quinta-feira, março 07, 2013

GLOBALIZAÇÃO, EDUCAÇÃO & FORMAÇÃO, DIREITO AMBIENTAL & PSICOLOGIA ESCOLAR

GLOBALIZAÇÃO - A globalização é um processo pelo qual se deu uma revolução mundial nos planos de produção, produtividade e riqueza desde séculos atrás, hoje impondo regras aos países e seus governantes, decorrente do fortalecimento do capitalismo no formato neoliberal e o grande desenvolvimento científico e tecnológico que desembocou na Terceira Revolução Industrial ou Tecnológica. No entanto, a globalização não é um acontecimento do presente nem recente, pois, segundo estudos aprofundados, ela tem início nos sécs. XV e XVI, a partir da expansão marítima e comercial européia. Em virtude disso, tal processo é denominado de mundialização ou internacionalização pela velocidade e abrangência, internacionalização da produção e das finanças, alteração para criação de uma nova divisão de trabalho dentro das próprias empresas que passam a ser transnacionais por atuarem em vários países ao mesmo tempo, ganhando impulso cada vez maior com a expansão da informática e evolução das telecomunicações, além de promover desregulamentações e flexibilizações no arcabouço legislativo, econômico e social dos países.
Historicamente pode-se observar que antes de ter inicio a primeira fase da globalização, os continentes encontravam-se separados por intransponíveis extensões acidentadas de terra e de águas, de oceanos e mares. Cada povo, então, vivia isolado dos demais, cada cultura era auto-suficiente. E até o século XV, as economias estavam restritas à Europa, à China, à Índia, à África e as civilizações pré-colombianas dos Aztecas no México, a dos Maias no Yucatan e no istmo, e a Inca no Peru e nenhuma delas mantinham relações e nem se conheciam. A partir disso, estudos determinam a primeira fase da globalização ocorrida entre 1450 e 1850, na fase do expansionismo mercantilista; a segunda, entre 1850 e 1950, ma fase industrial-imperialista-colonialista; e, por fim, pós-1989, a terceira fase da globalização recente na fase cibernétina-tecnológica-associativa.
A primeira fase, compreendida entre 1450-1850, se caracteriza no resultado da procura de uma rota marítima para as Índias, assegurando o estabelecimento das primeiras feitorias comerciais européias na Índia, China e Japão, e, principalmente, abriu aos conquistadores europeus as terras do Novo Mundo. Feitos estes que Adam Smith, em sua visão eurocêntrica, considerou os maiores em toda a história da humanidade.  A doutrina econômica desta primeira fase foi o mercantilismo, adotado pela maioria das monarquias européias para estimular o desenvolvimento da economia dos reinos. Ele compreendia numa complexa legislação que recorria a medidas protecionistas, incentivos fiscais e doação de monopólios, para promover a prosperidade geral.
A segunda fase ocorrida entre 1850 e 1950, ocorre com a introdução da industrialização, da máquina à vapor nos transportes terrestres, formando a grande burguesia industrial e bancária e proporcionando a ampliação dos mercados e obtenção de novas e diversas fontes de matérias primas. A doutrina econômica em que se baseia é a do capitalismo laissez-faire, um liberalismo radical inspirado nos fisiocratas franceses e apoiado pelos economistas ingleses Adam Smith e David Ricardo que advogavam a superação do Mercantilismo com suas políticas arcaicas. Defendem o livre-cambismo na relações externas, mas em defesa das suas industrias internas continuam em geral protecionistas, como é o caso da política Hamiltoniana nos Estados Unidos e a da Alemanha Imperial e a do Japão.            É nesse período que ocorrem as revoluções americana de 1776 e francesa de 1789, que promovem a ascensão social das massas.
Já a terceira e mais recente fase, ocorre após 1989, considerada como a americanização do mundo pelo predomínio do dólar sobre as demais economias mundiais, quando o processo produtivo mundial passa a ser formado por um conjunto de umas 400-450 grandes corporações e na a maioria delas produtora de automóveis e ligada ao petróleo e às comunicações, que têm seus investimentos espalhados pelos 5 continentes. A nacionalidade delas é majoritariamente americana, japonesa, alemã, inglesa, francesa, suíça, italiana e holandesa. 
