terça-feira, setembro 13, 2011

O PISOTEIO NOTURNO & ANÁTEMA


O PISOTEIO NOTURNO - Imagem: Art by Ísis Nefelibata - O quê? Madalena Pisoteio? Meu sinhô, essa é o cão chupando manga! A danida eu conheço derna de pirrototinha e já era virada na gota! Jogava chimbra, dava cacete nos meninos da rua, pulava academia, apelava no garrafão para dar mãozada nas costelas dos desinfeliz, mascava o tempo todo um chiclete com um jeitão brabo, os dente remoendo de raiva por alguma coisa, chata que só, presepeira, parecia mais que era doente dos nervos ou dos ossos de tão ruim que era. Num tinha rebuliço que ela não tivesse metida, era encrenqueira de mesmo! Fosse o que fosse o negócio dela era desmoralizar os outros. Eita bicha home! Melhor ela de saia que muitos fuleiros que nem sequer honram a calça que vestem. O dito dela era ponto e pronto, não desinretava nem no pau, nem um tantim assim. Era a boca de uma mulher com palavra de homem. Duvidasse não, tabefe comia. Eu mesmo já vi a aloprada desbancar muito cabra metido a macho no rincão e depois o cara só não desmunhecou porque não tinha ainda esse costume. A desalmada arredava de pai, de mãe, de velho, de polícia, de autoridade, viesse não, ôxe! Possuidora que era dum juízo forte, a bicha quando se ariava, home, saia de perto que é melhor, a destemida endireitava logo o torto. Uma fulô de mulher, bonita que só, macha toda. A saia dela ninguém mexesse não, os peito duro, miudinho, metido na frente, nariz arrebitado, beiço virado, bunda de quartuda empinada, pisado forte com aquelas coxas de jogador de futebol, jeitosa toda, pintada dos pés à cabeça, vixe! Uma perdição de mulé linda! Acho eu, meu senhor, que ela tinha partes com o tinhoso. Verdade deveras, conheci Madalena na companhia do coronel Dionísio Cebolão, um homem destemido, ricaço da região, numa bebedeira desarrumada e na companhia do meu tio. Ele, o patenteado, era amigo do meu tio Benevaldo, outro atarracado em grossura e fora-da-lei. Eram amigos indo e vindo. Onde estava um, encontrava o outro. Pareciam mais irmãos. E desmantelavam um bocado de vida que se atrevesse a colocar qualquer dificuldade na mira deles. Madalena, muito jovem para o ancião, se enrabichara por ele, vivendo duma mancebia incólume por bares e noites perdidas no calendário, dançando e bebendo a noite toda, o dia corrido, quase semanas. O Dionísio Cebolão era um verdadeiro ogro, quasímodo, um sujeito neandertal, embelezado apenas pela filantropia e pelo dinheiro, o que permitia que a desbocada namorada possuísse um carro, um revólver três-oitão nos quartos, vestimenta da moda e um prestígio de causar inveja até nos maiorais da localidade, imagine nas damas dali. Era ela achegada a um jeans arrochado com umas blusas decotadas, coladas no corpo, dinamizando os contornos corporais salientes de atraente mulher, umas botas de salto proeminente, pisando forte, capaz de atropelar no pisado quem se metesse a se intrometer pela frente, uma bravura de ameaçar os céus. Brincos, pulseiras, um Rolex no pulso, cintos extravagantes, um Ray Ban legítimo para esconder-lhe os olhos verdes, um chapéu discreto, uma volta de ouro de quase dois centímetros de largura no pescoço realçando em tudo com uma elegância ímpar e chamando atenção pela beleza estonteante, ferindo a cobiça de todos com o seu caborge. Quem era doido? Todo dia a beldade desfilava sua suntuosidade com vestidos exuberantes ou mesmo em vestes primárias, shortinhos e miniblusas de fazer nego ficar com torcicolo por uns dias, praga largada pelas despeitadas esposas dos inditosos curiosos. Onde chegasse chamava a atenção. - Vá mexer com esse diabo, vá! Num tem vara no mundo que não se torne curta pela encrenca. Certa noite num bar muito