segunda-feira, novembro 12, 2007

SULAMITA, PREVISÕES & OUTRAS DICAS!




SULAMITA, MINHA FILHA- Todo sábado a feira livre da cidade ganhava euforia imensa, quando Sulamita aparecia com seu vestido de renda, discreto decote, pernuda, rebolativa, pulcra e com um sorriso a cumprimentar todo mundo dali. Era verdadeiramente um colírio para contrabalançar com a feiúra e o descolorido de tantas coisas ofertadas às vistas, enlameadas, espragatadas, estuporadas, com bugios desdentados e feirantes esdrúxulos aos berros visando chamar a atenção da bela donzela que desfilava impune pelos corredores da feira livre da cidade. Vinha ela sempre faceira, lábios carnudos, carne suculenta, uma alegria admirável, uma felicidade das grandes. O seu jeito grácil paralisava todo movimento assim que apontasse na esquina do supermercado em direção das toldas, irradiando saúde, bem aquinhoada nas formas corporais, surgindo com o poder da imantação. A todos chamava atenção. Vinha livre da prisão do pai, o misterioso e avarento Tertuliano, imposta à sua filha mais bela e mais velha. A sua magnética feição causava sobressaltos ao se chegar, toda prendada, a catar verduras, escolher frutas, legumes, queijos, hortaliças; aquela mãozinha delicada pesando o feijão, o arroz, os condimentos.
Os marmanjos não dispensavam os mínimos detalhes de sua gesticulação, flagrando sua esfuziante investigação alimentar. Era um bom dia sonoro e musical ao passar pela tolda de Nanoca, aquela das aves e ovos, na compra de um galeto robusto e fresco, examinando atentamente a sua total nudez quando depenada. Uma voz maviosa cantarolando uma música transcendental, a música de um anjo. O seio se delineando no discreto decote, ao se curvar para contar bananas, na frente de Totonho fruteiro, um deus nos acuda! O peitinho duro, moranguinhos sedutores, bons de chupar. Um sacolejo na cintura fazendo arregalar os olhos do calunga Nhonhô, numa dança vertiginosamente sensual. Umas coxas recheadas de prazer alimentando a punheta de Tijela, ao vê-la arregaçar a saia de cócoras para conferir a laranja comum e depositá-la na sacola. Tijela se oferecia, na sua doideira, como carregador das compras, gratuitamente, empurrado bruscamente para longe pela fúria do famigerado pai, eternamente vigilante e contrariado com tudo. Comentavam de como poderia vir ao mundo figura tão cândida como Sulamita, filha de um monstrengo daqueles. Deve de ter puxado à mãe, visto ninguém conhecer a sua genitora, enclausurada em casa. Sabia-se apenas do nome, Dona Tércia, mais nada. Deve de ser também uma megera por se casar com tão trombudo homem. Um flagrante exclusivo em dirigir seu olhar à cata de algo e com todos os olhos na direção dela, atrapalhando trocos, pesos, contas; desarrumando toldas, barracas, panelas de barro e exposição de camelôs e feirantes; proporcionando a maior confusão em tudo por sua mágica feitura, causando até brigas entre mariolas hipnotizados que se chocavam uns aos outros, causando bulha só por causa do balanço gracioso dela.
Guiomar verdureira não se continha com a besteirada dos velhacos, reclamando ser essa mulher a razão do pecado, um fruto do cão. Era inveja nas mulheres e cobiça nos homens. E quando chegava na outra esquina da saída da Ceasa, deixava um perfume no ar alimentando inúmeros amores platônicos nos macorongos sentimentais dali.
Naquele dia estava sozinha, contudo, sempre aparecia ao lado dela, sempre sisudo, atarracado e aborrecido, o velho Tertuliano, seu pai, um arengueiro e rude agricultor da cana-de-açúcar que, ao longo da vida, conseguira viver de forma modesta, porém autossuficiente. Sulamita era a menina dos seus olhos, desbancando com sua ignorância peculiar toda a nobreza de quem se aproximasse daquele primor de mulher.