Politicamente, chega-se a observar que a globalização recente caracteriza-se pela crescente adoção de regimes democráticos, tornando a Organização das Nações Unidas – ONU, o embrião de um governo mundial, porem, foi tolhida e paralisada pelos interesses e vetos das superpotências durante a Guerra Fria. Em conseqüência dessa debilidade, formou-se uma espécie de estado-maior informal composto pelos dirigentes do G-7, formado pelos Estados Unidos, Grã Bretanha, Alemanha, França, Canadá, Itália e Japão, por vezes alargado para dez ou vinte e cinco, cujos encontros freqüentes têm mais efeitos sobre a política e a economia do mundo em geral do que as assembléias da ONU. Mediante isso, vê-se que a globalização é o conjunto de transformações na ordem política e econômica mundial que vem acontecendo a partir de um ponto central da mudança que é a integração dos mercados numa "aldeia-global", explorada pelas grandes corporações internacionais. Isso porque os Estados abandonam gradativamente as barreiras tarifárias para proteger sua produção da concorrência dos produtos estrangeiros e abrem-se ao comércio e ao capital internacional. Esse processo tem sido acompanhado de uma intensa revolução nas tecnologias de informação - telefones, computadores e televisão. As fontes de informação também se uniformizam devido ao alcance mundial e à crescente popularização dos canais de televisão por assinatura e da Internet. Isso faz com que os desdobramentos da globalização ultrapassem os limites da economia e comecem a provocar uma certa homogeneização cultural entre os países. Na medida em que a globalização encurta distâncias aumenta também a velocidade da interação social em âmbito global, de tal modo que crises e acontecimentos em partes distantes do mundo passam a ter um impacto mundial imediato. Isto quer dizer que a globalização ao mesmo tempo em que atrai e empurra as sociedades para direções diferentes, ela gera, simultaneamente, cooperação e conflito, integração e fragmentação, exclusão e inclusão, convergência e divergência, ordem e desordem. Nesse contexto, duas correntes se sobressaem, uma a favor e outra contra. Entre os defensores da globalização atual estão os globalistas que defendem o crescimento das organizações e coletividades internacionais e transnacionais alterando a forma e a dinâmica do Estado e da sociedade civil. Daí, as fronteiras geográficas são superadas à medida que os indivíduos e coletividades vivenciam acontecimentos e fenômenos muito distantes, as culturas híbridas e as empresas de comunicação transnacionais penetraram significativamente nas culturas nacionais. Na defesa de tais pressupostos, ocorre entre os globalistas a idéia de que com a liberalização crescente dos mercados de bens, serviços e capitais, elas vêm se configurando como estratégias empresariais planetárias, apoiando-se no domínio de tecnologias de ponta, em modelos informatizados de gestão, inclusive à distância; no acesso fácil aos mercados financeiro e de capitais; no apelo de marcas e nomes de prestígio, sustentadas por mídia igualmente globalizada. Isto quer dizer que de qualquer lugar, as transnacionais coordenam redes mundiais de fornecedores, plantas de montagem e cadeias de vendas, dispersas por vários países segundo critérios de localização e regionalização que livremente estabelecem, isso através da revolução científica da eletrônica. A informática, o fax, a tevê a cabo e a Internet romperam as distâncias na comunicação e os lugares mais longínquos tornaram-se muito próximos pelo simples aperto de uma tecla de computador. Com o fato do aumento da interligação econômica nas e entre as regiões, ainda que com conseqüências diversas e desiguais entre elas, outro aspecto de concordância entre eles, diz respeito ao fato de que a competição política, econômica e cultural inter-regional e global desafiando as velhas hierarquias e gerando novas desigualdades de riqueza, poder, privilégio e conhecimento. Além disso, os problemas transnacionais e transfronteiriços, como a disseminação de alimentos geneticamente modificados e a lavagem de dinheiro, têm ganho destaque cada vez maior, questionando o papel e as funções das instituições tradicionais dos governos nacionais, ao lado de transformações importantes que vêm ocorrendo na organização espacial do poder; a natureza mutável da comunicação, a difusão e a velocidade da mudança tecnológica e a disseminação do desenvolvimento econômico capitalista. Assim sendo, para os globalistas o processo de globalização é de suma importância para a humanidade, visto que ele trata de questões referentes aos princípios éticos e institucionais, que podem ou devem instrumentalizar a organização apropriada dos assuntos humanos e ajudar a formar a futura ordem mundial.