requisitado pelos frequentadores homéricos, possuindo o estabelecimento a chancela de Pra Vocês, point dos mais atrativos para largados, desachegados e perdidos, estavam o Coronel, Madalena e meu tio, bebericando umas e outras. Eu aportara por ali a esmo, para degustar uma cerveja gelada descompromissada. Estava sozinho com meus pensamentos quando impuseram-me à mesa. Descabreado, quase que recusava, quando o coronel apimentou com seu vozeirão uma intimação incapaz de qualquer descrente de juízo no lugar fazer desfeita. Compulsoriamente eu estava ali, sentado, de frente para Madalena e ao lado do meu tio e do coronel. Mazinho ao violão, animava a noite naquele bar. No meio do repertório inventou de cantar uma música minha. Eu fiquei quieto, quase que escondido e num disse nada. Ao final o cantor achou por bem de anunciar que a música era minha. Foi uma ovação. Uns mangavam, outros aplaudiam fervorosamente. Fiquei em estado de nervos, todo cheio de pernas. - Esses poetas é tudo doido! Num sei no que pensam! -, era o coronel arrotando sabedoria. - Mas esse aí, cumpadre Benevaldo, não é porque é seu sobrinho não, esse é bom, é gente boa, a música é bonita, poeta dum estilo que num sei mais nem se é poesia ou o que é. Ô menino traz aquele violão alí que eu quero que esse poeta cante umas coisinhas para gente, vamos lá poeta!!!! A turma do gargarejo aproveitou a ocasião e meteu um coro: canta! Canta! Levantei-me e fui até o pequeno palco onde se encontrava Mazinho. - A culpa é sua, Mazinho! - Nada, dê uma canja pra gente! Fiquei meio lá, meio cá, mais pernas que minhoca, empulhado, situação vexatória aquela, meu. Apalpei a viola, afinei o instrumento e larguei uns xotes estilizados que eu havia composto. No meio fiz um pout-pourrit de Luis Gonzaga, Nando Cordel, Dominguinhos, Geraldo Azevedo, Alceu Valença, Lenine, Antonio Carlos Nóbrega, Zoca Madureira, a zoadeira de percussão na mesa com talheres, ganzás arrumados, bongôs improvisados com lixeiras e uma desafinação sustentada pela euforia da embriaguês. Tinha nego já dançando, ajuntando gente, eu já ficando rouco, empolgado, com os dedos inchando e a noite se acasalando com a madrugada. Quando concluí fiz o possível para tomar um gole e me despedi do palco, flagrando o olhar quente de Madalena na minha direção. Arrepiei a espinha. Virgem nossa! Que bronca! Desviei a vista e me concentrei apenas nas exigências do público pedindo mais, dirigindo o olhar para todo mundo, menos para Madalena. Que traidor seria eu, embalado pela amizade sincera, cometesse a perfídia de botar uma gaia no coronel? Deus que me livre! Senti de novo que ela estava hipnotizada por mim. Iiiiiihhhhh! Tocou fundo no meu coração, tocando com seus lábios sedosos a minha alma. Eita! Quase que o meu olhar fica agarrado no dela devido atração poderosa que ela exercia sobre tudo e todo o mundo. Vôte! Desconversei no microfone e cabrestei a intenção, diminuindo os goles para não ficar lavado e cometer alguma asneira. - Poeta, toque uma música para a minha Madalena. Danou-se! Era o coronel exigindo que eu tocasse uma canção para sua predileta. Procurei um buraco no chão para me socar e não encontrei. Que desafio. Um côro pedia uma canção que havia composto em parceria com Mazinho, chamada “Entrega”, pareciam cobrar de mim uma saída para tal vexame. Ela com um riso cobrança, como se dissesse para si mesmo: eu num disse, faça agora! Era um deboche, ela já sabia que eu evitava qualquer agrado para sua banda, e agora me colocava numa verdadeira sinuca-de-bico. Puta que o pariu, meu! Logo o coronel! Envolvido com meus pensamentos enrolava uns acordes e só me acordei daquilo com a cobrança peremptórica do Dionísio. - Como é, essa valsa sai ou