Tertuliano transferira a família para a cidade, oriundo do engenho na zona rural, recentemente. Ninguém ainda havia se acostumado sem furor com a presença daquela casta senhorita. E a mudança do campo para a vida urbana trouxera uma placidez com gosto de felicidade naquela mulher, sua mãe, Dona Tércia e dez irmãos, nove deles do sexo feminino. Essa nova moradia dera-lhe mais vitalidade, comprovada pelo brilho imenso dos seus olhos, a boca entreaberta mostrando os dentes branquinhos, o jeito saltitante de enamorada com a vida. A vinda para a cidade significava que o negócio estava prosperando, a cana em alta, a abastança dos fazendeiros animavam as plantações, mais próximo dos bancos, do comércio e do escritório das usinas. Isso ajudava o pai a alimentar o sonho de se tornar um dos agricultores bem sucedidos da região, a exemplo de seu Maçu Librosa; criando gado do bom feito seu Nandinho Norinhos, seu Rômulo Outeiros; com cavalos mangalarga marchador, quarto de milha, éguas a peso de ouro, garanhões premiados feito Violineiro da Santa Musiquinha, com fazenda e tudo, num plantel de dar inveja. Apesar de rude, ele sabia que um dia chegaria a trocar uns dedos de prosa com os Leruel da Grota, da Usina Serramby; os Danceiros, de Inhambu; os Laureão, de Brumeliana; arrotando riqueza, sentando potentado e fazendo deles seus amigos mais íntimos para influir na política e nos destinos das cidades circunvizinhas. Sua principal vingança era arquitetada contra os funcionários do Banco do Brasil, quando um dia ficasse rico de cagar dinheiro pela culatra, entraria numa agência bancária daquelas e desbancaria o rei que aqueles taizinhos, no dito dele, criavam na barriga. Humilharia aqueles contraproducentes, no adjetivo dele, com seu saldo modesto de vários milhões, ameaçando tirá-los da conta sob a cara que achasse chata nos guichês; rebaixar aqueles gerentezinhos que, segundo seu próprio juízo, gente imprestável e falsa que se ocupam dos cargos das instituições financeiras, ditando sempre como eles deveriam proceder, de que jeito, forma ou prazo, porra nenhuma! O dinheiro é meu, tome no cu e se fôda de uma ladeira abaixo com a boceta da sua mãe junto! Que Tertuliano fosse o maior de todos, paparicado, bajulado e babado por todos aqueles frutiqueiros de merda.
Sulamita, apesar da idade, ainda brincava com as suas bonecas de pano. Uma inocência angelical, privada das ruas. O velho só permitia que as filhas saíssem para a escola a fim de educação, mais nada. O resto era em casa, dias e noites. Não se permitia nem ver televisão para não pegar mau costume, apenas um radinho de pilha para iluminar seus sonhos de ser, um dia, visitada pelo príncipe encantado.
Tertuliano, por sua vez, possuía uma vida muito regrada e cheia de turbulentos transtornos. Dona Tércia era uma verdadeira dona de casa, escravizada e sempre à sua mercê. As dez filhas: Sulamita, de 24; Silvia, de 23; Severa, de 22; Sinfrônia, de 21; Sinara, 19; Sibele, 17; Simone, 16; Sandra, 15; Sabrina, 14; e Soraia, 12; pareciam mais um rico pastoril e faziam uma escadinha de procriação, sem contar com Sávio, único filho macho de apenas vinte anos de idade, todos trancafiados a sete chaves dentro de casa, para que ninguém deitasse vista e desejasse as suas serviçais, numa verdadeira escravaria. As meninas dormiam amontoadas em dois quartos, Sávio no sótão. Algumas ajudavam Dona Tércia nos afazeres de casa. As outras, numa risadagem sem fim, amolegando suas bonecas o dia todo.
Quando o velho chegava era um silêncio funéreo dentro de casa. Ninguém ousava nem um cochicho.
No café da manhã o velho exigia sob rigorosa recomendação e cumprida em cima da risca tudo que partisse do seu mando, a presença de todas as filhas sentadas à mesa, com Dona Tércia e Sávio servindo de garçons ao capricho dele. O bruto possuía um prazer satânico de ver as filhas arengando por causa de comida, uma vez que ele sozinho se fartava das carnes, deixando para todos apenas arroz, feijão, farinha, cuscuz, ou outras iguarias. Era um desejo latente de ver aquelas danadas discutindo, puxando o cabelo uma das outras, seminuas, a se embolar no chão, intimidades à mostra, o fruto do seu desejo. E quando a luta alcançava um teor mais áspero, ele se engalfinhava entre elas como numa brincadeira, apartando-as e apalpando aqui e ali, algumas protuberâncias carnais, não permitindo que ninguém intercedesse naquilo. Gostava de ver, se deleitava com isso. No almoço e na janta a coisa se repetia.
