quarta-feira, fevereiro 15, 2012

A FOLIA DO PRAZER NA GINOFAGIA

A FOLIA DO PRAZER NA GINOFAGIA – Imagem: Love, by Carolyn Weltman - A manhã mal se fizera e na nossa carne fremia o reencontro. Às pressas trocamos um beijo e nos encaminhamos para o táxi até o hotel. Outro beijo estalou tão logo eu dissera o rumo do hotel pro motorista. A sua respiração era sôfrega. O seu corpo trêmulo fazia par com suas mãos inquietas sobre a minha coxa esquerda. Enquanto eu vasculhava as reservas e documentos na valise, seus dedos tateavam meu sexo que despertara ao seu contato. Esfregando a palma da mão sobre meu membro duro, logo o apertava fechando o punho, mordendo os lábios, olhando-me cúmplice. Na minha cabeça tudo se misturava às imagens do trânsito e às idéias no pensamento de suas travessuras sexuais. Com a chegada no hotel, tive que me recompor, colocando sempre a valise de forma a esconder minha excitação. Ela sempre ali, buliçosa, esfregante, achegada, no cio. No elevador, arrastamos as malas e indicamos o andar do nosso apartamento, quando ela logo se achegou arfante e apalpou meu sexo rijo. Não se contendo, ajoelhou-se e beijou meu pau mordiscando com seus lábios sedosos toda a extensão do meu caralho por cima da calça. Logo o elevador dera sinal do nosso andar e nos arrumamos para nos dirigir ao apartamento. Ela se mantinha inquieta, saltitante, inebriante. Eu, lavado em suor. Larguei os apetrechos no chão e corri pro banheiro. Lá, fiz a micção e me desvesti para o chuveiro num banho restaurador. Meu caralho insistia em não amolecer, dando conta que estava pronto para uma trepada boa. Findado o banho, me enrolei na toalha e abri a porta quando ela já se prostrara ávida para agarrar e abocanhar com força meu mastro duro sob a toalha. Logo ela levou as mãos até meu sexo para que sentisse na sua carne e para remover-lhe às vistas para dar uma engolida até o canto como quem está faminta de séculos. Levantou-se num triz e me largou um beijo enlouquecidamente sedento, se dirigindo pro banheiro. A minha cabeça rodava enquanto eu tragava o cigarro e amolegava o sexo enrijecido. Daí a pouco, tentando tomar pé da situação ainda inebriado priapo, ela sai com uma saínha justa e curtinha, com uma blusinha de alça decotada, deixando quase os seios à mostra. Era provocação demais. Encostou-se na pilastra e com a cara mais safada de putinha se dirigiu a mim como quem quer ser devidamente comida a qualquer custo. Ela tal secretária lúbrica, eu viciado príapo canibal. Aí ao se aproximar, novamente de cócoras tateou e sentiu minha pica fortalecida entre os lábios para ter uma dimensão de toda sua querência. Daí, num gesto brusco removeu a toalha e iniciou uma devotada oração rente ao pau em riste, dignificando-o e beijando-o, louvando-o e lambendo-o, sacralizando-o e chupando-o a ponto de roubar-me os sentidos e deixar-me enlouquecido de tesão. Ora lambia com calma manhosa, ora engulia chupando-o com violência até arrancar-me o gozo já pronto para encher-lhe a boca com todo meu sêmen. E mais sugava, mais lambia, mais chupava, permitindo que eu desfalecesse àquele ato tão delicioso. Não aguentando mais, puxei-lhe pelos cabelos e a estendi na cama. A saia minúscula menos escondia o que eu desejava. Logo encarei sua vagina fervendo. Fiz-lhe escancarar as pernas qual Jesus Redentor e ali saquei seu pinguelo duro e lindo. Ali estava o meu dicomer. Passei a língua no seu grelo e senti sua carne estremecer. Ali me arranchei e lambi até que ela largasse os primeiros gemidos: estava úmida, ensopada de desejos. Fiz-lhe carícias com os dedos entre os lábios vaginais, enquanto lhe chupava e lambendo todo seu monte de Vênus, o pátio da sua gostosura. Enfiei um dos dedos na sua loca, senti-lhe a uretra, o talho trespassado com cheiro do mormaço gostoso. Massageei seu períneo e percebi seus selos intactos, agora expostos ao meu sobejo. Escancarada. Era o meu fogo no seu rio, os seus sete mares, e eu pirata no seu mar, pilhando seus tesouros, me apoderando dos seus conteúdos, preando tudo, descomedido. E enquanto lhe chupava, alisava seus seios. Ela lânguida, mimada. E alisava sua carne macia e mais ela se inquietava. Segurei seus flancos e enfiei a língua trelosa na sua boceta gostosa para chupar-lhe a fruta boa, explorando sua caverna que me expunha todos os seus mistérios enquanto meu dedo acarinhava mansamente seu cuzinho que se inquietava ao meu toque. Sorvi seu mel escondido, tomei seu fel e aos poucos enfiava com jeito e calma o dedo no seu ânus, quando ela mais se contorcia, mais ronronava, mais se agitava enlouquecida, mais rangia os dentes gemendo de prazer, ali espalmada nua com todas as delícias da sua carne. Mais me apoderei dela, porque ela estava cheia de tudo. Tomei toda sua graça, toda sua doçura, ali enquanto a sua flor pulsava e seu corpo em agonia no nosso derriço libidinoso. Desvelado seu segredo mais intimo, toda sua graça mostrou-me a alma e eu pude sentir o seu mais incontido gozo. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
O presente na festa do amor aqui.

E mais:
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Ísis Nefelibata
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


FOLIA TATARITARITATÁ: CAMPANHA TODO DIA É DIA DA MULHER – Campanha deflagrada na promoção do combate à violência contra a mulher, culminando com as comemorações do Dia Internacional da Mulher, no dia 08 de março, e Dia Nacional da Mulher, dia 30 de abril.


Confira as homenageadas pela campanha no Crônica de amor por ela & a última entrevista realizada no Varejo Sortido .

E confira os frevos no YouTube.


A MULHER & BOM PASTOR, JEAN DE LÉRY, BARDAWIL, GALBRAITH, DESIGUALDADE, PICA-PAU & ARRELIQUE DE OZI

Livro, curso & consultas aqui . ARRELIQUE - Arrelique é coisa de menino, dona Judith, de menino levado da breca que sai bandolei...