sexta-feira, janeiro 29, 2010

APRENDER A APRENDER


APRENDER A APRENDER - O aprender a aprender é o processo pedagógico que fomenta o aprendizado sozinho, exigindo uma autonomia moral e intelectual que possibilite a decodificação das informações durante a transmissão dos conhecimentos Nesse sentido, é de fundamental importância que a educação transmita saberes que se encontrem dentro da pratica do saber-fazer e que se encontrem adaptados e se mostrem evolutivos dentro da cognição, não bastando a acumulação dos conhecimentos, mas o enriquecimento destes na adaptação da vida e das mudanças do mundo. Para tanto é importante que o conhecimento seja desenvolvido por meio dos pilares do aprender a aprender, solidificados no aprender a conhecer, a fazer, a viver juntos e a ser. Aprender traz uma conceituação que se aproxima de viver, tomar conhecimento, se informar, ter ciência e, com isso, conduzir-se melhor na vida. A seleção de dados que são jogados pela variedade dos canais de informação e dos avanços tecnológicos de armazenamentos e transmissão, é um dos papéis fundamentais do verdadeiro aprendizado. Aprender por meio da transmissão da informação e do conhecimento, deve possibilitar a auto-educação que, por sua vez, traga a descoberta e desperta da consciência individual e, por conseqüência, robusteça a sensação da responsabilidade de cada diante dos problemas e valores essenciais da vida. A promoção de elaboração de um método de descoberta, é um dos fundamentais aspectos e objetivos no desenvolvimento de um processo próprio que deve ser explorado pela ação pedagógica, no sentido de direcionar o educando ao disciplinamento metodológico da descoberta, por meio da construção intelectual e por conta própria, da elaboração de soluções. Essa deve ser a relação da ação didática com o processo educativo na formação da identidade, promovendo o aprender a aprender, para aprender a conhecer, a fazer, a ser e a viver juntos. O aprender a conhecer objetiva a compreensão do mundo e de seus diversos aspectos estimulando o sentido critico, supondo o aprender a aprender por meio do exercício da memória, da atenção e do pensamento, treinados desde a infância para beneficio ao logo da vida. O aprender a fazer deve promover a atuação do individuo sobre o meio envolvente e está articulado com a formação profissional, na aquisição de competências, no trabalho participativo e em grupo, na qualificação, no domínio das técnicas e na autonomia do desenvolvimento de suas atividades. O aprender a viver juntos configura a aprendizagem de viver com os outros, respeitando o outro, cooperando e participando das atividades humanas. Essa é uma das missões da educação em transmitir no processo de aprendizagem o conhecimento da diversidade humana e da pluralidade cultural, conscientizando as semelhanças e diferenças por meio do diálogo. O aprender a ser diz respeito à identidade e à personalidade, no agir com autonomia, capacidade, espiritualidade, inteligência e responsabilidade pessoal.
A APRENDIZAGEM E O PROTAGONISMO - A aprendizagem merece atenção especial no processo educacional, uma vez que se deve respeitar o potencial de cada indivíduo, tendo em vista que o ser humano possui a capacidade de se adaptar e se adequar ao meio, possibilitando a sua auto-realização. Nesse sentido é de fundamental importância abordar-se acerca das idéias de Carl Rogers e de Abraham Maslow no sentido de melhor articular a prática pedagógica às necessidades de aprendizagem do educando. Nos estudos da teoria humanista de Carl Rogers ele apresenta que a aprendizagem e o conhecimento teriam um papel fundamental na maneira como a educação pode transformar e influenciar um indivíduo. Nesse sentido, as idéias do autor enfatizam a realização do potencial individual de crescimento. Essa avaliação comportamental inserida nos dezenove princípios que envolviam desenvolvimento da noção da realidade, forças que levam o individuo a agir e desenvolvimento da própria auto-imagem Para ele, o homem é perfeitamente capaz de se adaptar visando crescimento e o engrandecimento do seu ser. Esse crescimento pode entretanto ser travado ou direcionado de forma inadequada a outro sentido se a idéia que o indivíduo tem da realidade não é coerente com a realidade em si. Para o autor o ser humano é inerentemente bom por natureza e a forma como o indivíduo percebe o que é necessário para realizar-se é à base de seu comportamento. A pirâmide de Maslow estabelece o processo hierárquico das necessidades para atingir a auto-realização. Essas necessidades estão relacionadas com o aspecto piramidal empregado pelo autor, colocando em primeiro lugar, as necessidades básicas do ser humano como fisiológicas, tais como fome, sede, sono, sexo, excreção, abrigo. A necessidade de segurança é entendida como a necessidade de se sentir seguro, seja no recinto do lar, no emprego estável, no seguro de vida. As necessidades sociais são aquelas atinentes ao amor, afeto, afeição e sentimento de pertencer a uma classe ou grupo. As necessidades de estima se enquadram no reconhecimento das capacidades pessoas e dos outros frente as capacidades de adequação e adaptação. E as necessidades de auto-realização com relação aos seus anseios e desejos.
CONCLUSÃO - O aprender a aprender é o resultado de uma experiência que deve ser manifestada e praticada em conjunto na escola e nos demais segmentos sociais, no sentido da necessidade continua, dialética e dinâmica de aprender a re-aprender. É papel da educação contribuir para o desenvolvimento individual da capacidade e da iniciativa da busca por si mesmo de novos conhecimentos e, por conseqüência, promover o aumento da autonomia do individuo. A partir do fato de que o aprendizado ocorre numa circunstância ininterrupta, possibilita que o individuo interfira nesse processo para aproveitar melhor e de forma vantajosa de si mesmo.
O papel da educação na promoção e valorização do ser humano se reflete nos questionamentos que submete toda a população planetária aos problemas mais agudos, como as questões da concentração de renda, da pobreza, da desigualdade social, da discriminação de gênero, da violência e de tantos outros, diante da necessidade de se implantar uma sociedade de paz, solidária, isonômica, plural e emancipada.
A violência, a pobreza, a desigualdade social, a injustiça, a discriminação de gênero, a destruição, a degradação, entre outros graves problemas que acometem a sociedade humana, são vistos como fatos que não são isolados em si, mas que se articulam e se misturam dentro da cadeia de problemas da humanidade. Em razão disso, se faz necessário que a escola atue no debate desses problemas, buscando por meio de uma abordagem histórica e contextualizada da origem, causas, conseqüências e propostas de solução, no sentido de instaurar um diálogo que se encontre articulado com as necessidades do educando e a sua realidade local. Nesse sentido, a educação precisa atuar conteúdistica e transversalmente por meio de questões como ética, multiculturalidade, meio ambiente, saúde, orientação sexual, trabalho, consumo e paz, no sentido de trazer à tona o debate entre os educandos, no sentido de possibilitar uma reflexão dialógica que leve ao processo de conscientização. É preciso articular a questão ambiental com as demais áreas transversais, uma vez que a educação ambiental torna-se uma pratica política e social na qual há a possibilidade de interferência dos indivíduos para a transformação participativa do seu meio. Essas articulações pedagógicas promovem a consciência solidária para enfrentamentos dos problemas conexos que permeiam a existência humana, possibilitam o conhecimento que valoriza a compreensão básica da presença e função da humanidade, produzindo atitudes que impulsionem a participação ativa do indivíduo na sociedade, promovem aptidões para resolução de problemas individuais e coletivos na capacidade de avaliação em função de fatores políticos, ecológicos, sociais, econômicos, educacionais e estéticos. Enfim, levam a participação do individuo no seu meio no sentido de transformá-lo dentro de uma cultura de paz, solidariedade, respeito e sustentabilidade.
CONCLUSÃO - Tendo em vista que o individuo é produtor e co-produtor mutua e democraticamente que se formam na condução da vida para se formarem, atuarem, desenvolverem-se e alcançarem seus objetivos e metas, tornando-se planejadores e executores da formação identitária que se forma por meio da promoção do protagonismo da auto-realização. A educação tem um papel relevante na promoção e valorização do ser humano por meio de ações que proporcionem conscientização individual, social, emancipatória, ambiental e sustentável, centrada nas necessidades individuais para descoberta dos anseios e desejos coletivos. Por essa razão a educação deve promover a sensibilização do educando no sentido de que seja despertada, ensinada e ativada a necessidade de participação com responsabilidade social, desvelando o sentido da realidade. Interpretando o meio e a forma de vida e problematizando as diversas e diferentes forças sociais que atuam, interferem e se tornam complexas na vida do individuo.
REFERÊNCIAS
DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 2000.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
MORETO, P. Construtivismo. Rio de Janeiro. DP&A, 2000.
SANT’ANNA, I.; MENEGOLLO, M. Didática: aprender a ensinar. São Paulo: Loyola, 1989. Veja mais aqui e aqui.