De todas, a Sulamita era a mais reservada, engolindo seco a comida e sem participar das contendas que as irmãs já se acostumavam em digladiar. Quando caía a noite, a charque era só dele; aos demais, farinha, arroz, farofa, feijão, macaxeira e inhame, numa verdadeira austeridade. Quem quisesse provar da charque tinha de lutar e ser a preferida dele. No meio da arenga, ele escolhia uma para sentar-se no colo, permitindo que saboreasse das guloseimas. Era um plano diabólico para levantar a ciumeira das outras que agora brigavam para ser a escolhida no dia seguinte. Mordiam-se umas às outras, apostando, de quando em vez, qual seria a escolhida para a fartura na ceia seguinte.
Noutro dia, terminada a ceia, se apossou da escolhida e levou-a para o quarto, ordenando a mulher que fosse ter com as outras, a prosear, visto que ele queria descansar em paz, sem barulho, nem tormentos, trovejando, sobremaneira, que ninguém deveria incomodá-lo na digestão sob hipótese alguma. Dito isto, se trancara nos aposentos, escondendo a chave. Do lado de fora, ninguém ouvia nada. Todos curiosos pela escolha do velho naquele dia. Foi a Sinara.
No dia seguinte, ceia exposta, consumida, escolheu Sinfrônia. E assim por diante, todo dia uma escolhida. Ele ofertava comida e depois se trancava no quarto com uma das filhas. Dona Tércia até fora proibida de entrar no quarto. Na primeira reclamação da mãe ele vitimou-a de um sacolejo grande que ficou adoentada por três dias, acamada. Sávio sentiu-se ferido e foi em defesa da genitora, levou uma espoletada enfezada de ficar zonzo por uns oito dias, sem saber nem quem era. O que se passava dentro do quarto deixava a filha escolhida com um olhar lacrimoso. Algumas esperneavam, ouvindo-se apenas os seus gritos.
Dona Tércia ousou nova reclamação dos maus procedimentos dele, desconfiando de alguma coisa, já que ele agora dormira com uma de suas próprias filhas. Ele deu-lhe uma tremenda surra para não se meter mais nos assuntos que só a ele diziam respeito.
Uma tarde, porém, ela constatara a veracidade de sua desconfiança, chorou agarrada às suas filhas, um choro longo, solidário. O que se poderia fazer contra um monstro daquele? Não tinha iniciativa, viviam sob as leis dele, não tinham opinião, não sabiam de si, muito menos; sabiam apenas cumprir os seus mandos, a sua vontade, o seu desvario. O poder dele anulava a personalidade de todos, uns resignados sem força para lutar, restando-lhes, apenas, as lágrimas, mais nada. Não demorou muito Tertuliano expulsar a figura materna de casa por causa das intervenções intrometedoras que ela fazia, surpreendendo-o no ato sexual com uma de suas filhas. Dera-lhe ele um pontapé na bunda, largada na rua embaixo dos mais cabeludos palavrões, sentenciada a não mais retornar àquele sagrado lar dele. Ninguém mais soubera notícias dela. Com sua saída, impusera ele um juramento às filhas de obediência e fidelidade absoluta às suas ordens.
Sulamita, em sua graciosidade, agora, reinava ali por ser a mais velha. E a insatisfação morava no coração daquelas jovens e Silvana foi logo a primeira a arribar de casa com um namorado arrumado às pressas, numa terça-feira, ao inventar a compra de um medicamento na farmácia. A fuga encolerizara o pai que saiu numa bruta busca na tentativa de resgatá-la. Mais aborrecido com o insucesso da empreitada, desferiu umas lapadas violentas no Sávio, sob a alegação de que ele se tratava de um irresponsável incapaz de vigiar suas irmãs. O menino ficou molezinho, pagando o pato ali mesmo, na frente de todas. Após a reprimenda, Sávio trancou-se por vários dias no sótão. A atitude grosseira se estendera a todas as filhas que dormiram com o bumbum ardendo, excetuando-se Sulamita, a mais obediente e protegida pelo pai. Não se livrando ela de um safanão nas fuças na hora de esquentar os pés do velho, por ter permitido a fuga da irmã.
