quinta-feira, dezembro 11, 2014

EPIGRAMAS DE GOETHE, SEMINÁRIO DE LACAN, PRINCÍPIO DO PRAZER DE FREUD & PRODUTOS CCE



EPIGRAMAS DE JOHANN WOLFGANG VON GOETHE (1749-1832)

Não te queres deitar nua ao meu lado, bem-amada;
Por vergonha te escondes de mim em tuas vestes.
Diz-me, o que cobiço? A tua roupa ou o teu corpo?
vergonha: uma roupa que os amantes jogam fora,

Quanto tempo procurei uma mulher; só achava putas.
Finalmente te apanhei, putinha: aí tive uma mulher.

Dá-me, em vez de Schwanz, uma outra palavra, Priapo,
Pois que, poeta, estou mal servido em alemão.
Chamam-me phallos em grego, o que soa bem ao ouvido
E a mentula latina é palavra tolerável.
Mentula vem de mens, Schwanz tem a ver com traseirom
Onde nunca senti alegria nem prazer.

Não vos irrite, mulheres, admiramos as moças:
Gozais de noite o que elas de dia excitam.

Gosto de rapazes, mas muito mais de moças:
Satisfaço a moça, e ela me serve de rapaz.

Meu maior cuidado: Betina se faz cada dia mais destra,
Mais e mais ágeis se tornam seus braços, suas pernas,
Consegue até levar a linguinha à sua graciosa greta
E com ela brincar: já não lhe importam muito os homens.

A FELICIDADE DA AUSÊNCIA

Suga, ó jovem,
o sagrado néctar da flor ao longo do dia,
nos olhos da amada.
Mas, sempre esta dita é melhor que nada,
estando afastado do objeto do amor.
Em parte alguma esquecê-la posso,
mas se à mesa sentar-me tranqüilo
com espírito alegre e em toda liberdade
e o impereptível engano que faz venerar o amor
e converte em ilusão o desejo.

JOHANN WOLFGANG VON GOETHE – O poeta, dramaturgo, romancista e ensaísta alemão Johann Wolfgang Von Goethe (1749-1832), desenvolveu vasta obra literária, autobiográfica, de estudos de ciências naturais e conversações, sendo considerado com unanimidade como a maior personalidade da literatura alemã e o maior poeta alemão. Ele envolveu-se em aventuras amorosas e escreveu poesias anacreônticas, à moda da época, chegando a proclamar sua divina mãe Devi Kundalini, a Serpente Ígnea de nossos mágicos poderes, como autêntica libertadora. Incontestavelmente, nas relações amorosas mais conhecidas de Goethe, excluindo-se, naturalmente, a sustentada com Cristina Vulpius - foram, sem exceção alguma, de natureza mais erótica que sexual, como as de Carlota Buff, Lili ou Frederica Brion e a senhora Von Stein, chegando a escrever a sua mais forte a paixão não esquecida por Charlotte, tema do romance Die Leiden des jungen Werther (1774; Os sofrimentos do jovem Werther). Já com Charlotte von Stein, uma mulher altamente sofisticada, inspiraram-lhe nova série de poesias líricas. ”Erotica Romana” é o título da primeira versão manuscrita das consagradas “Elegias Romanas” de Johann Wolfgang von Goethe, resultante da sua estadia em Itália (1786-1788), embora maioritariamente composto após o seu retorno, este ciclo de poemas eróticos sofreu numerosas alterações, atendendo à tolerância de um público que apenas admitia a expressão literária do prazer sensual através da máscara da mitologia ou da imitação dos poetas clássicos da antiguidade. Com isso, observa-se que Goethe arrastava consigo rumores de inúmeras aventuras amorosas com várias mulheres e, mais concretamente, trazia consigo Catherine Vulpius com quem passou a viver, sem com ela se casar. Foi imbuído do espírito libertino e liberal que escrever poemas eróticos. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
BARRENTO, João (Org.). Literatura e sociedade burguesa na Alemanha (séculos XVIII e XIX). Lisboa: Apáginastantas, 1983.
BROCA, Brito. A viagem maravilhosa de Goethe. In: ___. Ensaios da mão canhestra. São Paulo: Polis / Brasília: INL, 1981.
___. Sobre os amores de Goethe. In: ___. Escrita e vivência. Campinas: Edunicamp, 1993.
CAMPOS, Haroldo de. Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 1981.
CARPEAUX, Otto Maria. Presença de Goethe. In: ___. A cinza do purgatório; Ensaios. Casa do estudante Brasileiro, 1942.
GOETHE, Wolfgang. Os sofrimentos do jovem Werther. São Paulo: Nova Alexandria, 1999.
_____. Epigramas. Revista Versoados. Disponivel em Acesso em 08.03.2009.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. O Fausto. In: ___. O espírito e a letra. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
MAAS, Wilma Patrícia Dinardo. Poesia e verdade, de Goethe - a estetização da existência. Cerrados. Brasília (UnB), v. 9, p. 165-177.
MONTEZ, Luiz Barros. A obra autobiográfica de Goethe como relato historiográfico. Itinerários (UNESP), v. 23, p. 39-48, 2005.
___. Literatura e vida: relembrando um Goethe um tanto esquecido. Terceira Margem, Rio de Janeiro, v. 10, p. 170-185, 2004.
___. Sobre o mito do Goethe. Forum Deutsch - Revista Brasileira de Estudos Germânicos, Faculdade de Letras da UFRJ, v. 6, p. 88-102, 2002.
___. Conhecimento e alienação no Fausto de Goethe. Terceira Margem. Rio de Janeiro (Revista da Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ), n. 4, p. 34-41, 1996.
___. O século XVIII e o Pré-Romantismo. Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, n. 127, p. 99-110, 1996.
ORLANDI, Enzo. Goethe. Lisboa: Editorial Verbo, 1972.
PAES, José Paulo. Poesia erótica. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