Veja mais sobre:
Vamos aprumar a conversa, Ariano Suassuna, Elomar Figueira de Mello & Camerata Kaleidoscópio, Luís da Câmara Cascudo, Leandro Gomes de Barros, Cantadores de Leonardo Mota, Lauro Palhano, Sylvie Debs, Mariana Pabst Martins & Ciro Fernandes aqui.

E mais:
Papel do professor na aprendizagem aqui.
Responsabilidade social aqui.
A teoria política do individualismo possessivo de Hobbes a Locke aqui.
Direito: teorias, interpretação e aplicação aqui.
A qualidade na gestão escolar aqui.
Inclusão social pelo trabalho, Pitágoras, José Louzeiro, Samir Yazbek, Jacques Rivette, Xue Yanqun, Ednalva Tavares, Lisa Lyon, Música Folclórica Pernambucana & A imprensa na atualidade aqui.
Literatura de Cordel: Quadrilha junina, de Francisco Diniz aqui.
Literatura de Cordel: Sidrião e Maristela ou A goiaba da discórdia, de José Honório aqui.
Velta, a heroína brasileira aqui.
Método Científico aqui.
História & Literatura do Teatro aqui.
Literatura de Cordel: As flô de puxinanã, de Zé da Luz aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.




CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.



ERNESTO SÁBATO, EDWIGES DE SÁ PEREIRA, MARIA FIRMINA DOS REIS, ADMAURO, LUCIAH, FENELON & PNTANDO NA PRAÇA

PINTANDO NA PRAÇA - Manhã ensolarada de sábado, nuvens em trânsito e chuva passageira para amainar o calor, olhares dispersos, muita conve...