Três dias depois veio a fuga de Suzana sob a proposta de comprar pão na padaria. Esgueirou-se mundo afora. Mais oito dias, outra. E assim por diante, restando apenas ao domínio dele a Sulamita e o Sávio, mais medrosos que obedientes. O asqueroso pai aborrecido com a inoperância do filho em coibir a debandada das irmãs, resolveu dar-lhes um castigo, castigo diferente, cheio de carinhos, de alisados, e de aguardente. O rapaz todo desconfiado com as gentilezas do brutamonte, foi se deixando embriagar até que num puxão violento, foi nocauteado e, de uma só investida, foi seviciado pelo ignorante. Sulamita presenciara tudo. Amargurou-se mais, crescia algo dentro dela que não sabia expressar. Era uma coisa ruim. Pensou em se apossar de uma faca e matar o pai enquanto ele enrabava o irmão aos gritos. Vacilou, temia que o pai se virasse dali contra ela. E depois de se vingar do Sávio, puxou-a pelos cabelos e, arrastando-a corredor adentro, trancou-se com ela no banheiro. O deplorável estava, naquela noite, insaciável.
No dia seguinte a manhã chegara com a notícia do desaparecimento do filho. A coisa foi piorando, o homem só saía agora de casa depois que amarrasse a única que restava, a correntes e cadeados, proibida de botar o focinho na janela e amordaçada para não gritar por ajuda quando ele não estivesse por ali. Inerte, ela chorava o dia inteiro, não havia como fugir.
A noite se instalara e com ela a chegada de Tertuliano fedendo a álcool, ela esfomeada, desde cedo da manhã, na mesma posição, toda dormente e já arrastada para a sedução ali mesmo. Depois desamarrava tudo com palavras e atitudes de carinhos, se saciando novamente com selvageria. Agora era uma violência brutal devido desconfiança que ela tencionasse também arribar.
Os anos se passando e Sulamita se recolhendo em horrores, buscando uma maneira de lhe diminuir os dissabores, embora todas as tentativas infrutíferas, em vão. Todo dia ele mais ampliava a sua câmara de horrores, seduzindo-a com ameaças, esfregões, de arma esfregada no nariz, cusparada no rosto e brutalidade infinita. Toda manhã ela chorava com a lembrança de cada cena, um sacrifício que jamais teria fim.
Certa feita, de súbito ele entrara pela sala adentro, esbaforido, amargurado com o engenho, a cana com baixo teor de sacarose, o saldo comprometido no banco, o gado doente, o alazão que morrera, reclamando de tudo, não conseguira financiamento no banco e, decepcionado, resolvera se banhar. Pela primeira vez ele não desamarrara Sulamita nem lhe atentara com sua sede sexual. Revoltado porque a usina pagara mais barato pela tonelada de sua cana, reclamou a noite inteira. Os vizinhos abelhudos já enchiam o saco dele com perguntas bisbilhoteiras a respeito dos familiares. Abofelava os ossos cada vez que uma fofoqueira dos estranhos indagando sua vida e a dos seus, produzindo com isso um recolhimento compulsório e mais cedo. Não interessava a ninguém a vida particular dele que se fodessem com suas perguntas insolentes. Resmungava, e muito! Sem falar mais nada, saiu do banho e desamarrou-a, depois, serviu-se dela. Satisfeito, sentou-se à mesa para jantar enquanto alisava as pernas e os seios da filha. Durante a ingerência da comida notou que estava ainda queimando de desejo e nem descansou direito, agarrou-se a ela, sussurrando safadezas, cochichando carícias, beijando-lhe o corpo todo e se armando para o ato sexual. Investiu sobre as carnes preferidas e gozou uma, duas três, quatro vezes, incansavelmente. Admirado de si próprio, o pênis virado com a porra, nada de ficar mole, duro, teso, renovou as investidas, expelia sangue e nada do cacete baixar. Começou a dizer besteira, falar maravilhas daquele corpo, desejos, delírios, miragens, investindo novamente, sentiu dores, afastou-se da fêmea, arrastou-se no chão, caralho roxo, inchado, doendo, se contorcendo, gritos no ar, embolando, exasperando, estrebuchando, aos gritos, palavrões, olhos revirando, o suor lavando o corpo até não poder mais resistir. Sulamita, ajeitando as vestes, fitava a tudo sem dizer uma palavra, olhos esbugalhados, assustada com a dor dele, sem ter o que fazer, viu-lhe o último suspiro. Com a zoada os vizinhos acorreram presenciando a mudez de Sulamita, desgrenhada no canto da sala, segurando o vestido entre as mãos envolvendo as pernas, enquanto o pai, bocarra aberta, mãos no pênis, se arrastando aos gritos roucos pelo chão. Último suspiro. Calada estava, calada ficou. Após o sepultamento do pai, Sulamita fora encaminhada pela bondade alheia a um sanatório do Recife. © Luiz Alberto Machado. 