não sai? E eu dizia para mim mesmo: a culpa é sua, coronel. Madalena aboletou-se a espera da minha canção, eu procurando os acordes que fugiam da intuição, ela exigindo a minha declaração que confirmaria com a música que escolheram se ela tocou ou não no meu coração e não só havia tocado o coração como todas as dependências do meu corpo e da minha alma. Eu estava tomado. - Canta! Canta! Canta! Minha nossa! Que enrascada! Encontrei a nota e dedilhei a música, recitei um poema e entoei a canção. Nossa, quase que o bar descia com tudo abaixo. Dê-me a sua mão nessa rua, nossos sonhos são tantos que eu já nem sei seguir por veleidades... Cantarolei. Linaldo e Cicó haviam gravado recentemente e ela tocava nas rádios como sucesso do momento na minha rua. Foi uma ovação. Não cantei, só solfejei a primeira frase e todo mundo, inclusive o coronel, fez coro a tantas vozes. Entoaram a letra do começo ao fim. - Eita música bonita da gôta! - era o coronel aos berros. - você merece, minha deusa! Tá vendo, ao vivo, assim, de graça, com o artista cantando para você com coro e tudo! Tá vendo! Essa é a minha Madalena! E ela quase desmaiando com uma sensualidade incrível e seu jeito especial de ser. - Muito obrigada! Bastou isso e eu me desmantelei, sorvi o copo de uma só vez e pedi licença para zarpar dali o quanto antes. - O quê? Você é ou não é um artista, pode cobrar cachê, eu pago! - É, agora você só sai depois que todo mundo tiver bêbo!! Foi um deus nos acuda. Sorte minha estava Ozi e Mazinho do lado, joguei o violão na caixa dos peitos do primeiro que saiu balançando a turma com seu jeito estilizado e, lá para as tantas, inventou de cantar outra música minha, “Estigma”, uma parceria com ele. Ai meu deus! Felizmente, depois que Ozi retomou seu repertório próprio, que se esqueceram de mim por um instante. Contudo, toda vez que eu me levantava para arriar o óleo da bexiga era uma confusão. - Você não vai sair agora não! - Calma, pessoal, só vou no sanitário. Ozi era um sucesso, mas Madalena acompanhava todos os meus passos para onde quer que eu fosse. Quase escapulindo, ela cutucou o coronel. - Tô lhe vendo, vai sair agora de jeito nenhum! Madalena não desgrudava de mim e assanhava o coronel a requisitar a minha presença no palco ao violão. Os dedos já não aguentavam mais, aproveitei Ozi e cantarolei outras tantas canções, já afônico, dando os últimos destroços da minha voz ali. Madalena se extasiava. Já de madrugada braba, álcool dominando tudo, o coronel convocou a conta e pagou tudo, dos que estavam e até dos que não estavam na mesa e noutras mesas. Passou o cheque e me deu um abraço forte e se despediu de todos. - Tô esperando outra cantoria para amanhã, ouviu? - assanhou, por fim, Madalena, se despedindo e jogando um beijo para mim. Ufa! Voltei a respiração ao normal, estava o tempo todo sobressaltado. Pedi logo outra cerveja e sorvi com avidez. Pensei que aquilo não teria fim. - Eu vi, Madalena colou em você! -, era meu tio largando pilhéria. Nossa, meu tio também notara, tô frito! No mato sem cachorros! Aquele mulherão iria me colocar de verdade num beco sem saída. Tudo virou um pesadelo. Por isso passei a evitar, definitivamente, os bares que eles frequentavam. Quando sentia de logo que eles estavam chegando no buteco, eu me esquivava e saía desembestado. Por causa disso, onde eu chegasse, pedia a bebida e pagava logo para que ninguém corresse atrás de mim cobrando. Sempre me esquivava. Um dia eu estava numa festa de aniversário do meu compadre Javanci e da comadre Sandra, arranhando algumas canções ao violão quando, de repente, aparece do inopinado, Madalena e uma amiga sua. Meu sangue fugiu. Sentaram numa mesa próxima, ignorando, por disfarce, a minha