Já os contrários a esse processo, o beneficiário dessa mudança, historicamente rápida, que deixou muitas pessoas perplexas por imprevisibilidade a curto prazo, foi o sistema capitalista, que pôde expandir-se praticamente hegemônico na organização da vida social em todas as suas esferas política, econômica e cultural. Assim, o capitalismo mundializou-se, globalizou-se e universalizou-se, invadiu os espaços geográficos que até então se encontravam sob o regime de economia centralmente planificada, onde predominam a fusão de grandes empresas com ampliada concentração do poder político-econômico e aumento de sua influência cultural e que junto com os fundos de pensão, fundos mútuos de investimento e outras instituições similares, essas grandes empresas, com sede em países desenvolvidos, operam financeiramente no mundo inteiro. Isto, ainda, levando em conta que fazem investimentos especulativos nas bolsas de valores de todo o mundo, movimentando-se rapidamente em transações controladas por rede eletrônicas; ignoram fronteiras nacionais e vão em busca de espaços geográficos que lhes ofereçam rentabilidade; fogem do controle dos Estados nacionais, cujos governos se sentem impotentes em discipliná-los. Desse modo, comandam a economia mundial e influem sobremaneira no arranjo espacial ou na organização do espaço geográfico das nações, segundo seus interesses ou conveniências. No contexto de um país subdesenvolvido, os efeitos da globalização têm sido desastrosos, pois o processo de globalização proporciona o predomínio dos países mais desenvolvidos na condição de dominantes dos países em desenvolvimento ou menos desenvolvidos, mudando costumes e aniquilando culturas que nortearam civilizações ao longo do tempo, promovendo desregulamentação, privatização, redução das políticas e dos programas sociais, é a estratégia que consiste em limitar o acesso a alguns programas sociais, em reduzir o total dos impostos, ou ainda, em restringir o número e a qualidade dos serviços fornecidos.
No que concerne ao trabalho, a globalização proporcionou o fenômeno de passar o trabalhador de simples artesãos a meros operadores de PC´s, tornando-se coadjuvante do processo produtivo totalmente automatizado. Por esta razão, as relações trabalhistas passaram a ter nova roupagem por força do processo de flexibilização e desregulamentação. Os combatentes contra a globalização elegem o perigo da construção de uma sociedade hedonista, ou seja o prazer pelo prazer, na construção de uma sociedade niilista com a ausência total de referencial, proporcionando uma sociedade alienada de consumo e individualista, tecnológicêntrica, amoral  e sem identidade cultural, além de tais condições dessa nova ordem mundial, desse novo modo de produzir e comercializar aparecem, também, refletidas sobre o trabalho em si, os níveis de emprego, o meio ambiente e os níveis de saúde das populações e dos trabalhadores em, particular. Desse modo, entre os impactos sobre o mundo do trabalho podem ser destacados: a introdução de tecnologias, particularmente da automação e da robótica substituindo o trabalho do homem; o declínio da atividades de manufatura e o crescimento do setor de serviços; a introdução de novos processos de produção e gestão do trabalho, gerando novos riscos para a saúde e o meio ambiente; as proliferação de pequenas unidades de produção, com maior dificuldade para sua organização; aumento da mobilidade das unidades de produção e das empresas, resultando em aumento da competição global pelo emprego; aumento dos níveis de desemprego em várias regiões do globo;- aumento da intensidade e duração do trabalho, levando ao aumento de stress e das doenças dele decorrentes; aumento do trabalho realizado no domicilio, do trabalho em tempo parcial e sazonal, levando a precarização do trabalho; e diminuição dos níveis de remuneração e pagamento pelo trabalho realizado. Segundo os críticos, a outra nota ruim da globalização está no desaparecimento das fronteiras nacionais. Os governos não conseguem mais deter os movimento do capital internacional. Por isso, seu controle sobre a política econômica interna está se esgarçando.