O SEMINÁRIO – OS ESCRITOS TÉCNICOS DE FREUD, DE JACQUES LACAN - O livro O Seminário: os escritos técnicos de Freud, de Jacques Lacan, trata acerca do momento da resistência com a introdução aos comentários sobre os escritos técnicos de Freud, a confusão na análise, a história não é o passado e teorias do ego. Em seguinda, aborda as primeiras intervenções sobre a questão da resistência, a análise pela primeira, materialidade do discurso, análise da análise e megalomania de Freud, bem como da verdade do sujeito, a análise como experiência particular, a resistência, a constratransferencia e o ego do analista, o sistema ideacional, a resistência e as defesas, realidade e fantasia, história do vivido e revivido, o eu e o outro, o sentimento da presença, mediação e revelação, inflexões da palavra, o entrecruzamento linguístico, as disciplinas filosóficas, a estrutura da alucinação, análise do discurso e do eu, Anna Freud, Melanie Klein, formação do símbolo e o discurso do eu, material e análise das resistências. Logo após passa a tratar sobre a tópica do imaginário, meditação sobre a óptica, realidade e o caos original, imaginário e o nascimento do eu, o simbólico e as posições do sujeito, o estádio do espelho, narcisismo, a noção de pulsão, os comportamentos sexuais, o ideal do eu e eu-ideal, a margem da morte, a pessoa própria, o nome a lei, e do futuro ao passado. Na parte seguinte, trata sobre para além da psicologia, abordando a báscula do desejo, a confusão das línguas em análise, nascimento do eu, desconhecimento e ignorância, as flutuações da libido, a mística da introspecção, o masoquismo primordial, agressividade e agressão, o núcleo do recalque, nomear o desejo, a pragung do trauma, o esquecimento, o supereu. Na quarta parte do livro, trata sobre os impasses de Michael Balint, a teoria do amor, a definição do caráter, a objetivação, a relação de objeto e relação intersubjetiva, a análise sartriana, a ordem simbólica, o desejo perverso, o senhor e o escravo, a estrutura numérica do campo intersubjetivo, a holofrase, contingência e essência. Na quinta e última parte do seminário, trata da palavra na transferência, a função criativa da palavra, hieróglifos, falhado e bem sucedido, a palavra além do discurso, a palavra na fala, o sonho da monografia botânica, o desejo, o conceito da analise, o intelectual e o afetivo, o amor e o ódio no imaginário e no simbólico, ignorantia docta, a investidura simbólica, o discurso como trabalho, o obsedado e o seu mestre, entre outros temas. Veja mais aqui.

