gisele Mendes. Aspectos jurídicos-penais da eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, 2001.
COELHO, Milton Schmitt. Eutanásia: uma análise a partir de princípios éticos e constitucionais. Bioética, 2007.
MARTIN, Leonard. Eutanásia e distanásia. Portal Médico, 2007.
NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Eutanásia no direito comparado. In Consulex Revista Jurídica. Ano V. Número 114 de 15 de outubro de 2001.
PESSINI, Léo. Distanásia. Até quando investir sem agredir? São Paulo: Faculdades Integradas, 2005.
________. Morrer com dignidade: como ajudar o paciente terminal. São Camilo: Faculdades Integradas, 2006.
_______. Distanásia: até quando prolongar a vida? São Paulo: Loyola, 2001.
_______. A eutanásia na visão das grandes religiões do mundo. RevistaBio, 2007.
RAMOS, Augusto Cesar. Eutanásia: Aspectos éticos e jurídicos da morte. Florianópolis: OAB/SC, 2003.
SANTOS, Maria Celeste Cordeiro; LEITE, José Américo. Anteprojeto de Código Penal: Reflexões Relativas ao Crime de Eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, 1998.
SANTOS, Ruy. Da eutanásia nos incuráveis dolosos. Salvador: UFBA, 1928.
SCHELP, Diogo. Até onde prolongar a vida. Revista Veja, nº 35, ano 35, set.2002.
SCRECCIA, Elio. Manual de Bioética: I – Fundamentos e Ética Biomédica. São Paulo, Loyola, 1996.
SILVA, Sonia Teixeira. Eutanásia. Revista Proteus, 2007.
SOUSA, Aline Delias. Variáveis conceituais da eutanásia. São Leopoldo/RS: Unisinos, 2003.
SOUSA, Deusdedith. Eutanásia, ortotanásia e distanásia. Revista dos Tribunais 706/283, agosto, 1994.