presença. Fiz que não vi. Aliviado com a indiferença dela, pude então cantarolar com mais entusiasmo e arrepiei no sentimentalismo exacerbado. Uns aplausos aqui, outro ali, nenhuma unanimidade, graças, discretamente discorria por minhas composições sem embaraço. A certa altura recebi do garçom um guardanapo. Ao abri-lo constava "Entrega", em letras garrafais. O bilhete não possuía assinatura, mas bem que eu já desconfiava de onde partira. Todo mundo voou em cima para ver que música haviam solicitado. Tentei evitar inutilmente. As deprecações exigiam a minha interpretação daquela música. Com o intuito de provocação, inventei de cantá-la com um timbre bem baixinho. De nada adiantou, todo mundo acompanhava os acordes da canção. Ao término, aliviado, estourou um pedido de bis duma mesa lá do canto. Condenei a solicitação. Daqui a pouco eram todos pedindo bis. Madalena levantou-se e cobrou: - Agora cante direito que ninguém lhe ouviu! Valha-me deus! Lá vou eu de novo seguindo a canção. Tudo bem. Aplausos, bis. Entoei logo outra cantiga e, por fim, se esqueceram daquela. Desfilei uma porção. Novamente o guardanapo: "Entrega e se entregue". Fiquei estupefato. A letra de quem solicitava era a mesma. Pedi desculpas e aleguei ao microfone que já havia cantado essa música. Protestos muitos, tive que por fim da força cantá-la novamente. E foi uma ovação sem fim. Aplausos. Aproveitei a deixa e flagrei Mazinho calado, encostado na porta da entrada e convidei-o a cantar. Por sorte ele aceitou e danou-se a tocar noite adentro. Aproveitei o encanto da sua interpretação e escapuli. Saquei das chaves, abri a porta e me sentei ao volante. Quando estou saindo eis que... não! Quem? Quem? - Ei, amorzinho, fugindo assim furtivamente, é? - Não, vim esquentar o motor que está frio e arriando a bateria. - Vamos para outro lugar, aqui já está além da conta. Me acompanhe. Era Madalena, ela entrou no carro dela e saiu me obrigando a segui-la. Entrou numa rua, saiu em avenida, subiu ladeira, descambou em declive, dobrou para a direita, contornou a praça, atravessou a rodovia, quebrou para a esquerda, entrou pelo bairro, disparou pela periferia, seguiu pela perimetral e estacionou num barzinho discreto. Desceu e ficou me esperando até que eu encostasse, desconfiada que eu abrisse do pau. Desci enervado, todo na minha. Ela tomou do meu braço e agarrada a ele me encaminhou para o interior do botequim. Qual não fora a minha surpresa, lá estavam o coronel e o meu tio, cheios dos paus. - Eu num disse que trazia ele praqui! - Esta é a minha raínha! O que você não consegue, amorzinho? Me diga? Venha cá poeta, tem um violão dos bons aqui pra gente e só tem a gente, viu? Fretei para o nosso esbaldar, está fechado para os outros. Que susto! Que cruzêta, meu deus! Não, não era, eles se riam misteriosamente, maliciosamente. Pediram mais cerveja, mais tira gosto e jogaram o violão nas minhas mãos. Saí cantarolando, desfilando muitas e tantas canções. Madalena interrompeu e pediu que o coronel solicitasse uma música chamada Entrega. Eu me arrepiei e atendi o pedido. - Porra! Que música linda! - É dele, amorzão, sabia? - Claro. Toca de novo, quero ouvir! Madalena aplaudiu a exigência dele. Cantei de novo, aliás, cantaram de novo. - Mostre outras músicas suas! - exigiu tio Benevaldo. E saí desfilando outras. Madalena não piscava o olho. O coronel notando o hipnotismo dela passou as mãos entre os seus olhos. Eu é que me toquei. Ela se recompôs. Cerveja vai, uísque vem e um bate-papo inaugurei. Deitei o violão nas pernas e comecei a enrolar conversação. - Vamos gravar o disco dele! -, sentenciou Dionísio meio que embriagado. Madalena só faltou se rasgar de alegria, aplaudindo efusivamente a idéia