Como pode ser observado na introdução e no desenvolvimento do presente estudo, de pesquisa, de uma maneira geral, a globalização é um processo antigo. Na fase atual, a globalização não é trazida unicamente pelos poderes políticos e seus exércitos, mas pelos impérios privados, as corporações transnacionais (CTN). Com a revolução das comunicações, o processo de globalização tornou-se mais rápido, além de ter se tornado mais abrangente, envolvendo não só o comércio e capitais, mas também telecomunicações, finanças e serviços antes cobertos por várias formas de proteção. De agora em diante são as multinacionais, chamadas também de transnacionais, os banqueiros, os capitalistas, os especuladores ou os investidores que impõem seus direitos e que pressionam os poderes públicos para que redefinam a gestão da economia nacional. A criação de empresas gigantes transforma completamente as regras do jôgo econômico. Mas a globalização é também a dos mercados financeiros. A preponderância do capital especulativo sobre o capital investido é um fator revelador deste fenômeno. Pode-se com isso observar que uma das características principais da nova ordem mundial é a transformação do papel do Estado que privilegia, de agora em diante, o fortalecimento das empresas e não mais o desenvolvimento social. Com isso, a globalização refere-se aos padrões arraigados e duradouros de interligação mundial, como as estruturas normativas, físicas e simbólicas. Esse sistema sugere sempre o aumento crescente dos fluxos globais, enredando cada vez mais os Estados e as sociedades com o sistema mundial. E tal visão promove, portanto, uma concepção que reconhece a diferenciação, admitindo a possibilidade que a globalização avance em ritmos diferentes, com geografias distintas, em campos distintos.
Por ser um processo complexo de interações econômicas, políticas, sociais e culturais que incidem sobre as formas de vida, os valores e a existência cotidiana das pessoas, a globalização significa também intenso conjunto de mudanças, contraditórias, desiguais e plurais em seu conteúdo e sua direção, pois são transformações que ocorrem no mundo e podem ser presenciadas por várias pessoas em várias partes do mundo. E além da economia, ela pode ser vista na cultura, no meio ambiente dentre outras coisas. Chega-se a entender pelo visto no presente trabalho que a globalização não beneficia a todos de maneira uniforme, pelo contrário, ela é muito austera com os países em desenvolvimento, pois seleciona os mais aptos dificultando assim a entrada no mercado das empresas de pequenos portes.
Na cultura, a globalização não tem tantos aspectos negativos, pelo contrário, há vários positivos. O principal ponto é que a globalização ajuda, no avanço do conhecimento e na melhoria de vida para todos.
A globalização no ponto de vista do consumidor propicia um maio conforto e facilidade econômica, porque permite obter produtos de qualidade a preços diferenciados. Já do ponto de vista social, apresentam-se sinais de existir cada vez maior exclusão, aumentando a diferença entre os países de primeiro mundo e os subdesenvolvidos sendo que estes últimos levam a pior parte quanto a distribuição de emprego, renda. e riqueza. Enfim, para as empresas significa um novo desafio no qual as estratégias empresariais serão um fator determinante no jogo do poder e do sucesso. Assim sendo, o processo de globalização pela complexidade de seu envolvimento, carece de estudos mais aprofundados e de debates mais acentuados para que se esclareçam todos os fatores, sejam positivos e negativos, a ponto de contemplar não só as empresas, mas toda a população planetária.

BIBLIOGRAFIA
ALVES, Giovanni. Dimensões da Globalização – O capital e suas contradições. Editora Praxis, Brasil: 2001
ALMEIDA, Marcos França de. Globalização e Avanços Tecnológicos. Folha do Estado de São Paulo, Caderno Especial, São Paulo, 2 novembro 1997, p. 1- 12. 