COACHING & MENTORING - A temática do Coaching Empresarial na construção de talentos e na gestão de pessoas considera a estratégia e importante ferramenta de gestão na contribuição do desenvolvimento de competências comportamentais e operacionais dos liderados, bem como atende a necessidade da organização de ambientes que oportunizem tanto melhor qualidade de vida e bem-estar de seus colaboradores, como o desenvolvimento de talentos, competências e habilidades para o desempenho desejado. Destaca-se o Coaching por ser uma relação de parceria no contexto da organização contemporânea, possibilitando o desenvolvimento do Capital Intelectual, a promoção de talentos e a gestão de pessoas dentro do ambiente de trabalho. A gestão de pessoas, para Vergara (2009), possui a característica fundamental de promover a formação, participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento do capital humano das organizações, tendo a função de processar a humanização das empresas. É, conforme a autora, no Departamento de Recursos Humanos que se desenvolve a promoção, o planejamento, a coordenação e o controle das atividades relacionadas com o desempenho, capacitação, qualificação e acompanhamento das pessoas no âmbito organizacional, conduzindo a gestão de pessoas com o envolvimento de treinamentos e desenvolvimento pessoal recrutamento e seleção, remuneração, avaliação, entre outras. Tal condução é dada pelas exigências de vigência da sociedade do conhecimento, uma vez que as capacidades e talentos humanos são vistos, segundo a autora mencionada, como fatores competitivos no mercado de trabalho globalizado. A construção de talentos, na visão de Chiavenato (2002) e Barbosa (2009), se dá por meio de ações e medidas que procurem melhorar o desempenho dos funcionários da organização para atingimento das metas e resultados previstos, orientando-se por meio do foco no resultado organizacional. Essas ações, conforme Barbosa (2009), compreendem motivação profissional e pessoal dos colaboradores, adequação das pessoas nos diversos cargos e setores e formação do patrimônio humano para retenção e atração de talentos. Essas ações também, conforme Chiavenato (2002) e Barbosa (2009), se direcionam para descoberta, reconhecimento, atração, desenvolvimento e manutenção dos talentos no âmbito organizacional. Encontra-se, portanto, que esse é o papel do coach na organização, entendendo-se que se trata de uma liderança que atua na promoção de talentos e no desenvolvimento de capacidades e competências. A base de conhecimento do coach, para Chiavenato (2002) está em conhecer a organização e suas necessidades básicas; conhecer as pessoas e a sua natureza humana; conhecer o cliente interno e suas necessidades; conhecer o ambiente de negócios da organização; conhecer os meios de compatibilizar tudo isso. Assim sendo, para o autor mencionado, o coach deve saber compatibilizar administrando a tensão do cotidiano e desenvolver sua auto-atenção e resolver criativamente os problemas. Por essa razão, o papel do coach é preparar e orientar pessoas, ter liderança renovadora e ser impulsionador de talentos. Com isso, ele lidera, orienta, guia, aconselha, treina, desenvolve, estimula, impulsiona o aprendiz. No dizer de Chiavenato (2002, p. 85), o “[...] coaching é uma abordagem comportamental de benéficos múltiplos para pessoas e organizações. Constitui um processo estratégico que agrega valor tanto ao coach como à base da organização”. Assinala Garcia (2011, p. 22) que o coaching é “[...] um processo de aprendizagem contínuo tanto no âmbito profissional quanto pessoal”, abarcando com isso, a possibilidade de reflexão de grupos e pessoas sobre a visão do mundo crenças e valores, incorporando, por consequência, novas aprendizagens. Também pode ser vista, segundo Chiavenato (2002,, p. 34), como: [...] uma técnica de supervisão, orientação, treinamento e de gestão do desempenho. É uma maneira direta e eficaz de motivar e estimular as pessoas, dar-lhes orientação e rumo na vida profissional, incentivar a aprendizagem e o desenvolvimento pessoal e melhorar a qualidade de vida no trabalho. O foco do processo do coaching, conforme Krausz (2007, p. 28) está na ação de “[...] investimento na adoção de novas posturas, valores e comportamentos correspondentes que possibilitarão alcançar os resultados almejados”.Assim, para Mussak (2010) e Blanco (2006), o objetivo do coaching é aumentar o desempenho do ser humano no trabalho. Trata-se, portanto, de ferramenta indispensável para a autocorreção do comportamento e aprendizado dentro da organização e que é utilizada no desenvolvimento e aprimoramento de competência, ampliando os níveis de desempenho tanto da liderança, como de toda organização. Veja mais aqui.

REFERÊNCIAS
ALBUQUERQUE, Lindolfo G. Competitividade e Recursos Humanos. Revista de Administração, São Paulo, v.27, n.4, p. 16-29, out /dez. 1992.
BARBOSA, Carolina. O papel do coaching dentro da organização. Belo Horizonte: CUU, 2009.
BLANCO, Valéria. Um estudo sobre a prática de coaching no ambiente organizacional e a possibilidade de sua aplicação como prática de gestão do conhecimento. Brasília: UCB, 2006.
BOWDITCH, James; BUONO, Anthony. Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira, 1992.
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos. São Paulo: Atlas, 1997.
______. Introdução à teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Campus, 2000.
______. Construção de talentos: coaching & mertoring – as novas ferramentas da gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002.
_______. Recursos humanos: o capital humano das organizações. São Paulo: Atlas, 2006.
DRUCKER, Peter Ferdinand. Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira, 1996.
________. Administração de Organizações sem fins Lucrativos. São Paulo: Pioneira, 1994.
FERREIRA, Marcos Aurélio. Coaching – um estudo exploratório sobre a percepção dos envolvidos: organização, executivo e coach. São Paulo: USP, 2008.
GARCIA, Ana Lucia. O processo de coaching nas organizações empresariais. Porto Alegre: PUC, 2011.
GASPAR, Denis; PORTÁSIO, Renato. Liderança e coaching: desenvolvendo pessoas, recriando organizações. Revista de Ciências Gerenciais, Vol. XIII, nº 18, 2009.
HOLM-HADULLA, R. Coaching. Psychotherapeut, 47: 241-248, 2002..
KRAUSZ, R. R. Coaching executivo: a conquista da liderança. São Paulo: Nobel, 2007.
MUSSAK, E. Gestão humanista de pessoas: o fator humano como diferencial competitivo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
TERRA, José Claudio. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio, 2001.
VERGARA, S. C. Gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 2009.