dele. - Calma, gente, eu não tenho um repertório definido para um disco. - O quê? Você cantou umas quinze músicas e não pode gravar um disco? -, era Madalena condenando minha atitude. - Não é isso, eu tenho umas cinqüenta composições inéditas, embora ainda não tenha escolhido quais delas poderiam fazer parte num cd. Finalmente assentiram e como a madrugada já estava por findar, raiando o dia, nos levantamos e partimos. Ele e Madalena se foram, o tio Benevaldo de carona comigo. - A Madalena está fissurada em você, rapaz! - Longe de mim, tio, tal desfeita com Dionísio. - Menino, ela está gamada em você, otário! - Sim, tio, eu acho que não, ela apenas aprecia e incentiva muito a minha música, viu? - Bicho besta, só você que não vê que ela está arriada os quatro pneus de amores por você. Eu sei tudo, sinto quando o cheiro da gaia aparece e se você não boliná-la, ela vai chantagear você até conseguir. Tenha cuidado, Dionísio é meu amigo e é doido de amor por ela. - Tio, fique tranqüilo, eu não quero nada com ela, inclusive, vou até me afastar de vocês. Deixei o tio meio bicado em casa e já respirando normalmente, livre da pressão imposta por Madalena, demorei engatar a marcha, aliviando o corpo por completo. Já de retorno ao lar, quando dobro a última curva para entrar na rua em que moro, eis que um outro veículo avexado me trancava. Tremi, seria uma emboscada? Providenciei logo os meus reflexos e já de marcha a ré, fui aplacado pela intervenção de Madalena. - Pensou que havia se libertado de mim, foi? - Não, não é isso, estava me recolhendo que o dia já está para nascer. - Tenho um convite, guarde seu carro que a gente tá noutra festa. O teu tio tava meio baleado e era melhor que a gente suspendesse a bebedeira para ele não dormir na mesa. Vá guarde o carro e venha no meu. - Não posso, daqui a pouco o dia nasce e eu tenho que descansar, fica para amanhã. - Vai fazer desfeita com o coronel Dionísio Cebolão, vai? - Longe de mim, só estou cansado. - Não vai ter cantoria, não, é só conversa mole, a gente está sem sono e quer jogar lero-lero fora. Vamos, vamos! - Tudo bem, eu vou no meu carro mesmo, acompanho você. - Olhe, não vá fazer papel safado! Me acompanhe mesmo! Rezei por todos os santos que nunca acreditei nem consagrei, pedi por tudo no mundo, para que aquilo não acontecesse comigo, era uma tentação que nem Jesus Cristo seria capaz de exorcizar. Eu estava fudido e mal pago no meio de um redemoinho inclemente. Acompanhei, a contragosto, o trajeto dela, sabendo que ía cair numa boca de caieira desgraçada. Chegamos na chácara, a porteira foi aberta por um capataz com uma espingarda calibre doze no suvaco, deu boa noite à Madalena e também cumprimentei na passagem. - Boa noite, seu poeta! - Cadê o coronel? - Foi ali, seu poeta, vê se arranja uns camarões. Volta logo. Adentrei meio que intranqüilo se bem que ele voltaria logo e Madalena não ousaria nenhuma manha para minha banda. Já estava tudo pronto, um litro de Johny Walker Blue intacto, bebida que muito aprecio, gelo, iguarias para tira gosto. Ué, tinha camarão à vontade e ele foi buscar mais? Desconfiei. - Vamos jogar porrinha enquanto Cebolão não chega. – Três! - Dois! - Perdemos, só tem um palito! - Três! - Lona! Ganhei, querido! - Três! - Um! Perdi, fofinho. Um a um. - Vamos lá, dois! - Lona! - Você ganhou, meu amor. Nem pestanejei e ela já estava se ajeitando, se achegando mais para perto de mim. - O que você quer, coisa fofa? -, perguntou-me toda saliente e dengosa. - Uma melhor de tres. -, respondi ríspido. - Só? Vamos lá, peça coisa melhor, coisa linda. - Tres! - Qualquer coisa, importando que você ganhe, meu amor. - Calma, Madalena, eu sou amigo do coronel e não seria de bom alvitre que ele