quinta-feira, dezembro 12, 2013

A ILHA DESERTA DE GILLES DELEUZE & SERÁ QUE TÁ MORTO?



Dois caçadores de Nova Jersey estão na selva quando um deles cai no chão. Ele parece não respirar, os olhos estão virados para trás. O outro caçador pega o celular e liga para o serviço de emergência. Ele fala com voz arfante para a operadora:

- Meu amigo está morto! O que posso fazer?

A operadora, com voz calma e tranquilizante, diz:

- Fique calmo. Eu posso ajudar. Primeiro, vamos ter certeza de que ele está morto.

Há um silêncio, depois ouve-se um tiro. O rapaz volta a falar ao telefone:

- Ok, e agora?

FONTE:
A piada mais engraçada do estudo sobre o humor na internet, copatrocinado por Richard Wiseman e pela British Association for de the Advancement of Science. In: MYERS, David. Psicologia.Rio de Janeiro: LTC, 2006.

A ILHA DESERTA DE GILLES DELEUZE - [...] o homem só existe no espaço do saber a partir do momento em que o mundo "clássico" da representação desaba, por sua vez, sob o golpe de instâncias não representáveis e não representativas. É o surgimento do obscuro, ou de uma dimensão de profundidade. É preciso, primeiro, que a biologia nasça, assim como a economia política e a filologia: as condições de possibilidade do vivente são buscadas na própria vida (Cuvier), as condições da troca e do lucro são buscadas na profundidade do trabalho (Ricardo), a possibilidade do discurso e da gramática é buscada na profundidade histórica das línguas, no sistema de flexões, série de desinências e modificações do radical (Grimm, Bopp). "Quando, abandonando o espaço da representação, os seres vivos se alojaram na profundidade específica da vida, as riquezas, no impulso progressivo das formas de produção, as palavras, no devir da linguagem", então a história natural dá lugar à biologia, a teoria da moeda à economia política, a gramática geral à filologia. Ao mesmo tempo, o homem se descobre de duas maneiras. Por um lado, como dominado pelo trabalho, pela vida, pela linguagem; por conseguinte, como objeto de ciências positivas novas que deverão colher modelo junto à biologia, à economia política ou à filologia. Por outro lado, como quem funda essa nova positividade sobre a categoria de sua própria finitude: a metafísica do infinito é substituída por uma analítica do finito que encontra na vida, no trabalho e na linguagem suas estruturas "transcendentais". O homem tem, portanto, um ser duplo. O que desabou foi a soberania do idêntico na representação. O homem é atravessado por uma disparidade essencial, como por uma alienação de direito, separado dele mesmo pelas palavras, pelos trabalho, pelos desejos. E nesta revolução que explode a representação, é o mesmo que deve se dizer do Diferente e não mais a diferença se subordinar ao mesmo: a revolução de Nietzsche. [...] Uma nova imagem do pensamento, uma nova concepção do que significa pensar é hoje a tarefa da filosofia. É aí que ela pode mostrar sua capacidade de mutações e de novos "espaços", capacidade não menor que a das ciências ou das artes. À questão: o que acontece de novo em filosofia? os livros de Foucault trazem por si mesmos uma resposta profunda, a mais viva e também a mais convincente. Cremos que As palavras e as coisas são um grande livro, um grande livro sobre novos pensamentos. A ILHA DESERTA – O livro A ilha deserta e outros textos, do filósofo francês Gilles Deleuze (1925-1995), trata de temas como as causas e razões das ilhas desertas, a lógica e existência de Jean Hyppolite, instintos e instituições, a concepção da diferença em Bergson, Jean-Jacques Rousseau precursor de Kafka, Céline e Ponge; a ideia de gênese, na estética de Kant, Raymond Roussel ou o horror do vazio, ao criar a patafísica Jarry abriu caminho para a fenomenologia, ele foi meu mestre, filosofia da série noire, Gilbet Simondon e o individuo e sua gênese físico-biológica, a existência duvidosa do homem, o método de dramatização, conclusões sobre a vontade de potência e o eterno retorno, a gargalhada de Nietzsche, mística e masoquismo, filosofia, Espinosa e o método gral de Martial Gueroult, falha e fogos locais, aquilo que os prisioneiros esperam de nós, apreciação do livro de Lyotard, Hélène Cixous e a escrita estroboscopica, quanto a você e o que são suas máquinas desejantes, sobre as cartas de H. M., o frio e o quente, cinco proposições sobre a psicanálise, faces e superfícies, prefácio ao livro L´après-mai dês faunes e uma arte de plantador. Veja mais aqui.

REFERÊNCIA
DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, 2004.


Veja mais sobre:
Fernando Pessoa & Albert Einstein aqui.

E mais:
Isadora Duncan & Simone de Beauvoir aqui.
Hilda Hilst & Zygmunt Bauman aqui.
Renata Pallottini & Carl Rogers aqui.
Daniela Spielmann & Eric Kandel aqui.
Bertolt Brecht, Nise da Silveira, Egberto Gismonti, Galileu Galilei, Irena Sendler, Michelangelo Antonioni, Charles André van Loo & Anna Paquin aqui.
A folia do prazer na ginofagia aqui.
Fecamepa & a Independência do Brasil aqui.
Têmis, Walter Benjamim, Luís da Câmara Cascudo, Sandie Shaw, Patrícia Melo, Marie Dorval, José Roberto Torero, Julia Bond & Iracema Macedo aqui.
Nise da Silveira & Todo dia é dia da mulher aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.