VEJA MAIS:
 Ciranda, História Pernambucana, Carlos Fuentes, Daniel Defoe, Martin Luther King, Análise Literária, Margaret Edson, Érica García, Walasse Ting, Zine Tataritaritatá & Robin Wright aqui

Papisa Joana, Gilberto Freyre, Içami Tiba, Oswaldo Montenegro, Código de Defesa do Consumidor, Giovanni Battista Tiepolo & James Gillray aqui.

André Gide, Margaret Atwood, Tom Jobim & Vinicius de Morais, Joaquín Rodrigo, Pedro Demo, Márlio Silveira Silva, Sara Marianovich, Leon Hirszman, Miguel Covarrubias, Christian Rohlfs, Garota de Ipanema & Helô Pinheiro, Natanael Lima & Domingo com Poesia aqui.  


AS PREVISÕES DO DORO:
Foto: Antonio Jorge Nunes LEÃO (22 de julho/223de agosto) --“(...) eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos." (Apocalipse 5:4-6). 
CONSIDERAÇÕES INICIAIS: você carismática, imponente, otimista, poderosa, vitaminada e brava rainha do signo de fogo e do inverno, leonina regida pelo sol com todo glamour, duma personalidade vibrante e um espírito de liderança inequívoco, encantadora como Emily Brontë, sensual como Madonna, bela como Jacqueline Kennedy Onassis, exótica como Mata Hari, também consegue ser misteriosa como Alfred Hitchcock, libertadora como Simon Bolívar, transgressora como Andy Warhol, ditadora como Fidel Castro, generalíssima como Napoleão Bonaparte, baiana como Jorge Amado, poética como Mario Quintana, sem falar das suas personalidades Carl Jung, Shaw, Aldous Huxley, Bukowski, Polanski, Caetano Veloso, Ruy Guerra, Robert Plant, Ney Matogrosso, Mick Jagger, tudo isso num balaio só, pode? Lembre-se que quando você estava no vale de Neméia, povoado de Argólida, foi massacrada por Hércules que tirou tudo, até o couro e os ossos, restando de você apenas uma vaga constelação. Aprendeu a lição? Hum... aprenda.
O seu protetor é o arcanjo Miguel, um anjo guerreiro e o general das milicias terrestres, disposto no seu momento de decisão para ajudá-la na vitória, ágil nos negócios e competições. Por isso, reze sempre por ele senão vai findar no maior barraco do programa da siliconada Márcia Goldsmith. Chame Miguel sempre: todo domingo de noite, acenda 1 vela azul, 1 incenso com essência de bálsamo, mais uma pedra pirita e recite o salmo 47 com o pensamento positivo e depois uma oração para São Miguel-dos-Majestosos-Confins-dos-Céus.
Você também é protegida por Xangô, o poderoso guerreiro da justiça, poder e malícia que nunca aceita perder e faz tudo pelo prazer. E em 2016, no Tarô da Deusa, a sua carta é Imbolc que diz que você precisa se purificar porque está carregada de energias pesadas o que pode levar você à ansiedade, estresse, fadiga, cansaço e confusão mental. Por isso, relaxe, reveja seus hábitos e toda noite de lua nova tome um banho, entre as 22-24hs, com 9 folhas de laranjeiras, 3 de levante, 2 rosas brancas, 2 pétalas de violeta e 1 girassol, orando para Xangô-dos-Eternos-Guardiâes-das-Almas-Benditas com uma vela de 8 dias acesa entre as penas.
Você precisa de um talismã: 1 machado. E nunca se esqueça de ter um cristal exposto num local de destaque da sua casa. Feito isso, boa sorte.