nos visse com intimidades. - Ele liga não, amorzinho, veja só, vou tirar a blusa e ele não vai ficar nem aí. Tô com um calor danado. Não! Que ousadia, meu! Tirou a blusa e deixou os peitinhos com os bicos róseos, miudinhos, saborosos, à mostra. Que coisa! Deus meu! Fiquei atordoado com aquele espetáculo. Ela notou e me provocou mais, desabotoou o short e retirou-o depois ficando só de calcinha. Eita! Meu pau deu sinal de vida e já bulia por dentro da cueca. Pior: ela sentou-se mais perto e cobrou o meu palpite na porrinha. Estava absôrto. Ei! Não escutava nada, olhar fixo naquele corpo suculento, saborosíssimo, era real! Nem me preocupei com o vigia lá na guarita que devia estar filmando tudo para me foder a alma. - Ô, Madalena, você não está com frio, não? Quando dei por mim ela já estava com uma das suas mãos sobre a minha braguilha. Tomei outro susto! E me levantei bruscamente. - Calma, meu filho! - Não, não e não. Ou você se recompõe ou eu vou embora agora mesmo, onde já se viu? - Tudo bem. Seguiu casa adentro e eu fiquei tentando ordenar meus pensamentos na cabeça. Sabia que era uma arapuca. Que será de mim quando o coronel souber disso? Ela foi muito ousada, não resisti e agora? Estava metido numa camisa de onze varas, não tinha mais remédio, uma bronca das pesadas. Sentia fedor de morte no ar, como me sair dessa? Já estava me levantando para ir embora quando ela chegou enrolada num chambre, descalça, altaneira como sempre. Nas mãos, um frasco de perfume fino fazendo questão de quebrar o gargalo, só para impressionar o meu coração, uma atitude tão Madalena assim perante um pseudo Cristo como eu. - Tomei um banho, me refresquei e agora podemos conversar à vontade. - Cadê o coronel que não chega? - Na verdade ele foi ver se comprava uns camarões mas desconfio que seja uma retirada de campo, porque ele devia ir à fazenda de Quebrangulo para fazer o pagamento cedo e ver como está um dos seus mangalargas marchadores que estava meio adoentado. Você sabe, esse tipo de cavalo é o sonho dele. Qualquer coisinha ele se aperreia, nem comigo tem tanto cuidado. - É um cavalo caro! - E eu? Sou por acaso tão sem valor assim? - Não quis dizer isso! - É provável que eu não faça o seu tipo. - Não quis dizer isso também. - É, eu devia me tocar, não sou pro seu bico mesmo... - Calma, Madalena, vamos colocar o ponto nos iis e deixar claro que você é a preferida do coronel, ou futura esposa, sei lá, eu sou apenas um sonhador qualquer, não valho um tostão furado e não quero estragar nem a vida de vocês nem a minha amizade pessoal com ele. - Eita! Precisa fazer sermão, é? - Já raiou o dia e eu tenho de ir, já que ele não está, já vou. - Não, não. Façamos o seguinte, me dê uma carona até a praia de Camanducá que ele vai me apanhar lá. Você não vai deixar de me dar uma carona, não é? - Olhe... - Estou indisposta para dirigir e, inda mais, quero esperá-lo lá, já sei que ele quer que eu vá para a praia. Pensei, claro que eu queria recusar, estava cansado, não queria dar bandeira e cair nesta cilada. Ela tão solícita, tão compenetrada na minha resposta, sabia que eu estava correndo o maior risco da vida. Demorei. Hesitei. Um movimento brusco mostrou-me que por baixo do chambre ela estava nuazinha com seu cheiro de rosas, jasmins e sândalos. Mais provocante ainda arrancou uma pérola do seu colar, dissolveu num copo que havia trazido, pelo cheiro parecia cheio de vinagre e depois bebeu todo líquido. Empertiguei-me. Seus olhos faiscaram. Deu-se um alvoroço nas minhas entranhas. E quando o chapéu do vaqueiro endoidece e se anima todo, num tem quem não vire a cara pro perigo e seja lá o que deus quiser. Foi aí que ela pegou um taquinho de papel pequeno, jogou nele umas pétalas