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR – A obra Comportamento do consumidor, de James E. Engel, Roger D. Blackwell e Paul W. Miniard, trata de temas como as perspectivas e ponto de vista do consumidor, segmentação de mercado e análise demográfica, os mercados consumidores, estrutura e estratégia, os processos decisórios, o reconhecimento de necessidade e a busca, avaliação de alternativa pré-compra, compra, consumo, satisfação, descarte, diferenças individuais, recursos do consumidor, conhecimento, atitudes, motivação e autoconceito, personalidade, valores e estilo de vida, processos psicológicos, aprendizagem, influencias nas atitudes e comportamentos, cultura, influências étnicas, classe social e status, família e domicilio, estratégias de marketing, varejo, difusão de inovações, consumerismo e responsabilidade ética, entre outros importantes temas. REFERÊNCIAS: ENGEL, James; BLACKWELL, Roger; MINIARD, Paul. Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC, 2000. Veja mais aqui e aqui.

VENDAS – A obra “Vendas: fundamentos e novas práticas de gestão” de Charles M. Futrell, aborda temas a respeito de vendas como profissão, vida, experiências e carreira do profissional de vendas, marketing de relacionamento, questões sociais, éticas e legais de vendas, programação para a venda de relacionamento, a psicologia de vendas, a comunicação na construção de relacionamentos, conhecimentos de clientes, produtos e tecnologias, o processo de venda de relacionamento, prospecção como alva das vendas, planejamento das visitas de vendas, seleção cuidados dos métodos de apresentação, apresentação estratégica, as objeções do cliente, o fechamento, os serviços e acompanhamento para manutenção do cliente, gerenciamento de si mesmo, carreira, organização e recrutamento, motivação, remuneração, liderança e avaliação de profissionais, dramatizações das visitas, guia de tecnologias, entre outros. REFERÊNCIAS: FUTRELL, Charles. Vendas: fundamentos e novas práticas de gestão. São Paulo: Saraiva, 2003. Veja mais aqui. 




Lara Vichiatto é uma jovem artista de Três Corações (MG) – (Info. Meimei Corrêa).

Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Enquanto a vida passa..., Lidia Wylangowska, Victor Meirelles & Suzanne Marie Leclair aqui.

E mais:
Sanha, Erich Fromm, Moacyr Scliar, Akira Kurosawa, Nikolai Rimsky-Korsakov, Menotti Del Picchia & Jean-Hippolyte Flandrin aqui.
Federico Garcia Lorca aqui.
Frineia, Euclides da Cunha, Federico Fellini, Ana Terra, Amedée Ernest Chausson, Antonio Parreiras, Jean-Léon Gérôme & Programa Tataritaritatá aqui.
AIDS & Educação, John Dewey. & EaD aqui.
Sincretismo religioso aqui.
Racismo aqui.
O trabalho da mulher aqui.
Levando os direitos a sério, de Ronald Dworkin aqui.
Ética & Moral aqui.
A luta pelo direito, de Rudolf von Ihering aqui.
Saúde da Mulher aqui.
Quando a folia é maior em mim, A lenda Vapidiana Árvore de Tamoromu & Antúlio Madureira aqui.
A folia do frevo no meu coração, Galo da Madrugada, Nelson Ferreira & Jae Ellinger aqui.
Uma prosa nos entreversos do amor, Marco Ferreri & Andréa Ferréol, Fernado Alves, Maestro Duda & Luciah Lopez aqui.
A folia do biritoaldo desandou no carnaval, Frevo do mundo & Mário Hélio aqui.
Proezas do Biritoaldo aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...