CORRÊA, Oscar Dias. Conseqüências da Globalização. Folha do Estado de São Paulo, São Paulo, 28 janeiro 1996, p. 184
IANNI, Octavio. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
1996.
SANTOS, M. et al. - O novo mapa do mundo: fim de século e globalização. São Paulo, HUCITEC, 1994



EDUCAÇÃO & FORMAÇÃO PEDAGÓGICA – [...] Os atuais cursos de formação [...] carecem de seriedade e não abordam de forma concreta a realidade escolar. [...] As debilidades e carências existentes na fase de formação dão margem ao surgimento de um nefasto ponto de vista: o de que a natureza da relação pedagógica é sempre pautada pelo inusitado, pelo imprevisível e, por isso mesmo, o curso de magistério e/ou faculdade pode (m), no máximo, dar uma visão geral e ligeira sobre os ossos do oficio. [...]. Trechos extraídos do livro Professor de 1º grau: identidade em jogo (Papirus, 1995), de Ezequiel Theodoro da Silva. Veja mais aqui e aqui.

DIREITO CONSTITUCIONAL AMBIENTAL – O livro Direito Constitucional Ambiental Brasileiro (Saraiva, 2007), organizado por José Joaquim Gomes Canotilho e José Rubens Morato Leite, aborda temas como o direito constitucional ambiental português e da União Europeia, o direito constitucional ambiental brasileiro, sociedade de risco e Estado, competências ambientais, federalismo, amianto e meio ambiente, julgado sobre competência, politicia ambiental constitucional, os instrumentos jurisdicionais ambientais na Constituição brasileira, o novo paradigma constitucional e a jurisprudência ambiental no Brasil, entre outros assuntos. Veja mais aqui.

PSICOLOGIA ESCOLAR – O livro Psicologia esc0lar: práticas críticas (Casa do Psicólogo, 2003), organizado por Marisa Eugênia Melillo Meira e Mitsuko Aparecida Makino Antunes, trata de temas como a atuação do psicólogo como expressão do pensamento crítico em psicologia e educação, os psicólogos trabalhando na escola, intervenção junto a professores da rede pública: potencializando a produção de novos sentidos, psicologia escolar na implementação de projeto político-pedagógico, construção de trabalho coletivo, entre outros assuntos. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Quando te vi na Crônica de amor por ela, Marques Rebelo, Eduardo Giannetti, Luzilá Gonçalves, Francis Poulenc, William Shakespeare, Patrícia Petibon, Anatol Rosenfeld, Anésia Pinheiro Machado, Marcela Rafea, Franz von Bayros, Asztalos Gyula & Magda Zallio aqui.

E mais:
Marguerite Duras & Todo dia é dia da mulher aqui.
Pagu – Patrícia Galvão & Todo dia é dia da mulher aqui.
Serenar na Crônica de amor por ela, Dinah Silveira de Queiroz, Jacques Prévert, Validivar, Paulo Santoro, Arieta Corrêa, Wong Kar-Wai, Manuel Puig, Peter Greenaway, Elisete Retter, Shirley Kwan, Agi Strauss, A educação e seus problemas & Lilian Pimentel aqui.
A árvore de Humberto Maturana & Francisco Varela, Darel Valença Lins, Luiz Melodia, Terra Oca & Lady Francisco aqui.
Debussy, Pierre Bonnard, Laurindo Almeida, Carl Rogers, Emily Greene Balch & Pós-Modernidade aqui.
Projeto Tataritaritatá aqui.
Educação, Sexualidade & Orientação Sexual aqui.
Big Shit Bôbras: Ói nois aqui traveiz aqui.
Big Shit Bôbras: o despranaviado geral aqui.
A campanha do Doro Presidente aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando Bestinha enfiou-se na bronca da vida e num teve quem desse jeito aqui.
O que deu, deu; o que não deu, só na outra aqui.
Aprendi a voar nas páginas de um livro aqui.
Canção de quem ama além da conta aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...