de estramônio, enrolou com caprichosa intenção, passando-lhe uma das bordas do papel na língua mimosa para emendar as partes como um cigarro, pegou o isqueiro e acendeu, dando umas baforadas na minha cara. Ah! Perfume letárgico. - Tá bem. -, assenti. Pra quê disse isso? Não queria que fosse assim. Não pensava mais. Ela esfuziante, deslumbrante, levantou-se e foi lá dentro pegar alguns pertences. Entrei no carro não antes me dirigir ao vigia que estava escondido no maior ronco, assustou-se e aleguei que estaria levando dona Madalena para a casa de praia de Camanducá, lá ela estaria aguardando pelo coronel, ok? Certo. Retornei ao automóvel, espremi os olhos, agitei as mãos para acordar daquela quimera, buscando disposição para dirigir por quase oitenta quilômetros na rodagem da praia. Fiquei aguardando, até que ela abriu a porta e, mais linda que nunca, se aboletou no assento de forma sedutora, deixando algumas de suas maravilhosas partes às minhas vistas. Meus nervos tremiam, não conseguia nem guiar direito, estava condenado pelo imã que seu corpo atraía. Acelerei, empurrei primeira e saí estrada afora, no meio das canas do coronel. Uns quinze quilômetros andado, Madalena sentiu-se mal. Fiquei aperreado, estacionei o veículo na beira da estrada, desci, pelejei, contornei o carro e fui até a porta do passageiro onde ela se encontrava, abri-lhe e ela sufocada exigiu que friccionasse seu peito, alegando falta de ar. Meu deus! Minha mão roçava os seios dela ao que ela pegou minha mão e levou por baixo do chambre, levando-as de um seio ao outro, numa verdadeira provocação. Nesse ritmo doido, sabia lá o que fazer, meu pênis dilatou. Ela meteu uma de suas mãos sobre meu membro duro. Repulsei carinhosamente. De olhos fechados e lábios semicerrados, uma lindeza do céu, ela insistia alisar minha intimidade enquanto eu repousava minha mão num de seus seios palpitantes. Era o paraíso na porta do inferno. Algum tempo depois, normalizando a respiração assentiu continuar a viagem. - Já estou melhor, sigamos viagem. -, disse-me ao perceber a minha sutil rejeição. Não agüentava mais as artimanhas dela e segui silente, ligado na rodagem. Era um sacrifício além das minhas defesas orgânicas. Foi ai que com a mão esquerda ela segurou minha perna; olhei pelo canto do olho, ela se contorcia no assento do lado, abrindo o chambre para entregar-me sua nudez. Agitando a mão direita pelo próprio corpo, inquieta; a outra subindo mais, alcançando minha virilha, escorrendo o zíper lentamente, metendo-se por cima da minha cueca, depois removida, alisando-me assim em carne viva. Deu um puxão na minha espada, ficou agitando num vai-e-vem delicioso. Depois de um certo tempo assim alegou tontura e foi deitando-se no meu ombro até se fazer adormecer, indo escorregando pelo meu tórax até, finalmente, deitar a cabeça no meu colo, onde meu cacete duro estava livre aos seus cuidados manuais. Não ignorando nada, fiquei à deriva das tentações dela. O pau que só madeira-de-lei, acariciado por exímia manipuladora, foi tocado por seus lábios rubros, beijando-o de cima a baixo. Ora beijava, ora lambia, engolia, chupava. Ave, praga! E eu devaneava conduzindo-nos por aquela estrada, meu deus, como eu queria que aquilo nunca terminasse, a estrada fosse para sempre, sem fim, na eternidade, estrada por caminhos múltiplos, milhões de veredas, zilhões de quilômetros, arrudiando os planetas de norte a sul, de leste a oeste, perene, no meio das estrelas, por entre cometas, atravessando o sol, galáxias, o infinito, quanta doçura naquela língua aveludada que sugava meu corpo, penetrando minha alma, usurpando meu eu, minha identidade, minha consciência de ente perdido na rompante do tempo, pelo espaço