AMOR: Como você é a Panthera leo, a felina luminosa big five elegante, daquele magnetismo especial de deusa bonita e charmosa, do sorriso ensolarado que contagia tudo e todos, cheia de si e dos seus dotes físicos, em 2016 tudo será por e pelo amor. A sua natureza fogosa contagiará o parceiro e não se esqueça de colocar a sua caça no pedestal. Use sempre aromas e essências de heliotrópio, hortelã, alfazema, almíscar, sândalo, ópio ou patchuli. Mas controle sua língua nas relações sociais e abuse dela nas sexuais, viu? Para satisfazer a si e ao parceiro, todo domingo ao se acordar pegue 1 panela, coloque 3 girassóis, 3 pétalas de violeta, 3 flores do campo, 1 banana seca, 3 folhas de laranjeiras, 5 pedras de carvão, 1 cristal, 1 imagem de São Jerônimo e 3 pingos do seu mijo, coloque numa vasilha e ponha para ferver. Quando estiver no ponto, coloque numa garrafa e tome o chá 3 vezes ao dia e isso deixará você num mundo de cheio de extrema alegria na selva do prazer e nas savanas do amor. Um aviso: sabe aquele felino lindo da reserva de Timbavati que você sonha porque enfeitiça seu coraçao? Pode tirar o cavalinho da chuva, nega, aquele não dá para você. Aquele Panthera leo azandica, também. O Leão-do-catanga, dispense. O congolês, descarte. O sul-africano, dê baixa. O do Atlas, dá um caldo, nada duradouro. O massai, hum.... dá pro gasto, mas você pode arrumar coisa melhor. O do cabo, uau! Esse você tem que segurar bem no cabo, filhota, senão ele arruma outra na hora! O núbio, hum... pra uma rapidinha é excelente! O asiático é frio pra porra! O europeu é arrogante, só serve para usar e jogar fora. O etíope, sei não, hem? O senegalês é pinga-fogo! O somaliano, nem se fala! O do sudoeste-da-África, o Kalahari, nossa! É outro que dá um remelexo de você perder até a identidade. O americano faz de você gato e sapato, quer? O das cavernas é bem caseiro e toca fogo no mundo, viu? A escolha é sua: segure na juba do seu amor demarcando bem o território dele, se não, se não. A gente sabe que quando você ama é fiel e devotada. Mas, se um tigre aparecer no seu pasto, minha filha! Não vá perder a chance, viu? Use sua tática de emboscada para capturar sua presa e seja lá o que deus quiser!


TRABALHO: Como você possui uma personalidade vibrante e um inquestionável espírito de liderança, não vá agir como um rei tirano, não. Quanto mais prepotente, mais a queda é drástica. Nada de reviver os tempos de Neméia, viu? A lição foi ou não foi válida, aprendeu? Atraia sorte com atitudes francas e generosas. Você sabe como se diferenciar pela criatividade e bom gosto, não sabe? Então, inove e fique à frente do seu tempo. Uma boa rebolada tesuda ajuda. Lembro: nada de orgulho ou autoritarismo. Afaste a preguiça mental, desligue a tv e pegue um livro, nem que seja um livro de sacanagem! Não se dê ao trabalho de ficar contando trocado, caia na gandaia e meta bronca com antílopes, hienas, gnus, zebras, javalis e elefantes, aí sim, você alcançará o podium. Bote sua mola. Uma simpatia para alcançar o emprego certo: todo domingo de meio dia, fique de joelhos, sente-se sobre as pernas, estenda os braços para frente com as palmas da mão voltadas para o chão e faça uma oração para o São Benedito-das-Hierarquias-Cosmogônicas. Enquanto reza estique-se para frente e mantenha a posição por uns 15 minutos. Quando terminar faça alongamento esticando a coluna vertebral. Esta simpatia garantirá a você encontrar o emprego da sua vida.