REFERÊNCIA
LACAN, Jacques. O seminário: os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

ALÉM DO PRINCÍPIO DO PRAZER, DE SIGMUND FREUD - [...] Os fatos que nos fizeram acreditar na dominância do princípio de prazer na vida mental encontram também expressão na hipótese de que o aparelho mental se esforça por manter a quantidade de excitação nele presente tão baixa quanto possível, ou, pelo menos, por mantê-la constante. Essa última hipótese constitui apenas outra maneira de enunciar o princípio de prazer, porque, se o trabalho do aparelho mental se dirige no sentido de manter baixa a quantidade de excitação, então qualquer coisa que seja calculada para aumentar essa quantidade está destinada a ser sentida como adversa ao funcionamento do aparelho, ou seja, como desagradável. O princípio de prazer decorre do princípio de constância; na realidade, esse último princípio foi inferido dos fatos que nos forçaram a adotar o princípio de prazer. [...] Nossa consciência nos comunica sentimentos provindos de dentro que não são apenas de prazer e desprazer, mas também de uma tensão peculiar que, por sua vez, tanto pode ser agradável quanto desagradável. Permitir-nos-á a diferença entre esses sentimentos distinguir entre processos de energia vinculados e livres? Ou deve o sentimento de tensão ser relacionado à magnitude absoluta, ou talvez ao nível da catexia, ao passo que a série prazer e desprazer indica uma mudança na magnitude da catexia dentro de determinada unidade de tempo? Outro fato notável é que os instintos de vida têm muito mais contato com nossa percepção interna, surgindo como rompedores da paz e constantemente produzindo tensões cujo alívio é sentido como prazer, ao passo que os instintos de morte parecem efetuar seu trabalho discretamente. O princípio de prazer parece, na realidade, servir aos instintos de morte. É verdade que mantém guarda sobre os estímulos provindos de fora, que são encarados como perigos por ambos os tipos de instintos, mas se acha mais especialmente em guarda contra os aumentos de estimulação provindos de dentro, que tornariam mais difícil a tarefa de viver. Isso, por sua vez, levanta uma infinidade de outras questões, para as quais, no presente, não podemos encontrar resposta. Temos de ser pacientes e aguardar novos métodos e ocasiões de pesquisa. Devemos estar prontos, também, para abandonar um caminho que estivemos seguindo por certo tempo, se parecer que ele não leva a qualquer bom fim. Somente os crentes, que exigem que a ciência seja um substituto para o catecismo que abandonaram, culparão um investigador por desenvolver ou mesmo transformar suas concepções. Podemos confortar-nos também, pelos lentos avanços de nosso conhecimento científico, com as palavras do poeta:Was man nicht erfliegen kann, muss man erhinken. Die Schrift sagt, es ist keine Sünde zu hinken. ALÉM DO PRINCÍPIO DO PRAZER – A obra Além do princípio do prazer, de Sigmund Freud, compreende além desse estudo outros trabalhos do autor. No trabalho propriamente dito são abordadas questões como o princípio do prazer, o princípio da realidade, Fechner, inibições e a família, o estudo dos sonhos, as diferentes teorias sobre a brincadeira das crianças, a interpretação do jogo, a resistência do ego consciente e inconsciente, a vida sexual infantil, transferência dos neuróticos, a consciência, o desprazer, a neurose traumática, os sonhos são realizações do desejo, as neuroses da guerra, instintos, instinto do ego e instintos sexuais, a teoria da libido, entre outros assuntos. Na parte que compreende a Psicologia de Grupo e Análise do ego, aborda temas como a descrição de Len Bom da mente grupal, outras descrições da vida mental coletiva, sugestão e libido, dois grupos artificiais: a igreja e o exército, outros problemas e linha de trabalho, identificação, estar amando e hipnose, o instinto gregário, o grupo e a honra primeva, uma gradação diferenciadora do ego e pós-escrito. Em seguida trata de temas como a psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher, psicanálise e telepatia, sonhos e telepatia, alguns mecanismos neuróticos no ciúme, na paranoia e no homossexualismo, a psicanálise e a teoria da libido, breves escritos, uma nota sobre a pré-história da técnica da análise, associações de uma criança de quatro anos de idade, a cabeça de Medusa, entre outros temas. Veja mais aqui.

REFERÊNCIA
FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1976.