ignoto, pela ultra sensação de liberdade cósmica, num transe perfeito da loucura sensual que me abocanhava o universo e me dizimava em microátomos inatingíveis. Eu estava fudido no meio de um redemoinho inclemente, de verdade. Acompanhei o trajeto dela, sabendo que ia dar numa emboscada desgraçada, de mesmo. Já não conseguia concatenar nada, meus pensamentos se repetiam, confundindo palavras, situações, eu todo confusão, negando-me ao meu próprio desejo, conflitando todas as querências e repulsas, não, eu já não sabia de nada, se pulava no precipício ou se dava a cara para o ignoto dédalo ameaçador onde um minotauro hostil me espreitava. O que era doce aqui seria fel depois, sabia eu, estava cônscio desses opostos. Ah! Como eu poderia aquilatar aquele momento no vórtice da minha própria existência, levada entre a quimera e o transtorno, entre a frustração e a veleidade? Que frustração que nada! Estava inteiro ali naquela boca, naquela abóbada iluminada que me revigorava para viver no meio da imensidão intransponível e que era agora um aleph ilógico revendo os mínimos detalhes de toda minha vida em fração de segundos, meus erros, acertos, arroubos e anátemas. Ah! Como eu poderia ser tão indiferente ao milagre de tal prodigalidade que me devolveria o sentido roubado para seguir adiante nos dias vindouros de um futuro imensurável na direção maluca de uma rosa dos ventos, girando embriagada, em todas as direções. Ah! Como eu poderia negar a felicidade quando ela me jogava no precipício da razão e do pudor, mostrando que o presente é o que se enaltece nessa cena transcendental, que apreendeu que o passado é uma dose doce passada a limpo e que o futuro é a embriagues vital de luz e de compreensão. Ah! Língua gnóstica do meu desejo panteísta! Boca prismática do meu gozo existencial! Quase morro no torpor do prazer. Por fim e pra minha tristeza, concluímos a viagem e chegamos na casa de praia. - Duvida que sou gostosa? - Não, nunca sequer duvidei. E não pude me segurar. Verdade, pus a mão no fogo. Se fazendo por indisposta, tive que levá-la nos braços até a cama. Alguém que passava inquiriu o que acontecia, o que se passava, alegando eu, assustado, que ela estava só se sentindo mal da bebedeira da noite e que estaria restabelecida após um sono dos anjos, livrando-me de qualquer obstrução. Ficamos a sós, joguei seu corpo badejo na cama ao que ela ronronou, eriçada, suspirou ofegante e não largou minha mão, ao que me puxou para cima e largou um beijo na minha boca com uma astúcia letal. Não tive como conter tal provocação. Desliguei o mundo e arriei de cabeça em sua carne. Beijei-lhe plenamente: a boca, os seios, o ventre, a boceta gostosa e suguei seu segredo, fiquei bêbado de luxúria, louco na libidinagem e enfiei minha língua em suas entranhas até ela extinguir-se aos gritos. Foi então que ela usou de sua força e puxou-me pelos cabelos até senti-la ofegante e louca. E num beijo ardente penetrei a sua alma. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui e aqui


ANÁTEMA NO ANDRADETALIS – A minha música Anátema foi o tema de encerramento do quadro Tataritaritatá no programa Alagoas Frente & Verso da Rádio Difusora de Alagoas, incluída no meu show Tataritaritatá e BG no clipe Arte Cidadã. A letra dessa música foi destacada no blog AndradeTalis. Esse blog é editado pelo jornalista e poeta Talis Andrade que também edita os blogs Poeta Talis Andrade, Estatuto do Jornalismo, o Fotolog Talis Andrade, Poetas cantam poetas & Poemas Inéditos. Aqui minha gratidão.



Veja mais sobre:
O presente na festa do amor aqui.

E mais:
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Imagem: Art by Ísis Nefelibata.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...