SAÚDE: Você encarna a virtude e a sabedoria, mas não é indestrutível, lembre-se. Como você tem uma energia magna e vitalizante, é expansiva e calorosa, Plutão estará sempre exaltado para sua banda. Mas não vá abusar, por isso, das gorduras. Coma sem remorsos lagostas, frutos do mar, pratos exóticos e luxuosos. Muita verdura, também. Faça muito sexo! Nunca é demais. E espalhe alto-astral! Caminhe bastante e aproveite do sol. Não abuse do sal. Toda sexta-feira pegue 1 pimenta malagueta, mostarda, 1 folha de angélica, 1 trisquinho de ouro, 1 foto de um leão, 1 cabelinho da venta de 1 gato, 1 taquinho de rubi, 1 lasca de loureiro, 1 taco de palmeira, 1 folha de laranjeira e 1 entre-casco de nogueira, 2 pétalas de mal-me-quer e 1 flor de girassol, meta tudo dentro de uma bisaca amarela, sacuda na parede, bata na cama, depois que tiver tudo remexido mije dentro e amasse bem amassado, costure e tranque tudo num lugar que só você saiba e alcance. Quando escolher o local, reze 10 Ave-Marias das Glórias Alcançadas e 10 Pai-Nosso do Salvador do Além. Quando tiver um monte de saquinhos, vá enterrando aos poucos numa encruzilhada onde o sol na alvorada dê no centro. Se você seguir à risca, refletirá sempre o conforto, riqueza, elegância, estilo e beleza que lhe é peculiar, nunca caindo ou se estatelando nas desgraças. Quando estiver se sentindo prestes a ser acometida por alguma doença passageira, conte com Saturno e Urano lhe protegendo. Então, vá ao teatro, ou faça uma viagem pelo Iraque, pela Itália, pelos Alpes, pelo sul da França. Isso mesmo, e se regozije com o seu bem-estar.

VIDA - Em 2016 você estará na casa 5 que representa a alegria de viver, a vitalidade, a criatividade, a extroversão, o prazer, os passeios, divertimentos e lazer. Como você é otimista, extrovertida, radiante, simbolizando a juventude da vida, tudo é uma festa e merece mesmo ser festejado: até as desgraças, fatalidades, quedas, vitórias, derrotas, tudo! Se não estiver sendo ouvida ou atendida, vá relaxando, ruminando, hibernando. Mas não se isole muito, nem morra de véspera. Como a gente sabe que você é bastante orgulhosa e auto-confiante, não fique ferida se não lhe derem atenção. Também não vá ficar morgada pelos cantos, abatumada, porque está se sentido rejeitada. Nada disso. Assim você vai cair do trono. Bote aquela sua generosidade ingênua e aqueles sentimentos régios e intocáveis na lata. Não se decepcione com as pessoas, na verdade nenhum ser humano merece confiança. Não seja presunçosa, nem arrogante, muito menos egoísta! Abuse das suas cores que são o amarelo e o vermelho. Por isso, nunca dispense nada entre o amarelo-claro e o marrom-escuro. Também sempre tenha ao redor laranja e dourado, nunca esqueça disso. Tenha sempre ao alcance algum diamante, ou cristal, crisólita, cornalina, âmbar, rubi, topázio, citrino ou brilhante. Quando estiver no inferno astral use: 1 cristal em 1 copo com água e sal. Fique em frente ao copo e faça exercícios físicos rezando o salmo das Vitórias-Futuras. Assim feito, só restam 2 coisas: a primeira, fazer aquela simpatia da virada do ano. Inevitável, extremamente recomendável. E, a segunda, votar em mim nas próximas eleições senão eu prego uma peça com um esconjuro pra lá de anatemizado nas suas costelas de nunca mais você encontrar o fio de prumo da vida, viu? Assinado, Doro.

Veja mais previsões acessando:



CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja aqui e aqui.


SKARMETA, MICHELET, ALDA LARA, IBERÊ CAMARGO & PANELAS

A PROFESSORA & A FESTA DO ESPALHAFATO - Acordei com uma surpresa: Carma estava ao meu lado, brincando com um Mané-Gostoso: - Cadê o me...