QUAL A FAMA DOS PRODUTOS CCE? – Desde mil novecentos e antigamente dos tempos mais remotos de antanho, que a gente está careca de saber que os produtos da marca CCE não valem um tostão furado. Se comparados com produtos de quinta categoria ou da pior espécie, ainda perdem: conseguem ser os piores dos piores. A gente está cansado de saber disso. Mas... pois, é, mas eis que um dia, você se encontra com a necessidade de adquirir algum utensílio para seu uso pessoal, entra numa loja, vasculha, ver a tuia de marcas com as melhores ofertas e você vê um produto CCE como sendo o único produto disponível. Já com a ciência de gato escaldado, você se recusa, sai procurando de loja em loja, até que um dia quando todo zen e em paz com a vida, aparece um vendedor que deita uma lábia daquelas de derrubar até avião e você não resiste: cai de novo no conto do vigário. Claro, a conversa é bonita, argumentos de que a empresa mudou, está noutra realidade e coisa e tal, você, enfim, cai na esparrela e adquire depois de muita conversa no pé do ouvido, um produto CCE. Desconfiadíssimo você logo faz uma garantia estendida de dois anos. Pronto, agora vamos ver.
Com aquele troço comprado para usá-lo, chega em casa, liga o aparelho, tudo funciona as mil maravilhas. Contudo... nem dois meses depois o aparelho pifa. O desgraçado se arreta e não funciona nem com reza forte, despacho ou ritual extraterrestre que seja. Qual providência? Ir na loja onde adquiriu e receber na lata a informação de que a mesma não vende mais produtos dessa marca. Pronto, será o beleléu? Roda atrás de autorizada, todas foram descredenciadas. Entra no site, vai no autoatendimento, preenche tudo e no final pede número chamado (!?!). Que número? Aí você coloca número da nota fiscal, do telefone, de tudo e nada. Até o palpite da milhar do primeiro ao quinto você tasca lá e nada. Aí liga pro 0800 883 7023 e recebe a informação de que não é possível completar a ligação. Insiste e disca pro 011 3304 6654 chama, chama e ninguém atende. Não perde a paciência e futuca mais no site que promete suporte online e tudo, mas na verdade, só se tem a constatação de que está num mata-burro que não é operacional, mera propaganda enganosa. E sai digitando de tudo, explora todas as possibilidades no sítio online e nada. Ih, babau! Resolve, então, encher a rua de perna e sai procurando autorizadas nas proximidades. Constatação: todas informam que foram descredenciadas e que você tem que ligar pros números que você já sabe de cor e não funcionam. Aí resolve ir pro Procon: a fila dos insatisfeitos com a marca chega a quilômetros, não sabendo ao certo se é maior que a de telefonia, de planos de saúde ou de bancos. Persevera: fica coarando na fila secando os cambitos. Senão, deixa pra vir outro dia que possa estar melhor pra ser atendido. Pior: você verá que a fila será sempre feito rabicho da pipoca no frevo: infindável. E isso quer chova ou faça sol. Se vira! Vai pra Justiça Especial – aquela das pequenas causas e feita pra esses atendimentos, recendo a informação de que tem tanta gente na pendência que a sua reivindicação só poderá ser processada daqui uns três meses! Esperança é a última que morre. Hum! Bem. E agora, José? Pra não perder a graça, saiba duma coisa: CCE significa um aviso: CUIDADO COM ENGODO. Se não sabia disso, fique mais por dentro dos direitos do consumidor.

E veja mais Direito do Consumidor aqui.




Veja mais sobre:
Falange, falanginha, falangeta, Lou Andres-Salomé, Kate Wilson Sheppard, Arthur Honegger, Daphne & Chloe, Louis Hersent, Luiz Eduardo Caminha & Programa Tataritaritatá aqui.

E mais:
Hannah Arendt, Eric Hobsbawm, História do Direito, Kaplan & a conduta na pesquisa aqui.
Norbert Elias & Princípios fundamentais de Filosofia aqui.
Pierre Bourdieu, Psicologia Escolar, Direito & Internet aqui.
Ainda assim é uma história de amor aqui.
Hoje PNE é o outro, amanhã pode ser você aqui.
O mundo parou pro coração pulsar aqui.
Com a perna na vida foi ser feliz como podia aqui.
A fúria dos inocentes aqui.
Celso Furtado & Economia Popular aqui.
A aprendizagem de Albert Bandura & Direito Autoral aqui.
Educação & a crise do capitalismo, Pedagogia do Sucesso, Formação do Pesquisador, EaD, A arte do guerreiro no planejamento e atendimento, Curriculo, Cultura & Sociedade aqui.
Da invasão da América aos sistemas penais de hoje, A viagem de Joan Nieuhof, A Pesquisa Histórica, Palmatres: a Guerra dos Escravos, A Guerra dos Cabanos & o Movimento camponês rebelde aqui.
Entrevista com a viúva autônoma Sandra da Silva, em Arapiraca-AL aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



JUNG, BAUMAN, QUINTANA, GONZAGA, JOÃO CABRAL, DOROTHY IANNONE & ESCADA

UMA COISA DENTRO DA OUTRA – Imagem: Blue and wihte sunday morning , da artista estadunidense Dorothy Iannone . - Olá, gentamiga, um dia ra...